rss
email
twitter
facebook

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Deus requer que eu dê o dízimo de tudo quanto ganho?



por

John F. MacArthur Jr.








Questão

Deus requer que eu dê o dízimo de tudo quanto ganho?



Resposta:

Dois tipos de dar são ensinados consistentemente durante toda a Escritura: dar para o governo (sempre compulsório) e dar para Deus (sempre voluntário).


O assunto tem sido grandemente confundido, todavia, por alguns que entendem mal a natureza dos dízimos do Velho Testamento. Os dízimos não eram primariamente ofertas a Deus, mas taxas para suprir o orçamento nacional em Israel.


Porque Israel era uma teocracia, os sacerdotes Levíticos atuavam como um governo civil. Assim, o dízimo Levítico (Levítico 27:30-33) foi um percussor do imposto de renda de hoje, visto que era um segundo dízimo anual requerido por Deus para suprir uma festa nacional (Deuteronômio 14:22-29). Taxas menores foram também impostas ao povo pela lei (Levítico 19:9-10; Êxodo 23:10-11). Assim, a doação total requerida dos Israelitas não era 10 por cento, mas mais do que 20 por cento. Todo esse dinheiro era usado para colocar a nação em funcionamento.


Toda doação aparte daquela que era requerida para colocar o governo em funcionamento, era puramente voluntária (cf. Êxodo 25:2; 1 Crônicas 29:9). Cada pessoa dava conforme o que estava em seu coração; nenhuma percentagem ou quantia era especificada.


Os crentes do Novo Testamento nunca são ordenados a dizimar. Mateus 22:15-22 e Romanos 13:1-7 nos contam sobre a única doação que é requerida na era da igreja, que é o pagamento de impostos para o governo. Interessantemente, nós na América, atualmente pagamos entre 20 e 30 por cento de nossos rendimentos para o governo - uma figura muito similar ao requerimento sob a teocracia de Israel.


A linha de direção para a nossa doação para Deus e Sua obra é encontrada em 2 Coríntios 9:6-7: “E digo isto: Que o que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia em abundância, em abundância ceifará. Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria”.

--------------------------------------------------------------------------------

Traduzido por: Felipe Sabino de Araújo Neto

Cuiabá-MT, 25 de Fevereiro de 2003.



Fonte: Monergismo

37 comentários:

História e Debate disse...

Não tenho hábito de postar comentários, todavia, resolvi quebrar a "regra". Tenho notado as inúmeras desculpas que as pessoas tentam arrumar para justificar os seus procedimentos. E cada vez mais fico admirado com a criatividade. Penso que as mesmas podem até convencer alguns que também procuram motivos para se auto-justificar, mas isso não significa que terão aprovação de Deus. Em relação ao dizimo era comum no passado se falar sobre esse assunto de forma que poucos discordavam. Hoje os não-dizimistas tem prazer em mostrar que não só não dizimam, mas, afirmam que é errado dizimar. Fico admirado com a posição exposta no artigo, ou seja, comparar o dizimo com o que já é arrecadado através dos impostos pelo governo. Penso então, se tal argumento é correto, que "bom", pois, nesse caso todos são dizimistas, isto é, evangélicos, espiritas, ateus, e tantos outros, pois, todos pagam impostos, não é mesmo? Mas, é isso que a Bíblia ensina? Penso que não. Interessante que há quem defendem o dizimo como um ato exigido pela Lei Cerimonial, como essa Lei foi abolida, via de regra não precisamos mais dizimar. Porém, os defensores de tal argumento esquecem que a Lei Cerimonial aponta uma lei maior, ou seja, a mesma servia como um Tipo de algo que estava sendo representado por algo que seria substituído. Exemplo: Não mais páscoa, e sim a Ceia do Senhor; Não mais circuncisão, e sim o batismo; Não mais o dizimo, e sim o quê? Alguns irão afirmar a VOLUNTARIEDADE. palavra essa até bonita, mas não é praticado. Poderia colocar mais alguns argumentos, mas gostaria de concluir sugerindo: Se você não é dizimista e tem a sua consciência tranquila, e acha que tal procedimento é correto, permaneça firme com o seu exemplo (que ao meu ver não deve ser seguido) vá em frente...Por sua vez, os que são dizimistas, esses assim procedem por crê que o dizimo é biblico, e não só isso, mas tem o maior prazer em dizimar.

Anônimo disse...

Acho que devemos ofertar VOLUNTARIAMENTE
seguir o que diz a Bíblia e pronto:

2 Coríntios 9:6-7: “E digo isto: Que o que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia em abundância, em abundância ceifará. Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria”.

Anônimo disse...

Se alguém quer fazer isso por uma NECESSIDADE, OBRIGATORIEDADE, problema dele que ignora a sabedoria divina.

