rss
email
twitter
facebook

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Palmas no Culto e o Princípio Regulador



A questão sobre a liceidade do uso de palmas no culto público deve ser decidida à luz das Escrituras, à luz do que ela diz sobre a adoração a Deus. É certo que volumes espessos poderiam ser escritos sobre o assunto, por isso procurarei delinear o ensino bíblico sobre o princípio fundamental do culto público (adoração comunitária).

No livro de Êxodo encontramos a ordenação de Deus para a construção do Tabernáculo, onde seguramente se encontra o esteio sobre o qual a adoração a Deus deve ser ofertada: “Segundo tudo o que eu te mostrar para modelo do tabernáculo e para modelo de todos os seus móveis, assim mesmo o fareis” (Êxodo 25:9 RA). Então, após o levantamento do Tabernáculo, é-nos dito que “...tudo fez Moisés segundo o SENHOR lhe havia ordenado; assim o fez” (Êxodo 40:16 RA).

Em Números, há também ordenanças sobre a consagração dos levitas e o serviço levítico na tenda da consagração (Tabernáculo), obviamente se referindo à adoração pública a Deus. Mais uma vez a tônica é: “E assim fez Moisés, e Arão, e toda a congregação dos filhos de Israel com os levitas; segundo tudo o que o SENHOR ordenara a Moisés acerca dos levitas, assim lhes fizeram os filhos de Israel” (Números 8:20 RA).

Embora as passagens bíblicas pudessem ser multiplicadas, apenas as que já transcrevi nos ensinam que o culto de Deus é absolutamente definido pela Sua vontade revelada, a Sua Palavra: “...tudo [...] segundo o SENHOR [...] havia ordenado...”, isto é, todo elemento do culto, tudo que deve constar nele, é absolutamente definido pela Palavra de Deus. Esse princípio bíblico da adoração pública que determina que os elementos do culto devem ser segundo o que o SENHOR ordenou é o que os reformados apodaram de “Princípio Regulador do Culto”. Tal princípio é, talvez, a marca mais distintiva dos reformados em relação a outras correntes do protestantismo e dos evangélicos.

Agora, pois, vejamos alguns exemplos bíblicos da aplicação desse princípio na vida de certas pessoas dos tempos bíblicos. A Escritura nos relata a história de dois filhos de Arão, portanto, de linhagem sacerdotal, chamados Nadabe e Abiú: “Nadabe e Abiú, filhos de Arão, tomaram cada um o seu incensário, e puseram neles fogo, e sobre este, incenso, e trouxeram fogo estranho perante a face do SENHOR, o que lhes não ordenara” (Levítico 10:1 RA). Esse texto nos ensina que esses dois homens apareceram diante do SENHOR trazendo fogo estranho, e tal fogo era estranho porque o SENHOR “...lhes não ordenara”. Nadabe e Abiú, pois, violaram o “Princípio Regulador”, adicionando ao culto algo que Deus não havia ordenado. Deve-se perceber que não havia uma proibição para o que Nadabe e Abiu trouxeram “...perante a face do SENHOR...”, mas o problema residiu no fato de eles “adorarem” a Deus introduzindo um elemento que não havia sido expressamente ordenado.

O que aconteceu com os dois? Que a própria Palavra de Deus dê a resposta: “Então, saiu fogo de diante do SENHOR e os consumiu; e morreram perante o SENHOR” (Levítico 10:2 RA). O mesmo é dito em outro lugar nas Escrituras: “Mas Nadabe e Abiú morreram perante o SENHOR, quando ofereciam fogo estranho perante o SENHOR, no deserto do Sinai...” (Números 3:4 RA).

