rss
email
twitter
facebook

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Rev. Augustus Nicodemus vira alvo da mídia por se posicionar contra a PL 122

A Universidade Presbiteriana Mackenzie publicou ontem em seu site um artigo em que o líder religioso da instituição se posiciona contra a aprovação do Projeto de Lei da Câmara (PLC) 122/2006, que propõe a criminalização da homofobia. No texto, retirado do ar minutos depois, o chanceler Augustus Nicodemus Gomes Lopes diz que “ensinar e pregar contra a prática do homossexualismo não é homofobia” e que “tal lei interfere diretamente na liberdade e na missão das igrejas de todas orientações de falarem, pregarem e ensinarem sobre a conduta e o comportamento ético de todos, inclusive dos homossexuais”.

A chancelaria representa a entidade mantenedora – Instituto Presbiteriano Mackenzie – junto à universidade em questões de natureza acadêmica e confessional. Doutor em Hermenêutica e Estudos Bíblicos pelo Seminário Teológico de Westminster, na Filadélfia, Estados Unidos, Gomes Lopes é pastor auxiliar da Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, na zona sul da capital paulista.

O manifesto se propõe a “servir de orientação à comunidade acadêmica” usando como base o Salmo 1, que, “juntamente com outras passagens da Bíblia, mostra que a ética da tradição judaico-cristã distingue entre comportamentos aceitáveis e não aceitáveis para o cristão”.

Em nota, a universidade diz que o pronunciamento sobre o PLC 122 foi escrito em 2007 e é da Igreja Presbiteriana do Brasil, Associada Vitalícia do Mackenzie. “O Mackenzie se posiciona contra qualquer tipo de violência e descriminação (sic) feitas ao ser humano, como também se posiciona contra qualquer tentativa de se tolher a liberdade de consciência e de expressão garantidas pela Constituição”, afirma o texto do comunicado à imprensa.

Leia a íntegra da carta do chanceler do Mackenzie:

“Manifesto Presbiteriano sobre a Lei da Homofobia


Leitura: Salmo
O Salmo 1, juntamente com outras passagens da Bíblia, mostra que a ética da tradição judaico-cristã distingue entre comportamentos aceitáveis e não aceitáveis para o cristão. A nossa cultura está mais e mais permeada pelo relativismo moral e cada vez mais distante de referenciais que mostram o certo e o errado. Todavia, os cristãos se guiam pelos referenciais morais da Bíblia e não pelas mudanças de valores que ocorrem em todas as culturas.


Uma das questões que tem chamado a atenção do povo brasileiro é o projeto de lei em tramitação na Câmara que pretende tornar crime manifestações contrárias à homossexualidade. A Igreja Presbiteriana do Brasil, a Associada Vitalícia do Mackenzie, pronunciou-se recentemente sobre esse assunto. O pronunciamento afirma por um lado o respeito devido a todas as pessoas, independentemente de suas escolhas sexuais; por outro, afirma o direito da livre expressão, garantido pela Constituição, direito esse que será tolhido caso a chamada lei da homofobia seja aprovada.


A Universidade Presbiteriana Mackenzie, sendo de natureza confessional, cristã e reformada, guia-se em sua ética pelos valores presbiterianos. O manifesto presbiteriano sobre a homofobia, reproduzido abaixo, serve de orientação à comunidade acadêmica, quanto ao que pensa a Associada Vitalícia sobre esse assunto:


“Quanto à chamada LEI DA HOMOFOBIA, que parte do princípio que toda manifestação contrária ao homossexualismo é homofóbica, e que caracteriza como crime todas essas manifestações, a Igreja Presbiteriana do Brasil repudia a caracterização da expressão do ensino bíblico sobre o homossexualismo como sendo homofobia, ao mesmo tempo em que repudia qualquer forma de violência contra o ser humano criado à imagem de Deus, o que inclui homossexuais e quaisquer outros cidadãos.