Jorge Eudes do Lago disse...

À evidência, o artigo de John MacArthur diz tudo, é bíblico e, portanto, tem autoridade. Qualquer outra divagação, à semelhança do primeiro comentário (História e Debate) é extravagante, não bíblico, não tem autoridade.

Atenciosamente,

Jorge Eudes

Ciro Aimbiré de Moraes Santos disse...

Também não costumo postar comentários em Blogs, mas tenho que dar meu palpite aqui, pois não entendo como um blog calvinista pode publicar um artigo anti-bíblico como este.

Para recordar um pouco da história, Abraão deu o dízimo em Gn 14.20, mas o mandamento foi instituído na lei (ver Lv 27.32; Dt. 14.22; Dt 26.12) para o sustento dos levitas (ver Nm 18.24; Ne. 10.37) já que foi a tribo separada para cuidar da casa do Senhor.

Sem muitas delongos, vou para o conhecido texto de Malaquias, onde Deus fala através do profeta em roubo por parte daquele que não cumpre o mandamento (ver Ml 3.8).

Na Nova Aliança, tem o episódio em que Jesus diz aos escribas e fariseus que cumpriam rigorosamente a lei, dando o dízimo "da hortelã, do endro e do cominho" (atualizando a linguagem, davam os dízimos contando os centavos), mas negligenciavam nos preceitos mais impostantes da lei, que eram a justiça, a misericórdia e a fé. Jesus disse que deveriam fazer isso (dar o dízimo) sem omitir as outras. Em outras palavras, o dízimo não foi revogado na nova aliança.

O texto mencionado de 2 Co 9.6-7 nos leva a defesa da Teologia da Prosperidade, onde frequentadores de igrejas tidas como evangélicas são levados a dar no sacrifício tudo que tem, pois vão receber em abundância em função do que contribuem.

Entretanto, não é assim que Jesus nos ensina. Pelo contrário, nos dá exemplos como o das aves no céu e dos lírios nos campos, onde o Senhor dá o alimento e o sustendo necessário, dizendo que não devemos andar ansiosos com isso.

Assim, acredito na Bíblia inteira e não apenas em um versículo. Não posso concordar com a afirmação do autor do texto, mas como já foi dito no primeiro comentário, cumprimentar pela criatividade.

Rogério Tenório de Moura disse...

Vamos refletir um pouco, para tanto façamos algumas perguntas retóricas?
1- Jesus veio ao mundo para quê?
2- Ele estava debaixo da lei ou da graça?
3- Se ele não tivesse cumprido a lei cabalmente seu sacrifício teria valor?
4- Viver sob a dispensação da graça é possível porque Jesus nasceu ou por que morreu por nós?
5- Em Mateus, capítulo 17, versículos 24 - 27 Jesus obteve renda ao mandar Pedro pescar um peixe em que havia dinheiro dentro dele, mas ele não devolveu o dízimo dele, pois mandou que seu discípulo pagasse os impostos com ele. Se até mesmo os sacerdotes devem dizimar (são os dízimos dos dízimos) por que Jesus não dizimou?
6- Se nós somos cristãos porque somos parecidos com Cristo, não devíamos seguir o exemplo de Jesus e seus discípulos: criticar os religiosos que devolvem rigorosamente o dízimo por obrigação, mas sermos generosos com os órfãos, as viúvas, enfim, com os necessitados (Tiago 1:27?

Anônimo disse...

O artigo está muito bem respaldado biblicamente!

mas claro que os interesses financeiros não deixam as pessoas enchergarem a verdade com clareza, a obrigatoriedade de dízimos não faz parte da igreja neotestamentária.

Anônimo disse...

O maior medo dos pastores hoje é falar a verdade sobre o dízimo,sabe pq?,não ensinaram o povo a ofertar o seu melhor para Deus,quando se fala em oferta o povo traz a migalha,pq?,ja deu seu dízimo e acha que ja cumpriu seu dever,muitos fazem por obrigação,e Deus quer espontaneadade e alegria não uma obrigação,o povo fazia suas obrigações mas o coração estava longe,se vc acha que na oferta vc vai decepcionar a Deus proponha o dízimo como jacó.

Anônimo disse...

tambem não se esqueça da parabola do fariseu e do publicano.Um era dizimista e dizia ser o bom,o outro pediu misericordia pelos seus pecados,e quem saiu justicado?o publicano.

Cássio da Cris disse...

Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas. (Mt 23,23)

É Jesus quem disse! Então, sou dizimista.

Anônimo disse...