Outro exemplo clássico de aplicação do “Princípio Regulador” é o caso de Uzá. Para sua melhor compreensão é necessária a análise do contexto bíblico mais imediato, transcrito abaixo:

“Tornou Davi a ajuntar todos os escolhidos de Israel, em número de trinta mil. Dispôs-se e, com todo o povo que tinha consigo, partiu para Baalá de Judá, para levarem de lá para cima a arca de Deus, sobre a qual se invoca o Nome, o nome do SENHOR dos Exércitos, que se assenta acima dos querubins. Puseram a arca de Deus num carro novo e a levaram da casa de Abinadabe, que estava no outeiro; e Uzá e Aiô, filhos de Abinadabe, guiavam o carro novo. Levaram-no com a arca de Deus, da casa de Abinadabe, que estava no outeiro; e Aiô ia adiante da arca. Davi e toda a casa de Israel alegravam-se perante o SENHOR, com toda sorte de instrumentos de pau de faia, com harpas, com saltérios, com tamboris, com pandeiros e com címbalos. Quando chegaram à eira de Nacom, estendeu Uzá a mão à arca de Deus e a segurou, porque os bois tropeçaram. Então, a ira do SENHOR se acendeu contra Uzá, e Deus o feriu ali por esta irreverência; e morreu ali junto à arca de Deus” (2 Samuel 6:1-7 RA).

Essa perícope das Escrituras nos mostra uma série de violações do “Princípio Regulador”. A arca foi colocada “num carro novo”, enquanto Deus havia prescrito que: “Farás também varais de madeira de acácia e os cobrirás de ouro; meterás os varais nas argolas aos lados da arca, para se levar por meio deles a arca” (Êxodo 25:13-14 RA). Não obstante a clara ordenação divina, Davi, querendo inovar e copiar o modo como os filisteus transportaram a arca, desconsiderou o mandamento divino, e procurou “adorar a Deus” ao seu gosto, segundo a melhor intenção do seu coração. Afinal, Deus não merece o melhor? Para que carregar a arca nos ombros, pensou Davi, com simples varas de acácia, se a tecnologia foi Deus quem nos deu através da Sua “graça comum”?

No caminho os bois tropeçaram e, para que a arca não caísse, Uzá, na melhor das intenções, estendeu a sua mão para segurá-la. Todavia, a Palavra de Deus já prescrevia claramente: “...nas coisas santas, não tocarão, para que não morram...” (Números 4:15 RA). Como Deus reagiu à boa intenção de Uzá? Pensou, tal homem teve zelo e bom desígnio em relação à arca que simboliza a minha presença, apesar de quebrar meu mandamento, então receberei a boa intenção do seu coração? Não, a Palavra nos diz que “...Deus o feriu ali por esta irreverência...”.

Então, da aplicação do “Princípio Regulador” nos casos de Nadabe/Abiú e Uzá, temos que os primeiros foram mortos por Deus porque introduziram no culto aquilo que Deus não ordenou, e o segundo também foi morto porque violou aquilo que Deus explicitamente havia proibido. Deus, de forma clara, explícita, indubitável, estabeleceu que no Seu culto só deve constar aquilo que ele ordenou. Introduzir outros elementos não prescritos é violação desse princípio, assim como não fazer conforme aquilo que foi determinado, resultando, em ambos os casos, conseqüências gravíssimas.

Não obstante, o alvo principal do desagrado divino sobre a conduta de Uzá foi o rei Davi, o qual, diz a Escritura, “Desgostou-se [...] porque o SENHOR irrompera contra Uzá; e chamou aquele lugar Perez-Uzá, até ao dia de hoje” (2 Samuel 6:8 RA). Por que o escritor bíblico foi tão cuidadoso em relatar esse desgosto de Davi? Porque Davi seria o grande responsável pela confecção da instrumentação a ser utilizada no Templo. Davi seria o grande homem que influenciaria o culto no Templo a ser construído, assim como Moisés o fora com o culto no Tabernáculo. Senão vejamos:

Está escrito que a arca foi levada, segunda vez, agora da forma ordenada por Deus: “Chamou Davi os sacerdotes Zadoque e Abiatar e os levitas Uriel, Asaías, Joel, Semaías, Eliel e Aminadabe e lhes disse: Vós sois os cabeças das famílias dos levitas; santificai-vos, vós e vossos irmãos, para que façais subir a arca do SENHOR, Deus de Israel, ao lugar que lhe preparei. Pois, visto que não a levastes na primeira vez, o SENHOR, nosso Deus, irrompeu contra nós, porque, então, não o buscamos, segundo nos fora ordenado. Santificaram-se, pois, os sacerdotes e levitas, para fazerem subir a arca do SENHOR, Deus de Israel. Os filhos dos levitas trouxeram a arca de Deus aos ombros pelas varas que nela estavam, como Moisés tinha ordenado, segundo a palavra do SENHOR” (1 Crônicas 15:11-15 RA).