Visto que: (1) a promulgação da nossa Carta Magna em 1988 já previa direitos e garantias individuais para todos os cidadãos brasileiros; (2) as medidas legais que surgiram visando beneficiar homossexuais, como o reconhecimento da sua união estável, a adoção por homossexuais, o direito patrimonial e a previsão de benefícios por parte do INSS foram tomadas buscando resolver casos concretos sem, contudo, observar o interesse público, o bem comum e a legislação pátria vigente; (3) a liberdade religiosa assegura a todo cidadão brasileiro a exposição de sua fé sem a interferência do Estado, sendo a este vedada a interferência nas formas de culto, na subvenção de quaisquer cultos e ainda na própria opção pela inexistência de fé e culto; (4) a liberdade de expressão, como direito individual e coletivo, corrobora com a mãe das liberdades, a liberdade de consciência, mantendo o Estado eqüidistante das manifestações cúlticas em todas as culturas e expressões religiosas do nosso País; (5) as Escrituras Sagradas, sobre as quais a Igreja Presbiteriana do Brasil firma suas crenças e práticas, ensinam que Deus criou a humanidade com uma diferenciação sexual (homem e mulher) e com propósitos heterossexuais específicos que envolvem o casamento, a unidade sexual e a procriação; e que Jesus Cristo ratificou esse entendimento ao dizer, “desde o princípio da criação, Deus os fez homem e mulher” (Marcos 10.6); e que os apóstolos de Cristo entendiam que a prática homossexual era pecaminosa e contrária aos planos originais de Deus (Romanos 1.24-27; 1Coríntios 6:9-11).


A Igreja Presbiteriana do Brasil MANIFESTA-SE contra a aprovação da chamada lei da homofobia, por entender que ensinar e pregar contra a prática do homossexualismo não é homofobia, por entender que uma lei dessa natureza maximiza direitos a um determinado grupo de cidadãos, ao mesmo tempo em que minimiza, atrofia e falece direitos e princípios já determinados principalmente pela Carta Magna e pela Declaração Universal de Direitos Humanos; e por entender que tal lei interfere diretamente na liberdade e na missão das igrejas de todas orientações de falarem, pregarem e ensinarem sobre a conduta e o comportamento ético de todos, inclusive dos homossexuais.


Portanto, a Igreja Presbiteriana do Brasil reafirma seu direito de expressar-se, em público e em privado, sobre todo e qualquer comportamento humano, no cumprimento de sua missão de anunciar o Evangelho, conclamando a todos ao arrependimento e à fé em Jesus Cristo”.


Rev. Dr. Augustus Nicodemus Gomes Lopes
Chanceler da Universidade Presbiteriana Mackenzie”

Comunidade criada para apoiar o posicionamente firme do Rev. Augustus Nicodemus

Apoio ao Pr Augustus Nicodemus

25 comentários:

wagner schwartz disse...

Caros,

Essa condição de enxergar o homem, a mulher e suas complexidades de uma forma binária, antinatural, me assusta.

Se nos dias de hoje existem leis que se orientam a proteger uma determinada classe é porque as condições sociais andam precárias assim como a cultura presbiteriana, o conceito de Deus, que anda (ou sempre esteve) ligado à necessidade de poder.

O paraíso é uma existência fúnebre, ligado a padrões subjetivos impossíveis, dada toda a complexidade, também, dos simbolismos advindos das histórias escritas nos velho e novos testamento.

O corpo cristão não existe.
O que há são as figuras coletivas de culpa capitalizada.

Nasci na igreja presbiteriana e a única relação positiva que tenho com essa história que perdurou por 20 anos, foi a leitura da bíblia de uma forma a entender seu palco literário, para então compreender a escrita de mestres da literatura brasileira como Machado de Assis, ou da filosofia, como Nietzsche.

E mais nada.

Vocês não só operam na direção homofóbica como também da misoginia. Esse sintoma faz parte do grande holocausto ideológico em forma de templo em que se encontram as pessoas menos cultas e mais adeptas ao moralismo para cultuar. E como existe público para celebrar a vulgaridade... A história já sofreu muito por conta dos presbiterianos. Tudo muda, menos o oportunismo dos cristãos.