Em relação ao dizimo concordo com Irineu um dos pais da igreja que foi discipulo de Policarpo este por sua vez discipulo do apostolo João, ele disse que Jesus não aboliu o dizimo mas sim ampliou. Cristo ampliou o leque da mordomia ou seja enquanto os fariseus dizimavam porem do que sobrava eram avarentos. O pobrema que deveria ser resolvido em relação a contribuição não era a porcentagem mas a avareza. Jesus ensinou a cumprir a lei desde o coração e aqueles que mortificassem a avareza em seus corações ( Coll 3.5) renunciariam tudo quanto possuicem (LC 14.33;At 5.32; 1 Co7.30). Jesus previu duas linhas de pensamentos ja nos dias dos apostolos uma zelosa da lei e outra não tão zeloza porem ambos seriam salvos a diferença é que os zelosos seriam chamados os maiores no reino dos céus e o outro os menores.(Mt 5.17-19) Porem para ambos Jesus exigiu uma justiça superior a dos escribas e fariseus. Um exemplo da justiça dos fariseus é descrita pelo proprio Jesus em (Lc 18.9-14)a justiça dos ferizeus exigia não aduterar e para os discipulos foi exigido ir alem neste quesito (Mt 5.27-28)e com relação ao dizimo os discipulos deveriam tambem ir alem. A igreja de Jesus de maioria judaica com relação a agricultura praticaram ( Mt 23.23)Na mordomia dos bens seguiram o ensino de Jesus em (LC 12.33) e no geral praticaram (Lc 14.33)Alguem se abilita seguir o exemplo desta parcela da igreja de Jesus no N.T ? A igreja gentilica foi ensinada que nada possuimos ( 1 Co 7.30) e que não anulariam os principios da lei pela fé antes estabeleceriam. Aquilo que os preceitos da lei exigiam seriam cumpridos na vida do cristãos por eles não andarem na carne mas no espirito (Rm 8.4) Como que se cumpre o preceito do dizimo agora que estamos na graça ? "cada um contribua com o que propoe"? é só isso que Paulo ensina?Com base no grego "cada um semeie"(2 Co 9.7) semeie bastante (2Co 9.6), uma parte dos nossos recursos são sementes(2Co9.10) e os ministros do evangelho tem direito a parte que lhes pertence (Co 9.10; Ef 4.28;Gl 6.6) Paulo para levar o pão que perece aqueles que ja tinham o pão vivo usou parametros que se praticados se assemelhham ao dizimo que seriam contribuição reguar,proporcional e que uma parte do que Deus nos da é "semente" (2Co 9.10). O debate ficaria na porcentagem "segundo a prosperidade" e o ensino seria bastante e não pouco (2 Co 9.6)E para levar não o pão que perece mas o pão vivo jesus aos que perecem quais parametros usaremos? eu prefiro iniciar a mordomia crista com o dizimo pois é uma ótima ferramenta para nos lembrar que tudo é de Deus, para não deixar eu entragar o resto a Deus para me ensinar a "temer a Deus"( Dt 14.22-23) e honra-lo ( Pv 3.9)"pois não é admissivel que sejamos menos zelosos que os fariseus nesse quesito 9 Mt 5.20; Lc 18.9-14)Porem o dizimo deve ser norteado pela voluntariedade.Sejamos contra as heresias que agregaram ao dizimo e não contra o principio biblico do dizimo.

Anônimo disse...

