rss
email
twitter
facebook

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Ativação Profética: Onde fica o botão?

Os seminários de ativação profética estão se tornando uma febre, e não se assuste se em breve chegar esta novidade na sua igreja, é comum acontecerem adaptações destas esquisitices para serem vendidas aos ramos mais tradicionais, assim como fizeram com o G12, mudando o nome para Pequenos Grupos. Como toda novidade neopentecostal, esta também está recheada de heresias e extravagâncias, aliais, foi exatamente em um ministério chamado "Avivamento Extravagante" que tudo começou, só pelo nome já da pra ver que coisa boa não pode ser.

Eu me pergunto, onde ficam as Escrituas nessa história toda e onde está aquele povo bereano que tanto pregava contra as doutrinas humanas e acréscimos à revelação de Deus, fazendo frente ao misticismo, pragmatismo e sincretismo religioso? Será que pouco a pouco as fileiras das igrejas sérias também foram sendo substituidas por uma nova classe de crentes envagelicais adeptos de todo lixo da nova era?

Vejam esta chamada:

Venha ser profeticamente ativado na dimensão sobrenatural e receber as estratégias proféticas para desfazer as obras do diabo sobre o território em que nos encontramos!


Revelações extrabíblicas deste tal "apóstolo" se tornaram a coisa mais comum no meio "gospil" e estão inclusive publicadas no site oficial da Lagoinha. Conferir o que os super-profetas falam pela Palavra de Deus escrita parece ser enfadonho para os evangelicais, a Bíblia está sendo sistematicamente ignorada e desprezada a pretexto de uma restauração profética moderna e de dons que são ativados como que por um toque de mágica, criticam a leitura das Escrituras e acusam quem a ler com afinco de ter estudando tanto as Escrituras ao ponto de esqueceram de conhecer a Jesus.
Quanto a essa suposta ativação profética, eu pergunto: porque a igreja não precisou desta novidade em 2000 anos? Ana Paula já disse que foi discípula de Valnice Milhomens, são adeptos do G12 e várias outras doutrinas com base no ocultisto puro, é o outro evangelho. É bem verdade que nesse meio isso não é de se admirar, o que lamento é a quantidade exagerada de mentes influenciadas por eles, multidões, inclusive de membros de denominações históricas sendo levados à apostasia, como acontece com toda novidade que aparece por ai, elas passam por uma lavagem, são mascaradas e pouco a pouco as pessoas vão se acostumando com os termos e expressões destes ensinos antíblicos que começam por ser usados nas orações e "ministrações" dos grupos de louvor que copiam tudo que escutam nas músicas do Diante do Trono, é muito duro ver isso acontecer novamente, isso é um retorno à idade das trevas, ao misticísmo e abandono das Escrituras.
Não precisa ser "ativado" espiritualmente para ver o que está acontecendo, pra quem está firme na verdade é assustador ver nitidamente o avanço do engano dentro do evangelicalismo brasileiro e o quanto, mesmo as igrejas mais sérias, são afetadas e influenciadas por estes ensinos, temo que a tendência seja mesmo piorar, pois os males das falsas doutrinas são como o câncer, se multiplicam e se reproduzem com grande rapidez, e é cada vez mais difícil combater suas variantes e mutações dentro de nossas igrejas.

Mas a palavra do Senhor permanece para sempre. (1Pedro 1:25)

Por Djalma Oliveira Santiago

7 comentários:

pascoto12 disse...

Djalma, os pequenos grupos não são um eufemismo para o G-12. O mal que o G-12 causa, está no nível das idéias, das práticas ritualistas advindas de "exoterismo gospel" e teologia neopentecostal extremamente manipuladora. Se você parar pra pensar, pequenos grupos de oração, estudo bíblico e comunhão, sempre existiram em diferentes momentos da igreja, vida e biografia de John Wesley, por exemplo. O problema do G-12 é o que se ensina nesses pequenos grupos, e não a reunião nas casas em si.

João Wagner.

Djalma Oliveira disse...

João Wagner.

hurum,
é o que dizem

veja:
http://projetonur.blogspot.com/2010/02/igrejas-em-celula.html

Que novo nome o irmão sugere para uma adaptação tão aceitável quanto, para a "ativação profética"?