As únicas transformações que experienciei na 3a Igreja Presbiteriana de Volta Redonda ou na Igreja Presbiteriana Central de Uberlândia, foram as adaptações da Igreja com as demandas do capitalismo e a noção de consumo que passa, sem nenhum filtro, pelas bordas das leis de seu "Evangelho". Até aqui, Deus está em toda parte inclusive dentro dos Shopping Centers, das concessionárias, ou das inúmeras e risíveis bandas que traduzem o que há de pior na cultura pop mundial para dentro de um lugar reconhecido como santificado. Assim como os novos produtos para consumo, com a grife Jesus Cristo, baseadas também no mesmo conceito desenvolvido pelas grandes máquinas de poder das metrópoles. Nada há diferença entre os cristãos e a moda, mas há resistência na reavaliação de suas leis em detrimento à apropriação dos modelos de consumo.

Por que vocês gastam horas a fio pensando em como operacionalizar a casa do vizinho ao invés de lutarem por uma "conversão" de seus próprios agregados? Podemos co-abitar um mesmo espaço em nossas diferenças. Não há nenhum problema em sermos diferentes. A ideia de igualdade é uma ideia gasta pela história do fascismo.

Se há ainda qualquer relação indireta com o que vocês representam na fisicalidade de um Deus, ela pode ser vista no cinismo de uma figura extremamente contextualizada, que chega a ser impressionante, por tamanha sofisticação. Uma Presença Anônima, reforçada pelo poder do discurso autoritário. Isso é uma vergonha.

wagner schwartz disse...

Lutar contra uma lei social, que pode vir a afetar positivamente o espaço do outro, é mais do que representar a cultura da morte, mas agir de uma forma oportuna, por uma ideologia que precisa, também, se manter no mercado. Via as agressões contra os gays que crescem nesse país, sem chance de serem eticamente solucionadas.

Sempre fui homossexual, mas hoje sou casado fora do Brasil e aceito legalmente por uma outra sociedade, um pouco mais desenvolvida que a brasileira, em relação às parcerias gays. Sou feliz. Muito mais quando acreditava que Jesus seria a única potência simbólica de libertação.

Tenho trabalho, amigos, família e todos fazem parte de um corpo afetivo que vibra dentro de uma história legítima de cumplicidade. A ignorância não é uma benção.

Convicções:

A carta de vocês é tão mal escrita que chega a ser risível, ela segue a sintaxe das mesmas estruturas de seu "manifesto" -- que aliás, chega a ser ininteligível a relação de vocês com qualquer ordem de manifesto na história, sendo que essa não passa por vocês enquanto substância. Os manifestos são legitimados por escolas literárias, artísticas, políticas que fizeram a passagem de um conceito à outros, que produziram pensamento e não indignação moral.

Façam-nos um favor, nos deixem em paz.
Vocês não são tão importantes quanto pensam.

Sem abraços fraternos,
sem qualquer sombra de amor ou consideração à vocês,
subscrevo,


Wagner Schwartz

Anônimo disse...

Eu não vi nada de errado na opinião do sr.Augustus Nicodemus, pois temos a liberdade de concordar ou não, e podemos expor ao publico nossa opnião. A constituição garante esse direito. Tbm estive lendo a biblia e diz o seguinte: "E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro". Romanos 1:27 - então Deus fez o "uso natural", e diz q o ato "homens com homens" é ato "torpe" (Desonesto; repugnante; vulgar; nojento), e tbm diz q é "erro"(s.m. Opinião, julgamento contrário à verdade, cometer erro. / Falsa doutrina; opinião falsa). se vc concorda com Deus, então vc crer na biblia, e aquele q não crer na biblia então não crer em Deus.
"Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; abominação é;" Levítico 18:22 Abominação (s.f. Ato ou efeito de abominar; coisa, ação execrável; repulsa violenta: abominação da injustiça).


Charles Maciel Vieira

Anônimo disse...

fCharles Maciel Vieira

Você pode ser preso a qualquer momento.