Em relação ao dizimo concordo com Irineu um dos pais da igreja que foi discipulo de Policarpo este por sua vez discipulo do apostolo João, ele disse que Jesus não aboliu o dizimo mas sim ampliou. Cristo ampliou o leque da mordomia ou seja enquanto os fariseus dizimavam porem do que sobrava eram avarentos. O pobrema que deveria ser resolvido em relação a contribuição não era a porcentagem mas a avareza. Jesus ensinou a cumprir a lei desde o coração e aqueles que mortificassem a avareza em seus corações ( Coll 3.5) renunciariam tudo quanto possuicem (LC 14.33;At 5.32; 1 Co7.30). Jesus previu duas linhas de pensamentos ja nos dias dos apostolos uma zelosa da lei e outra não tão zeloza porem ambos seriam salvos a diferença é que os zelosos seriam chamados os maiores no reino dos céus e o outro os menores.(Mt 5.17-19) Porem para ambos Jesus exigiu uma justiça superior a dos escribas e fariseus. Um exemplo da justiça dos fariseus é descrita pelo proprio Jesus em (Lc 18.9-14)a justiça dos ferizeus exigia não aduterar e para os discipulos foi exigido ir alem neste quesito (Mt 5.27-28)e com relação ao dizimo os discipulos deveriam tambem ir alem. A igreja de Jesus de maioria judaica com relação a agricultura praticaram ( Mt 23.23)Na mordomia dos bens seguiram o ensino de Jesus em (LC 12.33) e no geral praticaram (Lc 14.33)Alguem se abilita seguir o exemplo desta parcela da igreja de Jesus no N.T ? A igreja gentilica foi ensinada que nada possuimos ( 1 Co 7.30) e que não anulariam os principios da lei pela fé antes estabeleceriam. Aquilo que os preceitos da lei exigiam seriam cumpridos na vida do cristãos por eles não andarem na carne mas no espirito (Rm 8.4) Como que se cumpre o preceito do dizimo agora que estamos na graça ? "cada um contribua com o que propoe"? é só isso que Paulo ensina?Com base no grego "cada um semeie"(2 Co 9.7) semeie bastante (2Co 9.6), uma parte dos nossos recursos são sementes(2Co9.10) e os ministros do evangelho tem direito a parte que lhes pertence (Co 9.10; Ef 4.28;Gl 6.6) Paulo para levar o pão que perece aqueles que ja tinham o pão vivo usou parametros que se praticados se assemelhham ao dizimo que seriam contribuição reguar,proporcional e que uma parte do que Deus nos da é "semente" (2Co 9.10). O debate ficaria na porcentagem "segundo a prosperidade" e o ensino seria bastante e não pouco (2 Co 9.6)E para levar não o pão que perece mas o pão vivo jesus aos que perecem quais parametros usaremos? eu prefiro iniciar a mordomia crista com o dizimo pois é uma ótima ferramenta para nos lembrar que tudo é de Deus, para não deixar eu entragar o resto a Deus para me ensinar a "temer a Deus"( Dt 14.22-23) e honra-lo ( Pv 3.9)"pois não é admissivel que sejamos menos zelosos que os fariseus nesse quesito 9 Mt 5.20; Lc 18.9-14)Porem o dizimo deve ser norteado pela voluntariedade.Sejamos contra as heresias que agregaram ao dizimo e não contra o principio biblico do dizimo.

Anônimo disse...

Em relação ao dizimo concordo com Irineu um dos pais da igreja que foi discipulo de Policarpo este por sua vez discipulo do apostolo João, ele disse que Jesus não aboliu o dizimo mas sim ampliou. Cristo ampliou o leque da mordomia ou seja enquanto os fariseus dizimavam porem do que sobrava eram avarentos. O pobrema que deveria ser resolvido em relação a contribuição não era a porcentagem mas a avareza. Jesus ensinou a cumprir a lei desde o coração e aqueles que mortificassem a avareza em seus corações ( Coll 3.5) renunciariam tudo quanto possuicem (LC 14.33;At 5.32; 1 Co7.30). Jesus previu duas linhas de pensamentos ja nos dias dos apostolos uma zelosa da lei e outra não tão zeloza porem ambos seriam salvos a diferença é que os zelosos seriam chamados os maiores no reino dos céus e o outro os menores.(Mt 5.17-19) Porem para ambos Jesus exigiu uma justiça superior a dos escribas e fariseus. Um exemplo da justiça dos fariseus é descrita pelo proprio Jesus em (Lc 18.9-14)a justiça dos ferizeus exigia não aduterar e para os discipulos foi exigido ir alem neste quesito (Mt 5.27-28)e com relação ao dizimo os discipulos deveriam tambem ir alem. A igreja de Jesus de maioria judaica com relação a agricultura praticaram ( Mt 23.23)Na mordomia dos bens seguiram o ensino de Jesus em (LC 12.33) e no geral praticaram (Lc 14.33)Alguem se abilita seguir o exemplo desta parcela da igreja de Jesus no N.T ? A igreja gentilica foi ensinada que nada possuimos ( 1 Co 7.30) e que não anulariam os principios da lei pela fé antes estabeleceriam. Aquilo que os preceitos da lei exigiam seriam cumpridos na vida do cristãos por eles não andarem na carne mas no espirito (Rm 8.4) Como que se cumpre o preceito do dizimo agora que estamos na graça ? "cada um contribua com o que propoe"? é só isso que Paulo ensina?Com base no grego "cada um semeie"(2 Co 9.7) semeie bastante (2Co 9.6), uma parte dos nossos recursos são sementes(2Co9.10) e os ministros do evangelho tem direito a parte que lhes pertence (Co 9.10; Ef 4.28;Gl 6.6) Paulo para levar o pão que perece aqueles que ja tinham o pão vivo usou parametros que se praticados se assemelhham ao dizimo que seriam contribuição reguar,proporcional e que uma parte do que Deus nos da é "semente" (2Co 9.10). O debate ficaria na porcentagem "segundo a prosperidade" e o ensino seria bastante e não pouco (2 Co 9.6)E para levar não o pão que perece mas o pão vivo jesus aos que perecem quais parametros usaremos? eu prefiro iniciar a mordomia crista com o dizimo pois é uma ótima ferramenta para nos lembrar que tudo é de Deus, para não deixar eu entragar o resto a Deus para me ensinar a "temer a Deus"( Dt 14.22-23) e honra-lo ( Pv 3.9)"pois não é admissivel que sejamos menos zelosos que os fariseus nesse quesito 9 Mt 5.20; Lc 18.9-14)Porem o dizimo deve ser norteado pela voluntariedade.Sejamos contra as heresias que agregaram ao dizimo e não contra o principio biblico do dizimo.

