rss
email
twitter
facebook

quarta-feira, 19 de março de 2014

O Pentecostalismo e as Igrejas Tradicionais

O Misticismo sempre insurgiu e ganhou força em determinadas épocas da história da Igreja onde o declínio moral e a frieza do amor cristão denunciavam um tradicionalismo estático e uma ortodoxia ineficiente representada por pregadores que apesar de ter todas as ferramentas necessárias para a saúde espiritual da igreja, cometiam o pecado de não aplicar tais fundamentos essenciais aos aspectos práticos da Igreja. Muito se fala nesses últimos dias da contribuição do pentecostalismo para as igrejas reformadas e tradicionais, mas pouco se atenta para o fato de que marcos antigos tiveram que ser removidos, muitos princípios reformados e essencialmente bíblicos têm sido negligenciados pelos que advogam o pentecostalismo como aliado da fé reformada, depois de um longo período de duras críticas e repúdio quase que unânime dos reformados às práticas pentecostais, agora denominações históricas passam a aceitar em seu meio ou reconhecer em seus documentos e credos como legítimas as práticas tipicamente pentecostais, será que essa “contribuição” terá efeitos positivos à longo prazo ou estão as Igrejas reformadas fadadas a pagar alto preço por ceder ao apelo e as tendências do evangelicalismo moderno, que se faz ouvir na voz de muitos de nossos membros que não se sentem plenamente alimentados em suas igrejas e procuram alternativas para satisfazer a necessidade emocional latente do ser humano? Nesse novo culto de tendência claramente pentecostal, em meio à experiência mística, o discurso entusiasta, e o apelo à emoção; é apresentada uma nova perspectiva do Deus Trino, onde o papel do Espírito Santo está sempre em destaque, Cristo e sua cruz são educadamente colocados “de lado”, o calvário, a obra vicária e a justificação, já não ocupam um papel importante na pregação da Escrituras, pois ser simplesmente salvo graciosamente já não tem tanto valor, a chamada segunda benção ou batismo com o Espírito Santo toma posição de destaque nos repetitivos apelos dominicais para o despertar necessário e urgente da igreja, incentivasse exaustivamente a experiência pessoal de cada crente com a obra do Espírito Santo que batiza mesmo aqueles que são já salvos e têm o selo do Espírito, especificamente nas manifestações sobrenaturais dos dons extraordinários concedidos à igreja primitiva como línguas, revelações e profecias e curas, que passam a ter também um papel central na vida do cristão e da igreja, o Espírito Santo neste movimento já não é aquele que dá testemunho do Filho, e o próprios dons deste, passam a ser um fim em si mesmos. O Deus Soberano finalmente se curva diante da criatura e se submete à este que com suas reivindicações e negociatas chamadas de campanhas, colocam o Todo-Poderoso contra a parede, o homem e suas necessidades regem o “menu espiritual” na agenda da igreja, onde a cada dia é requerido de Deus fazer tal e tal tipo de milagre, as bênçãos divinas são o motivo maior das grandes concentrações de fé, onde há poucos que estão preocupados em servir ao doador das bênçãos, e muitos interessados em se servirem ao máximo dos privilégios oferecidos por Este.
Trazendo as experiências para junto da sola-scriptura e dessa forma negando-a, manifestações contemporâneas como profecias, visões sonhos e novas revelações são o ápice de um evangelho novo, que procura um fundamento também novo, substitui-se as tradições católicas romanas, por novíssimas revelações, atualizadas e “melhores” por definição. Passam aos poucos a reger, inconscientemente, ou não, a fé e prática da igreja, as Escrituras Sagradas aos poucos também vão deixando o seu posto de Verdade de Deus para ceder lugar a “verdade” dos homens, abrindo as portas da igreja para o relativismo e subjetivismo.
Quando se trata da doutrina da salvação esse movimento é por excelência conturbador, arminiano por natureza traz como cerne central de sua crença o antropocentrismo que se manifesta nas preocupações humanísticas da valorização do homem, do censo de democracia e liberdade e o pano de fundo do seu discurso legalista e entusiasta é o próprio desprezo ao que é legitimamente instituído, à história da igreja e à própria ortodoxia cristã com todas sua tradição. A crença da Igreja em um só batismo revela o caráter da salvação soberana, aquele que não tem o Espírito de Cristo a ele não pertence, somos recebidos em Cristo por seus méritos próprios, e assim batizados todos em um mesmo Espírito, a ideia bastante difundida de que devemos buscar o batismo com o Espírito Santo rouba da graça seu monopólio da salvação, e acrescentá-lhe conceito estranho não evangélico, a busca pelo batismo com o Espírito que é dado soberanamente aos eleitos nada mais é que negação da graça da salvação como dom gratuito de Deus.
Tudo começa com o pressuposto de que é vital e necessário ao cristão, pelos menos aos que querem ter uma vida de plena comunhão e experiência pessoal com o Espírito Santo que vai além da simples conversão, que ele seja agraciado com uma segunda benção que erroneamente chamam de Batismo com o Espírito Santo, estes reivindicam para si o título de cristãos pentecostais, em uma atitude no mínimo descabida e sectária, rebaixam assim todos os outros cristãos ao nível ou a classe de meros convertidos que não contam com o revestimento necessário para o desempenho de sua missão como legítimos seguidores de Cristo. Não seria esta uma grande demonstração de prepotência incentivada por essa corrente, que ousa afirmar em alto e bom som, que somente a partir de seu surgimento, o Cristianismo passou a contar com o auxílio e plenitude do Espírito Santo?