Anônimo disse...

prezado senhor wagner schwartz triste ver comentarios como o seu "Nasci na igreja presbiteriana e a única relação positiva que tenho com essa história que perdurou por 20 anos, foi a leitura da bíblia de uma forma a entender seu palco literário, para então compreender a escrita de mestres da literatura brasileira como Machado de Assis, ou da filosofia, como Nietzsche." mas o que me deixa mesmo feliz é que Deus criou uns para salvação e outros para perdição, não estou aqui para falar acerca de sua salvação, porém oro a Deus que tenho misericórdia de sua vida e diante desse seu posicionamento vejo que Deus continua sendo soberano em tudo, pois o homem é decaido pelo seu pecado natural.

Reverendo Augustos, bela colocação as suas lutarei ao seu lado, pois Deus Criou homem e mulher e esse PLC 122/2006 tem trazido grandes problemas, e precisa ser tratado, doa a quem doer.

Soli Deo Gloria

André Soares disse...

Recomendo que leiam "O Vendedor de Sonhos - Augusto Cury".... O Homem é arrogante e soberbo, temos que nos revestir do amor de DEUS, e transbordar compaixão. Sr. Wagner, o senhor está vivendo o sonho errado e, o pior de tudo, acaba "vendendo" o mesmo.

wagner schwartz disse...

caros, as respostas de vocês contém a mesma ignorância social que eu vivi há muitos anos na IPB. essa ignorância em relação aos gêneros é que é triste, se vocês acreditam que deus tenha criado homem e mulher, ele também criou toda a complexidade dessas duas figuras, incluindo desejos, opções e capacidade de exercer a singularidade. como não deveriam existir leis para proteger a uns, não deveria também existirem leis para cercear essa complexidade. mas eu acho que até aqui vocês não compreendem, esse capítulo não é estudado na IPB, assim como o livro de jó (em sua totalidade) ou outros versículos que podem deixar em problema essa situação de legitimação do pecado. estou falando difícil, né? bom, não peçam para deus ter misericórdia de mim, por que ele não existe.

wagner schwartz disse...

mas se vocês ainda sim e, claro, podem e tem toda liberdade de acreditar nessa existência, peçam a ele para fazer com que vocês entendam que, quem é contra a lei é a favor da violência. assim como vocês mesmo estão me fazendo crer, que, se eu desisti de acreditar em uma lei, estou vivendo "em pecado". se existe amor entre vocês, ele deveria ser espalhado. vocês deveriam abraçar os gays e dessa forma estariam contribuindo para a educação social-política dos indivíduos desse país.

wagner schwartz disse...

para andré soares "O Homem é arrogante e soberbo" e tão soberbo quanto à sua citação: "Sr. Wagner, o senhor está vivendo o sonho errado".

é disso que eu falo, da arrogância dos cristãos, da falta de conhecimento ou da noção ad nauseam de que vocês sempre estão certos.

é por isso que eu me sinto feliz vivendo o que você chama de sonho errado. maravilha! nesse momento eu estou vivendo o contrário de um sonho. eu estou vivendo. (longe de vocês).

wagner schwartz disse...

"deus criou uns para a salvação e outros para a perdição": que linda essa noção de amor, caro anônimo. foi com ela que eu vivi durante 20 anos na IPB. e, claro, sempre me fizeram crer que meu lugar era o da perdição por uma questão natural, como a do homossexualismo. isso é um crime, meu caro. isso é uma tortura subjetiva que, dadas as particularidades, pode enlouquecer ou fazer uma vida se perder. e, o pior, as leis, engendradas por vocês são para uns, não para o TODO que está vivendo em coletivo. existem leis contra o homossexualismo, mas não existem leis na IPB contra a deturpação do humanismo, do uso imperialista do discurso, da falta de ética em relação uns com os outros. existe muita pobreza nesse lugar. mas, como você disse, deus criou uns para viver na pobreza, outros para saírem dela. se ele existe, eu saí. e se há plano de salvação, meu caro, ela é para todos. vocês não são melhores que eu.

Mari Abrão disse...