Davi aprendera, da forma mais dramática possível, a necessidade de ser absolutamente fiel ao “Princípio Regulador”, pois ele seria o encarregado por Deus de introduzir outros elementos no culto, a instrumentação musical que seria usada no Templo, conforme nos é dito no contexto em que o rei Ezequias restaurou o culto após o reinado do ímpio Acaz: “Também estabeleceu os levitas na Casa do SENHOR com címbalos, alaúdes e harpas, segundo mandado de Davi e de Gade, o vidente do rei, e do profeta Natã; porque este mandado veio do SENHOR, por intermédio de seus profetas” (2 Crônicas 29:25 RA).

A Escritura é bem clara que até mesmo os instrumentos musicais que seriam utilizados no Templo foram rigorosamente determinados por Deus a Davi através dos seus profetas Gade e Natã. Certamente, Deus utilizou o incidente com Uzá para preparar Davi para a grande obra litúrgica que ele faria para a implementação da música no Templo. Deus demonstrou a Davi a absoluta e imperiosa necessidade de conformidade ao “Princípio Regulador”. Não ficou ao alvedrio do músico Davi determinar, por seu “bom senso” artístico, qual seriam os instrumentos a serem usados no Templo no culto de Deus.

De todo o exposto acima resta demonstrado que tudo o que foi introduzido no culto público sempre o foi por expressa determinação de Deus, cada elemento cúltico, por mais insignificante que parecesse. Deus nunca aceitou qualquer coisa em Seu culto que tivesse iniciativa humana.

Estabelecido o “Princípio Regulador” a partir das Escrituras, mostrarei que tal princípio é o que os reformados (continente europeu) e presbiterianos (ilhas britânicas) sempre defenderam, não tendo direito algum aqueles que violam esse fundamento da fé, da teologia e da liturgia reformadas de pensarem que fazem parte do grande povo descendente da Reforma Protestante, mesmo que eles acreditem em algumas coisas comuns ao que os calvinistas acreditam. Reformados são aqueles, e somente aqueles, que primam por manter a santidade, a reverência e a ordem do culto bíblico, segundo o padrão explicitamente estabelecido por Yahweh em Sua Palavra, e reconhecido nas confissões e catecismos compostos pela influência e determinação da teologia da Reforma.

Começarei pela Confissão de Fé da Igreja Presbiteriana do Brasil, a de Westminster, a mais bem elaborada confissão presbiteriana-puritana-reformada. Nela está estabelecida o “Princípio Regulador” da seguinte forma: “...o modo aceitável de adorar o verdadeiro Deus é instituído por ele mesmo e tão limitado pela sua vontade revelada, que não deve ser adorado segundo as imaginações e invenções dos homens ou sugestões de Satanás...” (CFW, cap. XXI, I).

Essa mesma Confissão estabelece, com base no ensino das Escrituras, quais são os elementos constituintes do culto público: A leitura das Escrituras com o temor divino, a sã pregação da palavra e a consciente atenção a ela em obediência a Deus, com inteligência, fé e reverência; o cantar salmos com graças no coração, bem como a devida administração e digna recepção dos sacramentos instituídos por Cristo - são partes do ordinário culto de Deus, além dos juramentos religiosos; votos, jejuns solenes e ações de graças em ocasiões especiais, tudo o que, em seus vários tempos e ocasiões próprias, deve ser usado de um modo santo e religioso” (CFW, cap. XXI, V). Além desses, a CFW diz que “A oração com ações de graças, sendo uma parte especial do culto religioso, é por Deus exigida de todos os homens...” (CFW, cap. XXI, III). Onde estão as palmas nesse rol? Será se todos os puritanos tinham as mãos amputadas?