Adriano disse...

Muito bom o Blog...
Por ser um Calvinista, protestante atual e que façamos uma nova REFORMA, contra os profetas de BAAL...
Dizimar é partilhar, porem com aquilo que posso...quantos irmãozinhos tem imergido em dividas por darem 10% na esperança de retorno como se fosse a IBOVESPA....

O maior mandamento ninguem fala mais

O AMOR!!!

Convido-o para fazer parte do meu BLOG.

Anônimo disse...

O dizimo tão somente era pra alimentar a tribo de levi, que não tiveram herança,o dizimo nunca foi dinheiro. Quando Jesus encontrou com o jovem rico, mandou ele vender tudo e da o dinheiro
aos pobres, não pediu pra dizimar nada (será que Jesus estava naquele momento errando)

Pedro Queiroz disse...

sobre o dizimo, eles não lem em hebreus 7,5 que só os filhos de levi tem ordem SEGUNDO A LEI, SEGUNDO A LEI, SEGUNDO A LEI, de tomar o dizimo do povo, ou seja só o sacerdócio levitico, e nenhum outro. (dizimo sempre foi alimento, destinado à essa tribo).
- ter um coração voluntário para ofertar é maravilhoso.

Alethéia disse...

Se cremos que as igrejas pequenas que surgem a cada ano, e cada vez mais se dividem; se cremos que elas pregam evangelho de salvação, então calemo-nos quanto às nossas convicções para a forma de contribuição da igreja neo-testamentária. Se fazemos apologia, ainda que pela verdade, do dízimo válido apenas no A.T. aí fecharemos muitas dessas "igrejas", e "pastores" terão de trabalhar com o suor do seu rosto.
Se não há salvação nesses pontos de pregação então: "Vamos em frente!"

Siloé disse...

hoje dizimo é interesse financeiro nada mais, é por isso que muitos aqui estão aqui contram o artigo. parabens pelo artigo muito bem colocado.

George Augusto disse...

A carta aos Hebreus não foi escrita para gentios, como o nome já diz e um dos principais temas dessa carta era alertar sobre os judaizantes que estavam tentando introduzir ritos do antigo testamento, negando assim a suficiência da morte de Cristo na cruz do calvário; a chamada apostasia de Hebreus 6. O capítulo 7 de Hebreus literalmente afirma que o sacerdócio levítico foi revogado, pela sua fraqueza e inutilidade. O dízimo jamais foi em dinheiro, o que se entrega hoje é imposto. Hoje não existe mais levitas e nem templo, porque ele foi destruído no ano 70 d.C. Portanto não existe mais dízimos. E em nenhuma parte da Bíblia se encontra gentio dizimando, porque a lei era apenas para Israel. Leiam Malaquias 4:4.

George Augusto disse...

A carta aos Hebreus não foi escrita para gentios, como o nome já diz e um dos principais temas dessa carta era alertar sobre os judaizantes que estavam tentando introduzir ritos do antigo testamento, negando assim a suficiência da morte de Cristo na cruz do calvário; a chamada apostasia de Hebreus 6. O capítulo 7 de Hebreus literalmente afirma que o sacerdócio levítico foi revogado, pela sua fraqueza e inutilidade. O dízimo jamais foi em dinheiro, o que se entrega hoje é imposto. Hoje não existe mais levitas e nem templo, porque ele foi destruído no ano 70 d.C. Portanto não existe mais dízimos. E em nenhuma parte da Bíblia se encontra gentio dizimando, porque a lei era apenas para Israel. Leiam Malaquias 4:4.

Anatote Lopes disse...