Querido Wagner,

Se vc acha a Bíblia um livro cheio de simbolismos é fato que a mensagem da salvação nunca encontrou morada em seu coração. E é uma pena, pois não te encontrarei no paraíso pelo visto. Se sua relação de 20 anos só serviu pra experiências literárias a minha relação de 23 anos tem servido para experiências sobrenaturais que vão muito além das mínimas vivenciadas por você.
Mas não me admira vc dizer tudo isso, pq se a sua preocupação foi se relacionar com a igreja e as pessoas, é mais do que esperado as conclusões a que você chegou. Pessoas são imperfeitas mesmo e erram mesmo. Agora, se você tivesse procurado conhecer a Deus de forma particular, tenho certeza que vc se posicionaria como o Rev. Augustus se posicionou, pois ele não disse nada além do que Cristo mesmo ensina.
E acredito ainda que vc entendeu completamente errado ao dizer: “Lutar contra uma lei social, que pode vir a afetar positivamente o espaço do outro...” A única coisa que estamos defendendo é o direito de continuar pregando a palavra de Deus e que o termo “homofobia” seja melhor empregado, para que a nossa liberdade religiosa também não seja ferida. Gostei de um texto que dizia: Está se criando no Brasil uma classe incriticável: Os homossexuais! É... essa é justamente a idéia que me passa esse PLC! Pois qualquer coisa que eu disser pode ser distorcida e classificada como homofobia....
E quem tá se achando importante demais aqui? Me desculpe, mas vcs é que se acham, uma vez que a nossa opinião nem mesmo pode ser exposta que já “chovem” insultos com relação a ela! Quando foi que perdi a minha liberdade de expressão? Não me lembro...
E acredito que o Charles, assim como eu, não temos medo de sermos presos! Pela causa de Cristo corro o risco que for! Não vou me calar quando o que preciso fazer é falar! E não vivemos em ignorância. A verdade liberta, em Cristo nós somos verdadeiramente livres dessa cauterização mental em que VC vive!
Posso citar vários versículos que jogam por terra as suas teorias (Deuteronômio 22:5; Marcos 10:6; Levítico 18:22; Levítico 20:13) a questão é que vc não crê em Deus, nem em sua Palavra, logo... nada do que eu disser terá proveito. É como lançar pérolas aos porcos...
O plano de salvação é realmente para todos! Inclusive ele ainda é oferecido à você! Longe de mim mesmo ser melhor que vc, não sou! Mas que a graça redentora de Deus já me alcançou, isso posso afirmar!
Não escrevo tão bem quanto você, mas nem por isso deixaria de escrever-lhe e mostrar que não tenho medo dessa PLC e que apoio sim o manifesto do Rev. Augustus Nicodemos e da IPB!
Gostaria de ter seu amor e compreensão, mas não preciso deles, portanto não me fazem falta!
Mariana Abrão

Anônimo disse...

Completamente a favor do Rev. Augustus Nicodemus em sua posicao no tocante a PL 122, e tambem dos comentarios dos irmaos e irmas que lutam pelo Evangelho de Cristo Jesus e que nao se calam mediante as ciladas de satanas. Mas importa obedecer a Deus do que aos homens (Atos 5.29). E como salvos em Cristo, cabe a nós orarmos pelos que estao ainda nas trevas para que a Luz de Cristo penetre no mais profundo do seu intimo e se convertam.
Sensacional o comentario da irma Mari Abrao, pois tudo que venhamos a falar eh como lancar perolas aos porcos e ainda, "para aqueles que uma vez foram iluminados, provaram o dom celestial, tornaram-se participantes do Espirito Santo, experimentaram a bondade da palavra de Deus e os poderes da era que ha de vir, e cairam, é impossivel que sejam reconduzidos ao arrependimento; pois para si mesmos estao crucificando de novo do Filho de Deus, sujeitando-o a desonra pública. Pois a terra, que absorve a chuva que cai frequentemente, e dá colheita proveitosa aqueles que a cultivam, recebe a bencao de Deus. mas a terra que produz espinhos e ervas daninhas, é inutil e logo sera amaldicoada. Seu fim é ser queimada" (Hb 6.4-8).