Podemos encontrar referência ao “Princípio Regulador” em um importante documento confessional da Reforma, mais antigo que a CFW, a Confissão Francesa de 1559, que diz em seu prefácio:

“Nós devemos tal respeito e reverência à Palavra de Deus quanto devemos nos prevenir para não lhe acrescentar nada de nós mesmos, mas devemos nos tornar inteiramente conformes às regras que ela prescreve. E visto que a Igreja Romana, abandonando os usos e costumes da igreja primitiva, introduziu novos mandamentos e uma nova forma de culto a Deus, nossa consideração a respeito dessas coisas é que é razoável preferir os mandamentos de Deus, que são em si mesmos verdade, aos mandamentos de homens, que por sua natureza são inclinados ao engano e vaidade”

Ensino idêntico encontramos em uma confissão traçada por João Calvino para as igrejas reformadas da França, no ano de 1562, que reza o seguinte:

“De nossa parte, de acordo com Sua declaração, de que obedecer é melhor que sacrificar (1 Sm 15:22), e com Sua injunção uniforme para ouvirmos o que Ele ordena, para rendermos um sacrifício bem regulamentado e aceitável, acreditamos que não devemos inventar o que nos pareça bom, ou seguir o que pode ter sido criado na mente de outros homens, mas nos limitarmos simplesmente à pureza das Escrituras. Por conseguinte, nós cremos que qualquer coisa que não seja proveniente dela, mas seja ordenada somente pela autoridade de homens, não deve ser considerada como culto a Deus”.

Para não ser muito extenso, citarei mais uma referência de um documento reformado histórico sobre o “Princípio Regulador”, a “Ordem de Genebra”, um diretório para o culto da igreja dos refugiados ingleses em Genebra, no tempo de João Calvino, que em seu prefácio também deixa claro o que os reformados sempre creram sobre o culto público:
“Nós, portanto, não como os maiores clérigos de todos, mas como os menos capazes de muitos, apresentamos a vocês que desejam o crescimento da glória de Deus, e a simplicidade pura de Sua Palavra, uma forma e ordem de uma igreja reformada, limitada ao compasso da Palavra de Deus, que nosso Salvador nos deixou como única suficiente para governar todas as nossas ações; de modo que qualquer coisa que lhe seja acrescentada por artifício de homens, por melhor, por santo ou bonito que isto pareça, todavia diante de nosso Deus, que é zeloso e que tem ciúmes e não pode admitir nenhuma sociedade ou conselheiro, isto é mau, iníquo e abominável”.

Portanto, o entendimento dos reformados sempre foi o de que somente o que foi expressamente ordenado por Deus para fazer parte do seu culto público é que Lhe agrada, sendo o resto, aquilo que Ele não ordenou como elemento cúltico, abominável, tanto a prática em si quanto aquele que a pratica.

Onde ficam as palmas, então? Ora, se o "Princípio Regulador", retirado das Escrituras, ensina que somente o que Deus ordenou para fazer parte do culto público deve constar dele, então nos últimos quinhentos anos os cristãos reformados foram os mais desgraçados e desobedientes homens dentre todos os outros, porque não obedeceram ao mandamento divino de bater palmas no culto, se tal mandamento se encontra nas Escrituras. Aliás, os crentes dos últimos dois mil anos deveriam ser considerados culpados desse gravíssimo pecado, de não baterem palmas no culto público de Deus, pois não há nenhum registro histórico ou arqueológico que mostre que os cristãos primitivos e aqueles que os seguiram no tempo praticavam o bater palmas na adoração comunitária.

Se palmas fossem um elemento lícito no culto, teríamos que olhar com tristeza para os últimos dois milênios do povo de Deus na terra, pois seríamos forçados a reconhecer que os crentes desse período foram Abinadabes, Abiús e Uzás da vida, violadores da lei de Deus, e merecedores da Sua mais severa manifestação de desagrado. Contudo, se a igreja de Cristo por dois mil anos sempre teve por repugnante bater palmas no culto, o fez pela convicção plena de que tal é abominação ao SENHOR, e porque não há em nenhum lugar em toda a Escritura um único mandamento ordenando bater palmas nas reuniões em que o povo de Deus se agrupa para adorá-lo.