Toda Igreja é Pentecostal, pois foi no pentecostes que de uma vez por todas o Espírito foi dado a Igreja, assim como de uma vez por todas Cristo morreu e ressuscitou dos mortos, são cumprimentos proféticos que devem ser cridos e proclamados como fundamentos postos para a Igreja e que não necessitam de outras repetições contemporâneas, o pentecostes deve ser tão real para o cristão quanto a morte e a ressurreição de Cristo o são, não como promessa pela qual se deva esperar, mas como eventos do plano da redenção cumpridos e registrados nas Escrituras Sagradas, fonte de revelação suficiente para a fé e vida dos eleitos. Outra arma mortal desse movimento que tem assolado as igrejas reformadas é o apelo ao irracionalismo, é bem comum ouvir críticas severas aos pregadores bem preparados, que são até tratados com desdém, usam de má exegese quando afirmam que a letra mata, se referindo aos esforços teológicos e estudos sistemáticos da Palavra de Deus, e assim revelam sua falsa espiritualidade, é pior que má exegese é um argumento que chega mesmo a dar arrepios. Mas como contestar alguém que alega ter uma linha direta com Deus? Como contestar alguém que não se intimida ao dizer que até os esboços de suas pregações recebe diretamente de Deus, muitas vezes entre um cochilo e outro?
É bem verdade que os cristãos primitivos tinham uma grande convicção da presença do Senhor através do Espírito Santo, porém isso não se dava porque estavam buscando ter uma nova experiência de batismo com o Espírito Santo como uma segunda benção separada e distinta da conversão operada em seus corações, exatamente por causa dessa obra, que é única na vida do eleito, ter sido algo soberano e verdadeiro e que levava primeiramente à convicção de pecado, eles se colocavam na dependência de Deus para sua permanência na graça divina, esse sim é o verdadeiro sinal do novo nascimento: convicção de pecado e dependência de Deus. Hoje infelizmente por causa dos exageros desse movimento místico descaradamente aprovado em nosso meio por lideranças que por vezes até estão envolvidas no mesmo erro ou quando não, fazem vista grossa pra tudo isso, muitos são levados a outro extremo, por medo de serem confundidos já não se permitem gozar a presença de Deus de forma mais intensa, com medo de está se emocionando demais, orando demais ou se consagrando demais, isso só contribui para a causa mística-pentecostal, contemplamos e nos maravilhamos na história da igreja e principalmente na vida dos puritanos, exemplo de homens que foram grandes e fiéis expositores da Palavra de Deus e também de homens que não temeram ser cheios do Espírito Santo, é do extremismo que se alimenta o discurso legalista pentecostal, pois infelizmente é reagindo a ortodoxia morta que muitos preferem o misticismo vivo.
Ao mesmo tempo em que as práticas e crenças pentecostais ganham defensores nas igrejas históricas, há uma reação dentro do próprio pentecostalismo contra aquilo que agora chamam de exageros, já denominado também de “pentecostalismo popular” com suas aberrações excêntricas e culminando no famigerado neo-pentecostalismo, muito daquilo que alguns membros de igrejas tradicionais anelam por vê presente em suas denominações, há muito já está sendo descartado por pentecostais tradicionais, alguns desses agora até já simpatizam com igrejas historicamente cessacionistas, e outros até mudam de igreja por esse motivo, um desses fui eu, isso é um forte indício de que esse namoro no meio reformado durará pouco tempo, só resta saber o tamanho do estrago que ele terá causado quando a desilusão chegar, tanto aos que aderiram ao movimento quando aos que no rigor do zelo acabaram negando sua própria espiritualidade, caberá então um resgate da identidade espiritual dessas denominações? Só o tempo dirá.

Por Djalma Oliveira Santiago

5 comentários:

Flávio José disse...

Gostei do texto me converti numa igreja pentecostal,e me envolvi muito no ministério, mas chegou o dia em depois de examinar as escrituras.Penso que minha permanência nessa denominação não será duradouro pois entendo que os pontos defendido pelos arminianos tira de fato o centro da soberania de Deus

Lucas disse...

Sugiro justificar o texto e usar recuo no início de parágrafos, fica mais fácil de ler :)

Sales Santos disse...

Continuem firmes em defesa de uma fé biblica e bem fundamentada. Paz e graça.

Sales Santos disse...

As igrejas históricas precisam viver a fé antiga e biblica vivida pelos antigos pais da igreja, puritanos e reformadores. Não precisamos ir em busca do misticismo carismático. Hoje, temos homens firmes, como o Dr john MacArthur jr., que tem combatido os excessos dos movimentos carismático e pentecostal.Falta isso dentro da nossa querida IPB e outras igrejas históricas brasileiras. Paz e graça.

JRubens disse...

Sugiro que vejam o vídeo "QUE AMOR É ESTE?", de Dave Hunt, disponível no Youtube.