Louvores ao que vive para todo sempre - Cristo.

Pastor Abel....

wagner schwartz disse...

cara mari,

muitas coisas ditas até hoje a respeito dos homossexuais já poderiam ter sido consideradas como crimes. assim como muitas formas de "afeto" com as crianças já foram consideradas como pedofilia, "trabalho" para a classe baixa considerada como exploração, "discussão" entre casais considerada como "violência contra a mulher". existem formas de expor sua opinião em grande escala, tipo: "segundo a bíblia, o homossexualismo é pecado, mas segundo a umbanda, não". isso seria uma forma honesta de abordar essa questão vital, que daria escolha para as pessoas decidirem o que as interessam enquanto vocação espiritual, por que, por mais que doa em vocês, o cristianismo é apenas UMA das várias formas de religiosidade. dizer que o homossexualismo é, SOCIALMENTE, abominação ação execrável, é sim, um estímulo homofóbico que provoca apenas ódio, violência, sem nenhum sentido.

uns nasceram para acreditar em jesus, outros para acreditar na potência de um pé de mamão. e no brasil, há espaço em exagero para todo mundo.

"paraíso" e outras coisas desse tipo pertencem ao seu único, singular, modo de pensar. e esse modo de pensar NÃO pode de forma alguma ser obrigado a existir em coletivo. quando digo que não vemos homossexuais distribuindo folhetos ou gritando em praça pública (com um tremendo mal-gosto): "converta-se ao homossexualismo porque senão você estará perdido aqui e pela eternidade", ou que o "ato de ser heterossexual é abominável ou contra as leis divinas". enfim, como a gente, enquanto grupo, ao contrário do que vc pensa, não é arrogante o bastante para admitir uma única forma de vida, seria bem educado se as outras pessoas que descordam com nossa forma de vida, nos deixassem em paz. é nessa hora que acho que é quase impossível para vocês aceitarem essa condição. tão simples assim. acho que já existe trabalho o suficiente para vcs dentro dos templos (haja visto meu caso), para trabalharem.

agora, para vc pensar, segundo sua frase, se a gente não vai a igreja para se relacionar "com a igreja e com as pessoas" (que deveriam representar o amor de cristo) para que vocês vão à igreja? o amor de cristo só pode ser visível por esse corpo-cristão. (claro, dá pra ver também que a relação do corpo de cristo com o corpo do shopping center é uma questão de "falha" espiritual --- e estamos perdoados, né?)

vc não me conhece e já consegue dizer que eu não quis conhecer a deus de forma particular. se a verdadeira relação com deus não pode ser visível, como vc pode afirmar tal coisa? está vendo o quanto vcs foram treinados para fugirem dos problemas? as coisas na igreja são resolvidas de formas muito fáceis. mas, bom, isso já não é mais problema meu, "graças a deus"!

você já tirou tempo para ler o PLC, ou você, como diz (como uma atitude reconhecida de preguiça intelectual na IPB) "essa é a ideia que me passa esse PLC"? quem te passou essa ideia, mari, seu pastor?

nós não nos achamos importantes. aliás, nos achamos completamente ordinários. é que a opinião de vcs é curta, reacionária. e ela legitima o poder e impede a evolução do humanismo. é por isso que precisamos nos manifestar. só por isso.

"cauterização mental", amiga... vc está precisando estudar... além de rever o seu discurso cheio de contradições. mas, enfim, talvez essas contradições mesmas são as que vão te levar ao paraíso. boa viagem!

wagner schwartz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
wagner schwartz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Priscila Deolinda disse...

Sou totalmente favorável ao Rev. Augustus Nicodemus, o que foi dito em sua carta não feriu ninguém, apenas foi esclarecido o que todos já sabiam, a posição da igreja Presbiteriana do Brasil perante a tramitação de tal Lei e sendo o Mackenzie uma instituição de tal igreja, óbiviamente seguirá os principios da mesma.

Mari Abrão disse...

