rss
email
twitter
facebook

segunda-feira, 12 de abril de 2010

O que penso sobre as comunidades de presbiterianos no orkut



De vez em quando algumas pessoas me perguntam: o que o senhor acha da comunidade de presbiterianos no orkut? Bem, essa é uma pergunta relativamente simples, afinal de contas, que pode haver de tão complexo em uma comunidade que reúne presbiterianos de todo o Brasil por meio de um site de relacionamentos?




Preferi não responder logo de cara as indagações que foram feitas. Determinei pesquisar, avaliar, discernir certos mecanismos para somente então emitir minha opinião. E hoje escrevo, sobre algumas coisas que devem ser observadas acerca dos presbiterianos no Orkut.

1. A natureza dos relacionamentos virtuais. Não como negar ou como fugir, as redes sociais chegaram para ficar. Basta ver a onda inevitável da inclusão virtual e a explosão de blogs, sites, perfis e tudo o que pode estar direta ou indiretamente relacionado à exposição virtual nessa grande aldeia global chamada internet. Nesse contexto relacional o Orkut é uma ferramenta de diálogo, conhecimento e interatividade viva. Cada palavra expressa um mundo, uma história, uma personalidade em toda a sua dinâmica existencial imersa na confluência da razão, emoção e sensibilidade, por isso, na medida em que o “ser” é jogado a vida aparece com verdade, mentira, amor, ódio, virtude, vício, bondade, maldade, fé, desespero, alegria e tristeza. A boca fala do que está cheio o coração. Assim sendo o Orkut é um laboratório da alma e uma grande oportunidade. Basta ver o que o mestre nos ensinou sobre o coração;

“Jesus disse: — Vocês também ainda não entenderam? O que entra pela boca vai para o estômago e depois sai do corpo. Mas o que sai da boca vem do coração. É isso que faz com que a pessoa fique impura. Porque é do coração que vêm os maus pensamentos, os crimes de morte, os adultérios, as imoralidades sexuais, os roubos, as mentiras e as calúnias. São essas coisas que fazem com que alguém fique impuro. Mas comer sem lavar as mãos não torna ninguém impuro”. (Mateus 15:16-20, NTLHE)

2. Sobre as comunidades. As redes virtuais do Orkut oferecem aos seus participantes a chance de criarem comunidades em torno de assuntos variados e um deles é atrelado à religião. Nada mais lógico para um presbiteriano do que criar, ingressar e postar numa comunidade ligada aos assuntos pertinentes ao mundo dos presbiterianos. Hoje os presbiterianos no Orkut se dividem em três grandes comunidades. A maior comunidade de presbiterianos possui uma gênese singular que tem um rastro desde 2004, sendo inclusive celebrada e anunciada nos meios oficiais da IPB, no entanto por razões enigmáticas, foi deletada sem, contudo, conseguir perder de vista o ideal de uma comunidade livre, aberta ao diálogo, sem polícia ou patrulha que pudesse podar ou mesmo castrar os que pensam diferente até mesmo da instituição. Nessa comunidade a bandeira da liberdade é hasteada e envergada no peito para justificar quase tudo, desde o direito de opinião sobre sexo antes do casamento, descriminalização da maconha até a defesa ardorosa dos símbolos da identidade presbiteriana e a denúncia de tudo aquilo que deprecia a moral cristã. Embora seja a maior comunidade, nem todos participam dela, alguns personagens sempre postam e quando falam definem o discurso da liberdade como elemento fundante da comunidade. Existem ainda outras duas comunidades de presbiterianos que é razoavelmente bem freqüentada e que historicamente se definem em relação à maior comunidade. Uma delas até pouco tempo se definia como oficial, mas agora se contenta em se afirmar como a primeira. Muita gente da comunidade maior posta nessa comunidade definida como a pioneira. A outra comunidade que carrega o nome de “presbiterianos” se afirma firmemente como defensora da moral e da doutrina cristã. Lá não se aceita palavras de baixo calão, ou criticas a instituição e seu credo reformado. O interessante dessa comuna é o posicionamento político de direita e conservadorismo. Bem, eu poderia falar mais e mais meu caro jovem, mas essas são minhas impressões sobre cada uma delas.

3. Preste atenção nos detalhes. O diálogo é uma forma de “ser” jogado no mundo enquanto sentido criado simbolicamente. Em alguns momentos prevalece a relação EU-TU, em outros a relação EU-ISSO e em outros a relação EU-EU. Nesse pequeno campo relacional nascem vários recessos que se instalam na circunferência do diálogo externado várias atitudes que vão do pólo da compreensão até a intolerância. Sendo assim, procure entender e interpretar porque alguns gostam de falar palavrões, vomitar amarguras do passado, defender o direito de pensar diferente, ou mesmo porque não fazem mais parte da IPB e etc. Observe atentamente as posturas legalistas e conceitualistas atreladas simbioticamente aos donos das consciências dos outros que patologicamente não sabem lidar, dialogar e debater com que pensa diferente. Considere ainda o espírito moderado e brando daqueles que sabem amar os outros e por isso mesmo sabem expressar a linguagem do amor e da candura até quando exortam com firmeza. Preste atenção nessas vozes evangélicas que usam o Orkut para repartir a ciência do evangelho, aconselhar, discordar, concordar com verdade e amor. Lembre do que disse São Paulo:

" Sejam amáveis com todos. O Senhor virá logo. Não se preocupem com nada, mas em todas as orações peçam a Deus o que vocês precisam e orem sempre com o coração agradecido. E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Por último, meus irmãos, encham a mente de vocês com tudo o que é bom e merece elogios, isto é, tudo o que é verdadeiro, digno, correto, puro, agradável e decente. Ponham em prática o que vocês receberam e aprenderam de mim, tanto com as minhas palavras como com as minhas ações. E o Deus que nos dá a paz estará com vocês. " (Filipenses 4:5-9, NTLHE)

4. As alternativas. Hoje a IPB não tem presença oficial no Orkut através de seus órgãos de comunicação. Acho isso uma pena, pois vejo a presença oficial da igreja através de seus representantes extremamente importante para a edificação do povo de Deus. Poderia existir uma comissão especial designada pela LPC ou RPC para participar dos fóruns ou da moderação das comunidades prestando relatório sobre a dinâmica das redes sociais. É bem verdade que cada pastor, presbítero, diácono ou membro da IPB quando fala de certa forma expressa em parte sua denominação, todavia a presença da instituição de faz importante para evitar boatos falsos, distorções e abusos. A presença da IPB nessas redes necessariamente não seria sinônimo de limitação dos fóruns, pelo contrário, vejo uma grande oportunidade de estabelecer o testemunho do amor cristão sendo educado e afável com os que pensam de forma diferente, entendendo que as redes sociais são apenas lugares apropriados para debates. Enquanto essas mudanças não ocorrem, se é que um dia ocorrerão, meu conselho é que para que você ame os outros, fuja da aparecia do mal, denuncie o pecado, e pregue o evangelho da graça e do amor de Deus. O Orkut é uma vitrine que exibe o que está dentro do coração e que de alguma forma tem sido ensinado e reproduzido dentro das comunidades reais. Não proibirei você de postar, participar ou ler o que é escrito nessas comunidades. Peço apenas que você siga Jesus Cristo em todos os lugares que estiver caminhando. Quando as comunidades serão oficiais e se é que um dia serão, não me importa tanto. O que de fato importa é que o seguir Jesus seja de fato a tarefa oficial e existencial mais importante que possa existir nessa vida.

"Jesus disse: — Felizes as pessoas que sabem que são espiritualmente pobres, pois o Reino do Céu é delas. — Felizes as pessoas que choram, pois Deus as consolará. — Felizes as pessoas humildes, pois receberão o que Deus tem prometido. — Felizes as pessoas que têm fome e sede de fazer a vontade de Deus, pois ele as deixará completamente satisfeitas. — Felizes as pessoas que têm misericórdia dos outros, pois Deus terá misericórdia delas. — Felizes as pessoas que têm o coração puro, pois elas verão a Deus. — Felizes as pessoas que trabalham pela paz, pois Deus as tratará como seus filhos. — Felizes as pessoas que sofrem perseguições por fazerem a vontade de Deus, pois o Reino do Céu é delas. — Felizes são vocês quando os insultam, perseguem e dizem todo tipo de calúnia contra vocês por serem meus seguidores. Fiquem alegres e felizes, pois uma grande recompensa está guardada no céu para vocês. Porque foi assim mesmo que perseguiram os profetas que viveram antes de vocês. — Vocês são o sal para a humanidade; mas, se o sal perde o gosto, deixa de ser sal e não serve para mais nada. É jogado fora e pisado pelas pessoas que passam. — Vocês são a luz para o mundo. Não se pode esconder uma cidade construída sobre um monte. Ninguém acende uma lamparina para colocá-la debaixo de um cesto. Pelo contrário, ela é colocada no lugar próprio para que ilumine todos os que estão na casa. Assim também a luz de vocês deve brilhar para que os outros vejam as coisas boas que vocês fazem e louvem o Pai de vocês, que está no céu. " (Mateus 5:2-16, NTLHE)

Rev. Francisco Macena da Costa.
Igreja Presbiteriana do Brasil.
Congregação Presbiterial no Cambeba - Fortaleza-CE
http://observareformado.blogspot.com/

Um comentário:

bossanmc disse...

Prezado reverendo Macena.

Muito boa sua explanação sobre as 3 principais comunidades do orkut. Porém, gostaria de fazer apenas uma retificação.
Já fui moderador da comunidade Presbiterianos, citada pelo senhor mas, por razões pessoais, não sou mais nem membro dela.
Gostaria de enfatizar que, pelo menos quando eu era um dos moderadores (hoje não sei), não havia naquela comunidade nenhuma restrição em relação a críticas à IPB. Tudo o que se exigia de seus membros era que essas críticas, assim como ocorria em relação a qualquer assunto, fossem feitas de forma respeitosa, e com o objetivo de debater honestamente o assunto. Posturas simplesmente difamatórias não eram realmente permitidas, assim como o uso de palavrões ou outras atitudes incompatíveis com uma comunidade cujo objetivo é o de congregar gente reformada e que frequenta uma igreja da IPB.