A irracionalidade dos que defendem as palmas no culto reside no fato de que, como vimos, o culto deveria ser exatamente como Deus prescreveu, havendo sido vedado alguém acrescentar o que não foi ordenado (Nadabe e Abiú) ou fazer o que foi proibido (Uzá) ou suprimir o que foi prescrito. Diante disso, se todo aquele que não prestava culto exatamente como Deus ordenou era fulminado, por que os crentes do AT não batiam palmas no Templo? Por que não há uma única menção deles batendo palmas nas reuniões públicas de adoração a Deus? Não teriam todos sido exterminados por causa disso? O próprio Jesus Cristo, que não bateu palmas nenhuma vez, não teria sido desqualificado como Redentor, haja vista que teria cometido o pecado gravíssimo de haver violado o “Princípio Regulador”? Tal pensamento é blasfemo, e essa é a inferência lógica do ensino dos batedores de palmas. Se algumas passagens de Salmos que os batedores de palmas distorcem para fundamentar seu ponto de vista são mandamentos para o acompanhamento musical ao ritmo das palmas, então o povo de Deus do tempo dessa revelação, e também posterior a ela, foi absolutamente infiel, e Deus ficou todo esse tempo sem adoradores obedientes, até que chegassem os sábios, santos e zelosos cristãos do final do século XX e início do século XXI.

Na verdade, os batedores de palmas estão apenas satisfazendo as suas próprias concupiscências, e não adorando a Deus como prescrito pelo SENHOR, pois o próprio Jesus nos disse: “...em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens” (Mateus 15:9 RA).

Isto posto, resta-me dizer que, de um certo ponto de vista, não são os verdadeiros reformados e verdadeiros presbiterianos quem têm o ônus de provar biblicamente que bater palmas é uma violação abominável do culto público prescrito pelas Escrituras, pois tal é uma novidade na longa história do povo de Deus. Os batedores de palmas é que têm que provar exegeticamente que bater palmas é um elemento integrante do culto de Deus, haja vista que eles estão introduzindo um elemento que nunca, repito, nunca, jamais, nos dois mil de igreja cristã, fez parte das reuniões comunitárias do povo santo do SENHOR. Isto eles não farão, pois não há nenhum mandamento nas Escrituras para que os cânticos sejam ritmados pelas palmas, nem no AT nem no NT. Porém, por causa do compromisso com a verdade, e com a glória de Deus, os reformados têm se esmerado em repudiar essa prática litúrgica espúria.

Que Deus dê a graça a seus eleitos de não serem enganados por vãs sutilezas contidas no ensino de homens de mentes corrompidas pelo pecado da ignorância.

Estudo do Pb Célio Lima.
Devidamente autorizado.

8 comentários:

Vinicius de Oliveira disse...

Querido irmão,

Concordo com sua explicação. Porém, não ficou bem explicado a parte dos irmãos que "distorcem" os Salmos. Poderia nos explicar, biblicamente, o porquê de não bater palmas apesar do Sl 47: "Batei palmas, todos os povos; aclamai a Deus com voz de triunfo". Isso é só porque não se refere ao templo, ou existe alguma outra explicação para isso. Com meu respeito. Graça e paz.

Presb.Fábio Correia disse...

Caros irmãos:
Concordo plenamente com o princípio regulador do culto, contudo, considero que há um exagero por parte de muitos de nós reformados. Por exemplo: dizem que no culto reformado não pode haver, entre outras coisas: Coros, solos, até mesmo alguns instrumentos não são muito bem vindos,etc. A grande questão é: Mostre-me um culto (uma liturgia) no Novo Testamento! Como era o culto da igreja do NT? Qual a orientação dos apóstolos para a formulação de uma liturgia bíblica? Se formos apenas um pouco honestos, veremos que a liturgia que defendemos como bíblica, não possui, "secamente" (isto é, se formos defendê-la apenas com textos do NT não consiguiremos) sustentação no NT. A maioria dos argumentos que dão embasamente para o princípio regulador (para a formulação da liturgia que "queremos hoje") são encontrados no VT. É inverdade isso? Claro que não. Isso é extremamente relevante porque muitos reformados, apesar de utilizarem esses textos do culto do VT, de forma incoerente, encobrem e até desprezam alguns dos elementos lícitos que faziam parte desse mesmo culto, a exemplo de "cantores" e "coros". Isto é, aproveitam apenas a parte do culto que lhes interessa e que cabem dentro de suas "caixinhas teológicas"; o que não cabe, descartam. Isso é no mínimo incoerente. Me mostrem como era um culto no NT. Muito de nossas "liturgias reformadas" - dizem os próprios reformados - têm suas bases fincadas na teologia do culto das sinagogas; mas, em que lugar das escrituras afirmam que a nossa liturgia deve ser tal qual a da sinagoga? Mais ainda: em que lugar das escrituras mostra como era, de fato, a liturgia da sinagoga? A menos que queiramos abrir mão da suficiência das escrituras, devemos continuar seguindo o "modelo da sinagoa" (mesmo sem a bíblia mostrar como era, em riqueza de detalhes, detalhes esses requeridos pelos reformados hoje, sobretudo da igreja reformada). Peço mais uma vez: Mostrem-me como era a liturgia no NT. Era exatamente igual à liturgia pretendida pelos reformados e, especialmente, pela igreja reformada? Certamente me dirão: Ah! explicitamente não existe...mas....mas...mas....e voltarão aos mesmos textos do VT. Muito bem, existe uma orientação de ordem do culto - clara - no NT: I Cor 14. Claro, retirando-se os elementos que já cessaram (linguas, revelações) etc, pergunto: nossa liturgia é parecida com esta apresentada por Paulo? Bom, esse texto, geralmente, nem é mencionado (o que é muito extranho), nos "engenhosos" estudos sobre liturgia. Claro que há muito mais a se falar sobre o texto citado, mas, concluimos, entretanto, por aqui. Depois digo mais....tudo de bom!
Presb.Fábio Correia