Sim... Wagner... cristianismo é apenas uma forma de religiosidade... mas eu não falei disso... A vida que Cristo oferece é muito mais que uma religião... aliás CRISTO é o único caminho, ninguém vai a Deus se não for por meio dele...
Não queremos bater de frente com vcs... (a não ser que vc acredite que o pregar contra o homossexualismo seja bater de frente)... o tempo todo só se fala de melhor emprego da palavra "homofobia".
Existe trabalho sim dentro da igreja, fora dela também... só que a Bíblia não me manda ficar dentro da igreja e pregar... ela me manda IR e pregar o evangelho até os confins do mundo... onde eu estiver quero ser carta viva de Cristo pro mundo!
Sabe pq eu vou à igreja! Para prestar meu culto a ele... pra aprender mais sobre a Palavra que preciso pregar lá fora... e claro... pra me relacionar... o que eu disse é que se vamos que esse único objetivo, vamos nos frustrar mesmo, pq pessoas são falhas... E o amor de Cristo não SÓ PODE ser visto pelo amor no corpo-cristão não... talvez principalmente por ele, mas o simples fato de eu ter acordado hoje mais uma vez, foi pq Deus assim o permitiu! Isso é prova de amor de Deus tb!
E poderia me explicar melhor sobre o "shopping center"... não entendi sua colocação....

Eu não disse que vc não quis conhecer a Deus de forma particular, disse que talvez vc não tenha procurado isso... pq Ele jamais deixa de se revelar pra aqueles que o buscam... E a relação com Deus é sim, de certa forma, visível... posso conhecer a árvore pelos frutos que ela dá... posso conhecer se uma pessoa tem intimidade com o Senhor, pela vida que ela leva...
Se eu tivesse sido treinada pra fugir dos problemas eu estaria aqui respondendo esse post e fazendo tréplica da sua fala? Não sei, mas não sinto como se eu estivesse fugindo de um problema não...
Meu pastor não me passou idéia nenhuma... eu não preciso dele pra pensar por mim! Já sou bem "grandinha" pra andar com minhas próprias pernas...
Onde estão as contradições do meu discurso? pode citá-las... não me importo em repensá-las se estiverem erradas...

wagner schwartz disse...

cara mari. nós não vamos muito longe em nosso diálogo, devido às nossas diferenças. mas, então, a única coisa que gostaria de dizer para você e para o coletivo cristão é que, se um dia, num futuro próximo, vocês começarem a serem agredidos fisicamente nas ruas, nas escolas, ou dentro do próprio templo, podem contar comigo para assinar uma lei que possa protegê-los. nossas diferenças, sejam de que ordem for, não vão me limitar a pensar sobre o andamento da liberdade de escolha, da possibilidade vital de poder lutar pelo espaço social do outro. isso a gente não aprende na igreja, mari, só na vida. sucesso aí, w.

wagner schwartz disse...

Segundo o Art. 20. O crime está em “Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, procedência nacional, gênero, sexo, orientação sexual e identidade de gênero.”

+++ na realidade, agora, TODOS estaremos protegidos. já já.

Anônimo disse...

se um dia, num futuro próximo, vocês começarem a serem agredidos fisicamente nas ruas, nas escolas, ou dentro do próprio templo, podem contar comigo para assinar uma lei que possa protegê-los.

Que falácia cara, ninguém precisa criar lei específica pra isso, já existem leis contra esse tipo de atitude e devidas punições estão previstas em nosso código penal.

wagner schwartz disse...

mas elas não estão funcionando, caro anônimo...

Anônimo disse...

Eu achei interessante, q mesmo escrevendo como anonimo eu escrevi o meu nome em baixo, pois somente citei a biblia aqui, não tenho nada a esconder. Ai aparece um cidadão q tem medo de escrever seu nome e diz q eu posso ser preso a qualquer momento. achei engraçado demais a ameaça.

estou amparado na Constituição Brasileira e na Biblia. Briguem contra a Constituição e contra a a Biblia, se puderem.