Entendo perfeitamente que o dízimo é antigo, veterotestamentário e estatal. Ainda que, em prática no Novo Testamento sem qualquer controversa a esse respeito entre os judeus e os apóstolos. Quando exploramos estes aspectos históricos para ensinar a dar com generosidade e espírito voluntário, isso é muito bom! Mas, quando o fazemos para justificar nossa avareza, deveríamos mesmo é nos livrar deste pecado. Eu concordo com o texto do Mac, no sentido que, deveríamos nos livrar do legalismo de só 10% de forma legalista, para contribuir com generosidade e suprir as necessidades da igreja. Dizer que é errado estabelecer o dízimo segundo o padrão do Velho no tempo do Novo Testamento não é coerente. A grande discussão sobre os dízimos no tempo da reforma não passava pelo seu estipulado percentual, mas pela obrigatoriedade, torná-lo voluntário não significa combatê-lo, e, estabelecer percentuais fixados não é incorrer em heresia. Numa igreja de 4 pessoas poderíamos dividir o dízimo por 25% das despesas por cabeça, a fim de que se sustente a igreja, no entanto optamos por um padrão Velho e logo o dos 10% da renda de quem contribui, o que significa que as igrejas que assim fazem não exploram com discurso o mentiroso de sacrifício por bênçãos do céu para iludir os fieis e arrecadar, essas igreja que sobrevivem do dízimo, a maior parte, sobrevivem muito deficitária com o estipulado. Pode-se estabelecer contribuições e taxa dos membros para o sustento da igreja, e obviamente este compromisso é uma divida de amor, no espírito voluntário, e, se não for pode fechar as portas. A generosidade e o espírito voluntário devia arrecadar mais do que o engano dos televangelistas golpistas. No entanto, as pessoas gostam de ser enganadas e dão muito mais que o dízimo além do dízimo.

Emet Aletheia disse...

Amigos, não sou teólogo, mas meu entendimento a respeito é que o dízimo se trata de algo do AT, tendo como base o seguinte: "A lei requer dos sacerdotes dentre os descendentes de Levi que recebam o dízimo do povo, isto é, dos seus irmãos, embora estes sejam descendentes de Abraão"(Hb 7.5). Tendo Jesus (descendente de Judá e não de Levi) se tornado nosso Sumo Sacerdote, a lei mudou (Hb 7.8). Hoje devemos ofertar de coração 2Co9.7; visando o sustento dos obreiros, missionários etc; pois a Bíblia nos diz que eles são dignos de seu salário 1Tm 5.18. Além disso, em amor, devemos também auxiliar nossos irmãos em necessidade (Tg 5.15-17). Deus os abençõe!

José Rubens Medeiros disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
José Rubens Medeiros disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
José Rubens Medeiros disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
José Rubens Medeiros disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
José Rubens Medeiros disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
José Rubens Medeiros disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
José Rubens Medeiros disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sinceridade e verdade no viver disse...

Qual seria o efeito da revogação da obrigatoriedade do dízimo em uma comunidade local?
Provavelmente a receita da igreja despencaria !
Sinal de que o que o dízimo apontava para algo que não sabemos o que é. Preferimos apenas cumprir a lei cerimonial e entenda-la como no Antigo testamento.
Por certo é muito mais fácil ensinar a dizimar do que ensinar os princípios da mordomia, liberalidade e voluntariedade. Porque assim teriamos que correr o risco de depender da voluntariedade dos irmãos.Isso é incerto !?
Então dá pra perceber como esta tudo errado !
Chega de dualismo nas finanças.Vivamos a voluntariedade e a liberalidade em AMOR !

Jonny disse...

......Se o abençoado em Cristo prestar um pouquinho mais de atenção no texto que citou irá perceber e compreender algumas verdades hermenêuticas::::
1) que Jesus no texto está se dirigindo a judeus na qualidade de Ministro da Lei;
2) que Jesus no texto está CONFIRMANDO que os dízimos são ministrações da Lei;
3) que Jesus no texto está CONFIRMANDO que os dízimos como ministração da Lei, são ordenados em ALIMENTOS e não em DINHEIRO;
4) que Cristo no texto está declarando cabalmente que a prática dos dízimos não se comunica com justiça, fidelidade e misericórdia NECESSARIAMENTE, podendo representar apenas rigor ascético e religiosidade.

Jonny disse...