Célio Lima disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Célio Lima disse...

Caro presb. Fábio Correia,

O irmão começa dizendo que concorda plenamente com o princípio regulador do culto, mas depois faz uma série de restrições a esse mesmo princípio, o qual, por definição, é que o culto é constituído somente daquilo que é explicitamente prescrito, sendo o que não foi explicitamente proibido absolutamente proibido apenas pelo fato de não haver sido prescrito.

Diante disso, seu argumento do silêncio do NT, da falta de uma liturgia neotestamentária, em nada milita contra o "Princípio Regulador", pelo contrário, apenas o atesta, demonstrando que aquilo que já fora seguramente estabelecido no Antigo Testamento não foi anulado.

Aliás, um dos pressupostos básicos da verdadeira teologia reformada é a unidade teológica entre os Testamentos, Antigo e Novo. É em cima dessa unidade, por exemplo, que os presbiterianos sustentam o pedobatismo.

Logo, não há nenhuma incoerência daqueles que se opõem às palmas ou coisas que o irmão citou. Nem precisamos esconder o sol com uma peneira, apenas que em um artigo com o escopo de ser publicado em um blog não se pretende esgotar o assunto em questão.

Os apóstolos demonstraram ter um verdadeiro compromisso com a suficiência das Escrituras e com a plena inspiração das Escrituras do Antigo Testamento.

A Igreja primitiva nasceu dentro de uma herança judaica, assim também o seu culto.

Não admira, pois, que eles não tenham tratado, de forma explícita, de muitas coisas que são deduzidas logicamente da unidade da revelação bíblica, como apresenta a Confissão de Fé de Westminster.

Afinal, a Escritura Sagrada é composta, também, de tudo aquilo que pode e é logicamente deduzido das suas afirmações.

O “silêncio”, pois, do NT alegado pelo irmão milita contra a sua própria argumentação, e se presta plenamente em corroborar a doutrina reformada do culto.

Portanto, não se trata de fazer com que as coisas caibam dentro de “caixinhas teológicas”, mas de manter a coerência, a unidade daquilo que preconiza a velha e boa teologia reformada, com base estrita na revelação bíblica.

Célio Lima disse...

Caro Vinícius de Oliveira,

Perdoe-me pela demora em responder à sua indagação, mas é que esse artigo foi publicado originalmente em meu blog, e o pessoal do “Presbiterianos Calvinistas” me pediu autorização para publicação também aqui, a qual concedi mas não acompanhei a postagem.

O irmão Djalma até enviou um scrap para mim no orkut, a fim de que eu respondesse às indagações sobre o artigo, mas, por ignorância minha, eu não sabia que recados poderiam cair na pasta spam, somente hoje descobri a solicitação dele, pode?
De fato, o irmão tem razão. A distorção dos Salmos a que me referi é basicamente a que você fez alusão, ao fato de um texto como o transcrito do Salmo 47 não está se referindo ao culto no Templo.