Charles Maciel Vieira

Roberto Marinho da Cruz disse...

Ou esse pessoal que defende a PL 122 é burro ou se faz de desentendido: porque o que os cristãos estão contestando é a generalização da homofobia da lei acima citada, onde ela diz que até uma crítica contra a prática homossexual é crime. Onde já se viu isso, nem Deus é deixa de ser criticado, quanto mais uma classe de pessoas que defendem ou praticam o homossexualismo. Eu sou contra esta lei na sua totalidade, é bom que se verifique o verdadeiro significado da palavra HOMOFOBIA.
Ter opinião contra uma maneira de viver de alguém faz parte do livre arbitrio. E ser contra uma maneira de viver de alguém ou de algum grupo não significa que haja ódio, perseguição, discriminação ou qualquer outra coisa semelhante.

Roberto Marinho da Cruz
robertomarinho45@hotmail.com

Anônimo disse...

Numa das postagens se afirma que o casamento homossexual num país que aceita tal instituição traz mais felicidade do que aquilo que eventualmente Jesus oferece...

Pergunte ao pedófilo e ele vai dizer sinceramente que seria muito feliz se houvesse algum país no qual pudesse ser aceito.

Portanto, não parece que a felicidade seja necessariamente um padrão sequer razoável para legitimar uma aspiração.

Amauri

Anônimo disse...

Aos amigos do blog:

O Wagner, como já comentei em outros blogs, é um rapaz inteligente, mas é impressionante como a sodomia impacta e vicia o raciocínio dele. Será assim tão dificil de entender a naturalidade da relação homem-mulher e a assimetria,desconformidade anatômica, funcional e psíquica do coito homossexual?

Por outro lado "a complexidade" dos seres humanos modifica a biologia, o designer?. É cabivel e de bom senso, dois barbudos constituindo uma família estéril?
Me "assusta", para usar o termo de Wagner, como esse pessoal é confuso em relação às coisas mais óbvias da vida. Seria tão mais fácil eles encararem o fato de que têm um vício, uma preferência, um gosto, uma opção, um distúrbio ou seja lá o que for esse comportamento infeliz.

Não existe amor homo, o que existe é sexo homossexual, amor entre homens é o que sentimos por nossos pais, filhos ou, eventualmente, até por um amigo. Aquilo que os homossexuais fazem é apenas sexo.

Uma observação interessante é de como os homossexuais não conseguem entender sua própria condição: uns chamam de opção, outros de característica genética, outros ainda de orientação(de quem prá quem?), outros apenas de prática sexual,enfim... todos,sem exceção do Wagner, são profundamente dúbios, eu diria até dialéticos, no tocante à evidência de serem heterosexuados e biológicamente definidos.

Quanto á teologia cristã, particularmente presbiteriana, não há como discutir com Wagner, ele já misturou Machado com Nietzsche e a Bíblia, Capitu com Maria Madalena, Jesus Cristo com o Super-Homem, além de tudo, dos 20 anos de convivência na igreja, alega nada ter aproveitado. Não será nesse blog que revisará os vinte anos de exclusão sexual, óbvia fonte de seus verdadeiros ressentimentos.

A ofensiva gay, que Júlio Severo definiu como "Tsunami Gay", no Brasil, tomou corpo exatamente pela permissividade social e tolerância religiosa do cristianismo, tolerância no sentido de complacência teológica e de praxis das igrejas , cuja posição "meia-boca" principalmente no sentido de reafirmarem claramente seus princípios, vem produzindo aberrações doutrinárias e covardias sociais tais como: "religião não se mistura com politica". RELIGIÃO É POLITICA. Vois sois o sal da terra!

O pior de tudo é ver igrejas e comunidades cristãs apoiando socialistas e comunistas, cuja essência é ateística, em prol de uma suposta ética, moralidade, honestidade, sobejamente manifesta como falsa. Taí o troco: Aborto generalizado com dinheiro público, homossexualismo compulsório, cerceamento de liberdade de culto e de expressão.È assim que satanás retribui a imbecilidade eclesiástica.

marcilio leão