Djalma Oliveira disse...

hoje tem muita gente que já defende o g12, mas este movimento está tão ligado à renovação profética e novo apostolado que é impossivel aceitar um e criticar o outro.

um abismo chama o outro.

Anônimo disse...

Veja bem,cuidado com o que dizem.

Eu fui nesse Congresso aí, "Ninho das Águias", vi Deus agindo ali, inlusive na minha vida e voltei restaurado, curado, renovado e ousado, fui impactado e desafiado e lutar em prol do evangelho.

A Igreja Batista da Lagoinha, NÃO ESTÁ MAIS NO G12, a Igreja local não se adaptou, mas é uma igreja em células, que ao meu ver é algo muito bom, uma igreja com mais de 43.000 membros, onde todos são acompanhados de perto, individualmente, só através de células.

Aquele lugar é bênção, eu senti e vivi, ali tem ponto de apoio, para prostitutas, mães solteiras, homossexuais, acolhimento de órfãos e viúvas, nunca vi ALGO IGUAL.

Hoje (e sempre), aquela igreja está nas minhas orações, para que Deus a conserve assim para melhor.

Paz de Jesus. Eliomar
eliomarls@hotmasil.com

Anônimo disse...

Eliomar

tsc, tsc, tsc
hurum, funciona,
isso é puro pragmatismo, muita coisa no mundo religioso funciona, mas não têm apoio das Escrituras.

Anônimo disse...

Anônimo,

Números 11:16-17: "E disse o SENHOR a Moisés: Ajunta-me setenta homens dos anciãos de Israel, que sabes serem anciãos do povo e seus oficiais; e os trarás perante a tenda da congregação, e ali estejam contigo. Então eu descerei e ali falarei contigo, e tirarei do espírito que está sobre ti, e o porei sobre eles; e contigo levarão a carga do povo, para que tu não a leves sozinho".

Deus poderia manifestar-se diretamente a cada um dos 70, individualmente. Mas nesse caso específico Ele "tirou do espírito que estava sobre Moisés" e repartiu entre eles...


Mas há casos em que Deus opera individualmente, sem necessidade de ser "ativado".

É caso é o dom de línguas estranhas.
Pessoas que estavam sozinhas em seu quarto, carro ou cozinha e foram poderosamente visitadas pelo poder de Deus ao ponto de manifestarem instantaneamente a evidência do falar em línguas. Ninguém impôs as mãos sobre elas, ninguém orou nos ouvidos, nem ensinou-as sobre esse fundamento bíblico, simplesmente Deus manifestou-se diretamente a elas em resposta a uma expectativa interior. Isso exemplifica o quanto Deus pode ativar uma operação de fé individual e diretamente a uma pessoa.


Mas a bíblia diz que o dom de línguas estranhas, enchimento no Espírito, pode ser "ativado" através da imposição de mãos.

Quando os habitantes de Samaria receberam a Palavra de Deus, a Bíblia diz, em At.8.17 que, Pedro e João “lhes impunham as mãos, e recebiam estes o Espírito Santo”. E esse princípio abençoador não parou por aí. Lemos em At.19.1-7 acerca dos discípulos encontrados em Éfeso.


O V.6 diz que, “impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo...”. Depois, encontramos Paulo dizendo a Timóteo, em I Tm.4.14 para não negligenciar o dom que lhe havia sido “concedido mediante profecia, com a imposição das mãos do presbitério”.


A seguir, em II Tm.1.6, Paulo adverte a Timóteo, dizendo: “despertes o dom de Deus, que existe em ti pela imposição das minhas mãos”. Assim, podemos ver que a imposição de mãos é um meio para ministrar o Batismo no Espírito Santo, bem como dons espirituais.

Adaptado dos estudos do Pr. Joelson Beker e da Comunidade Cristã de Londres.

Maxsandro dos Santos Lima disse...

A imposição das mãos não pode estar submetida a pessoas que não conhecem verdadeiramente Jesus Cristo, pois este encontro tem que ser pessoal e individual, não passando de uma mão a outra, como se meu desejo fosse seu desejo, somos chamados a levar e anunciar a palavra de Deus, mas não empurrar de "guela' a baixo daqueles que não tem o coração e mente abertos a recebe-la, nestas citações da palavra de Deus, a imposição foi feita após uma preparação e não em uma visita de cortesia.