Além disso, devemos lembrar que os Salmos são poesia, e a linguagem poética exige uma liberdade imensamente maior do uso de símbolos, de linguagem figurada, que a prosa, por exemplo.

Deve-se também lembrar de uma característica básica da poesia hebraica, o paralelismo, seja ele sinonímico ou antitético. No caso do Salmo 47, verbi gratia, há um paralelismo entre “Batei palmas, todos os povos...” e “... celebrai a Deus com vozes de júbilo” (Salmos 47:1 RA).

Se o irmão olhar mais atentamente para esse Salmo notará que o destaque é a celebração verbal ao Senhor, o canto: “Salmodiai a Deus, cantai louvores; salmodiai ao nosso Rei, cantai louvores. Deus é o Rei de toda a terra; salmodiai com harmonioso cântico” (Salmos 47:6-7 RA). Há uma insistência: “Salmodiai”, “cantai louvores”, “salmodiai”, “cantai louvores”, “salmodiai com harmonioso cântico”.

Notará também ser um Salmo de vitória, pois o salmista destaca: “Ele nos submeteu os povos e pôs sob os nossos pés as nações” (Salmos 47:3 RA). É bem típico da cultura do Antigo Oriente a dança e as palmas em um contexto de vitória militar com o fim de escárnio do inimigo.

As palmas no AT tinham vários significados, mas no Salmo em questão pelo menos dois podem ser aduzidos:

1)Celebração: “Então, Joiada fez sair o filho do rei, pôs-lhe a coroa e lhe deu o Livro do Testemunho; eles o constituíram rei, e o ungiram, e bateram palmas, e gritaram: Viva o rei!” (2 Reis 11:12 RA).

2)Desprezo: “Todos os que passam pelo caminho batem palmas, assobiam e meneiam a cabeça sobre a filha de Jerusalém: É esta a cidade que denominavam a perfeição da formosura, a alegria de toda a terra?” (Lamentações 2:15 RA)
Em ambos os casos, assim como no Salmo 47:1, a palavra hebraica para palmas é a mesma. Desse modo, a expressão “batei palmas”, de acordo com o uso da palavra na coroação do rei em 2 Reis, denota uma expressão metafórica de celebração, cuja explicação sinonímica no Salmo é dada logo em seguida: “... celebrai a Deus com vozes de júbilo”.

Ademais, por ser um Salmo também de vitória expressa o escárnio próprio que os vencedores demonstram pelos derrotados, tão comum na cultura antiga, como demonstra o uso em Lamentações.

Espero ter ajudado.
Fraternalmente,

Em Cristo,

Célio Lima.

Daniel Super Máquinas disse...

Eu achei de extrema grandeza as explicações que li. Contudo, ao observar a citação quanto ao bater palma no culto comunitário, um detalhe me vem à mente: - O que são palmas? - movimentos corporais? Creio que não. Não seriam as palmas instrumentos percussivos tanto quanto os címbalos sonoros citados no Salmo 150 por exemplo?
Não há dúvidas de que o povo de deus tem se curvado ante os apelos de uma liderança insensata, e, por essas e outras razões temos mesmo que atentar para o verdadeiro culto ao senhor.
No amor de Cristo,
Daniel de Araújo

Caetano Nicoli disse...

Concordo com tudo em que li neste estudo ,e quero ainda acrescentar que não só palmas é uma afronta a Deus quando se acrescenta na adoração mas como toda e qualquer prática não prescritas por Deus faço questão de citar algumas além das palmas Danças,shows,coreografias,teatros,poesias,cantatas etc são coisas criadas e inovadas por homens que não se agradam daquilo que Deus ordenou e preferiram inovar c/ coisas que agrade a seus próprios deleites,são homens que vivem afrontando a Deus e sofrerão suas consequências até que se arrependam e se voltem p/ o verdadeiro e Soberano e assim aprendam a viver em obediência oferecendo um culto aceitável,porque um culto recheado de inovações Deus não só abomina não aceita.

Anônimo disse...

E ainda tem quem perca tempo elaborando argumentação pra discutir com legalista. Sorrir no culto, pode? Ass.:Otto Grael