......Comentários apologéticos e fantasiosos a respeito da obrigatoriedade e pregação de dízimos pecuniários - heréticos, distorcidos e mitológicos. Senão vejamos :::::
1) o Ministério de Cristo não foi sustentado por dízimos;
2) o Ministério dos Apóstolos não foi sustentado por dízimos;
3) a Igreja Apostólica nunca pregou um centavo em dízimos;
4) o primeiro Concílio de Jerusalém, ministrado pelo Espírito Santo, não autoriza cobrança de dízimos judaicos na Igreja de Cristo;
5) o Apóstolo Paulo disciplina e organiza todos os princípios CRISTÃOS para o Ministério Diaconal e Administrativo mo Corpo Vivo de Cristo sem fazer ABSOLUTAMENTE NENHUMA referência a dízimos, mas somente à ofertas liberais na Graça do Evangelho;
6) a Lei PROIBIA os dízimos ALIMENTARES como ofertas santíssimas que eram, de serem VENDIDOS OU RESGATADOS por DINHEIRO da mão do Sacerdote Levita;
7) Paulo deixa claro e transparente que ::::
A) se Jesus estivesse entre nós não seria sacerdote pois segundo a Lei já haveria quem fosse destinado a isso;
B) que seu sacerdócio é da Tribo de Judá e não da Tribo de Levi;
C) que havendo mudança de sacerdócio necessariamente se faz mudança de Lei;
D) que Cristo não é Sumo-Sacerdote orgânico para receber DONS e sacrifícios mas Sumo-Sacerdote celeste, espiritual, perfeito, eterno e perfeitamente redentor intercedendo por todos nós junto a Deus;
E) que fomos todos nós cristãos declarados SACERDOTES SANTOS E UNIVERSAIS;
F) que os cristãos não tem o direito de comer do altar da Velha Aliança mas do Altar da Nova Aliança feito de amor, de liberdade, de comunhão e cooperação, de repartição e doação, de contribuição e propósito com o Evangelho;
G) que Abraão foi justificado pela sua FÉ nas promessas do Evangelho e não por suas obras;
E) que Abraão não pode se gloriar por suas obras diante de Deus, que sua justificação é segundo a Graça e não segundo a dívida ( Romanos 4:1-6)
.........Finalmente Paulo nos revela e declara que a Aliança da Cruz nos exime não só da Lei de Moisés mas IGUALMENTE de todos os princípios éticos rudimentares e elementares do Mundo.
......O Evangelho nos declara e revela que o sacrifício do Cordeiro de Deus alcançou todas as obras mesmo antes da Criação do Mundo para nos libertar de todo jugo da Lei do Pecado e da Morte que nasceu no Éden.
.......São todos CANALHAS !!!! Falsos teólogos. Falsos apóstolos. Mentirosos. São lobos vestidos em pele de preguiçosos !!!! REPITO CANALHAS !!!!
.....Não visitam os irmãos nas suas necessidades !! Não tem amor fraterno por ninguém!! Não dão um prato de comida a ninguém!!
........Amaldiçoam os que vivem na Graça os chamando de ladrões, de avarentos, de rebeldes !!!
........CANALHAS VAGABUNDOS !!!!
........ Vão trabalhar como o Apóstolo Paulo trabalhava para não ser pesado a ninguém. Peguem no facão e venham cortar cana como os irmãos de minha comunidade cristã pra saberem o que é dificuldade.

Forex disse...

E para ratificar o comentario do Jonny, a maioria dos cristãos acreditam que o novo testamento inicia em Mateus 1; errado! Começa na morte e ressurreição de Jesus, então quando Jesus fala "...deveis fazer estas coisas..." ele esta a cumprir a lei, a mesma que mais tarde ele derrubaria na cruz com a dispensação da graça. Quem defende a PERMANENCIA DA LEI relacionada ao Dizimo deveria tambem guardar o sabado. A mesma base teologica que refuta as teses adventistas (e são muitas) também se encaixa ao dizimo. (Ler 2 Cor 9) ...Nao com tristeza ou por NECESSIDADE, porque Deus ama ao que dá com alegria.

Anônimo disse...

A questão não é o recolhimento dos dízimos, mas o que a "igreja" atual faz com eles...Se obedecerem a Deuteronômio 14, aí serei dizimista

Unknown disse...

Bo meu caro irmão não sou muito bom com as palavras e ate msm semi analfabeto tmbm n concordo com o texto publicado mas acho que guardar apenas alguns mandamentos os citando-os como da lei e não falando da lei no seu total contitui-se quebra da lei como o apóstolo Paulo fala em sua carta aos gálatas e certo que o Senhor Jesus falou sobre o dízimo sobre a lei em MT 23:23 mas tmbm vc n vê o Senhor Jesus dizendo em nenhum outro lugar da bíblia pra não guardarem o sábado e eu pergunto sob a influência do escrito de Paulo se vc citar a lei pra fazer qualquer homen guardar os mandamentos da lei tem que ser todos e não alguns mas todos como escrito em GL 3:10 vcs não podem deixar o sábado de fora e nenhum outro mais contido na lei ou o sábado e menos honroso como os demais eu acho que não visto que ganhou um lugar juntos aos mandamentos mais importantes que correspondem a justiça nos 10 mandamentos e se vc perceber foi usado 4 versículos pra falar do sábado olha vem oq lá está escrito sobre o sábado e porque esse é negligênciado como se n fosse importante? Isso dentro do aspecto de cumprimento da lei tendo em vista que se vivermos pela lei devemos guardar toda lei.

Jonny disse...

...................Vamos lá e só vou escrever um e somente um comentário. Pois quem prega a VERDADE não pode ficar batendo boca assim como aqueles que TENTAm À Doutrina do Espírito Santo, pregando Doutrinas Heréticas e distorcidas da Sã Doutrina dos Apóstolos.
...................O Primeiro Fundamento é que os dízimos na Velha aliança NUNCA forma ordenandos em pecúnia e MAIS :: os dízimos da Velha Aliança ERAM SIM IMPOSTOS CIVIS-CERIMONIAIS e eram PROIBIDOS, repita-se a palavra aos calvinistas, PROIBIDOS de serem ofertados ou resgatados por dinheiro ao Sacerdote !!!! Os dízimos eram ordenados EXCLUSIVAMENTE na forma de ALIMENTOS !!! Só havia duas APARENTES exceções À essa regra em Israel :::
1) Primeira :: quando o judeu agricultor morasse LONGE do local do sacrifício do Tabernáculo ou do sacrifício ordenado nas festas religiosas, nesse caso devendo o judeu COMER dos dízimos com toda sua família, podendo inclusive vender os alimentos para comprar OUTROS ALIMENTOS segundo a necessidade e vontade de sua família;
2)Segunda : quando o judeu, alegasse ao sacerdote a NECESSIDADE DE PARTE de seus grãos, nesse caso podendo oferecer o RESGATE em pecúnia dessa parte de seus grãos, nesse caso PAGANDO MULTA DE 20%(1 quinto) de seu dízimo, a título de contra-promoção do ato.
........Os dízimos eram impostos CIVIS de SEGURIDADE SOCIAL ORDENADA A ISAREL PARA ATENDER AS 4 CLASSSES DE PESSOAS ELENCADAS PELA LEI :::
.......1) Viuvas; 2) Órfãos 3)Estrangeiros peregrinos refugiados 4) Os Sacerdotes do templo que eram SERVIDORES PÚBLICOS DE ISRAEL, dentre suas funções religiosas.
........Cristo ao tecer comentários sobre o dízimo JUDAICO o faz na condição de JUDEUS se dirrindo a JUDEUS em seu MINISTÉRIO JUDAICO, E O FAZ CONFIRMANDO TRÊS VERDDAES ::
1) que os dízimos são ministrações da LEI;
2) que os dízimos são minisitrados em ALIMENTOS e não em dinheiro;
3) que os dízimos não justificam o homem (obras da lei), mas a ética ( obras do Espírito).
....... Além do mais o Novo Testamento só tem início com a MORTE DO TESTADOR e todo o Ministério de Cristo foi JUDAICO, vindo para as Ovelhas Perdidas da Casa de Israel.
....... O Minsitério DA IGREJA só nasce em Pentecostes na Doutrina dos Apóstolos,segundo as revelações de CRisto a Paulo e as revelações do Espírito Santo.
....... Não há um ÚNICO TEXTO denotando que os Apóstolos viviam sob a ministração de dízimos judaicos, pelo CONTRÁRIO , toda a Doutrina dos Apóstolos aponta para ::
1) liberalidade;
2) solidariedade;
3) unidade;
4) espontaneidade;
5) graça e não dívida;
6) obras do Espírito e não obras da Lei.

Jonny disse...


....... Onde essa DOUTRINA administrativa é chamada pelos Apóstolos de "COMUNICAÇÃO ENTRE OS SANTOS" e não dízimos.
....... O próprio LEVITA DE CHIPRE que tinha o direito de receber dízimos abriu mão desse direito e contribuiu com seus bens aos PÈS DOS APÓSTOLOS, que administraram o FUNDO APOSTÓLICO para benefício DOS POBRES E CARENTES, e não a um sistema religioso.
....... No mais Jesus é claro que viria o tempo e já era chegado que os verdadeiros adoradores não adorariam nem no Monte nem no TEMPLO DE JERUSALÉm, profetizando também a destruição dos Três Pastores de Isarael :: 1) A LEi ; 2) O Sacerdócio 3) O Templo.
....... Jesus ainda nos profetiza se dirigindo a PEDRO que "aqueles que são filhos estão LIVRES de Impostos Religiosos".
....... O Evangelho nos declara FILHOS e remidos da Lei, eo Evangelho nos declara um Só Corpo para servirmos uns aos outros em Amor e solidadriedade, ams segundo a GRAÇA e não segundoa dívida da LEI.
,,,,,,, O LIVRO DE HEBREUS, manipulado e mistificado pelos protestantes em seu capítulo 7 e 8 DESCONTRÓI toda essa falsa teologia de dízimos dizendo claramente que Abraão REPRESENTOU a LEI em seu ato carregando levi em seus LOmbos; e nos revela que SE JESUS ESTIVESSE NA TERRA NÃO SERIA SACERDORTE PARA RECEBER DONS.
....... O capítulo 7 diz que assim como os Sumo Sacerdotes da antiguidadevrecebiam lá dízimos, que aqui JESUS recebeu muito mais, um Reino de Glória inabalável, e nos revela que Cristo é Sacerdote da TRibo de JUDá e não da TRibo de Levi.
........ Um abraço e que a verdade prevaleça.