rss
email
twitter
facebook

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

O Quarto Mandamento

por


Solano Portela

O dia de descanso foi instituído por Deus e não pelo homem. O mandamento tem grande importância na Palavra de Deus. Bênçãos ocorreram, por sua guarda, e castigos severos, por sua quebra. Isso deveria provocar a nossa reflexão sobre a aplicação dos princípios bíblicos relacionados com o quarto mandamento nos dias atuais, discernindo, em paralelo, a mudança para o domingo, na era cristã. O povo de Deus sempre foi muito rebelde e desobediente com relação a essa determinação, e necessita convencimento da importância do mandamento, bem como entendimento da visão neo-testamentária, para a conseqüente modificação do seu comportamento atual.

O quarto mandamento fala de um dia de descanso e de adoração ao Senhor. Deus julgou essa questão tão importante que a inseriu em sua lei moral. O descanso requerido por Deus é uma prévia da redenção que ele assegurou para o seu povo (Dt 5.12-15). Os israelitas foram levados em cativeiro (Jr 17.19-27) por haver repetidamente desrespeitado este mandamento.

Gostaríamos de examinar as bases desse conceito de descanso e santificação e de ir até o Novo Testamento verificar como os cristãos primitivos guardavam o dia do Senhor.

Não podemos, simplesmente, ignorar esse mandamento. Como povo resgatado por Deus, temos a responsabilidade de discernir como aplicar essa diretriz divina nas nossas vidas e nas de nossas famílias. Por outro lado, nessa procura, não devemos buscar tais diretrizes nos detalhamentos das leis religiosas ou civis de Israel, que dizem respeito ao sábado. Essas leis eram temporais. Ao estudar o sábado, muitos têm se confundido com os preceitos da lei cerimonial e judicial e terminado com uma série de preceitos contemporâneos que se constituem apenas em um legalismo anacrônico, destrutivo e ditatorial. Devemos estudar este mandamento procurando discernir os princípios da lei moral de Deus. Com esse objetivo em mente, vamos realizar nosso estudo com a oração de que Deus seja glorificado em nossa vida e por nosso testemunho.

1. Um dia de descanso

Em nossas bíblias o quarto mandamento está redigido assim – "Lembra-te do dia de sábado para o santificar...". A palavra que foi traduzida "sábado", é a palavra hebraica shabat, que quer dizer descanso. É correto, portanto, entendermos o mandamento como "... lembra-te do dia de descanso para o santificar".

Esse "dia de descanso" era o sétimo dia no Antigo Testamento, ou seja, o nosso "sábado". No Novo Testamento, logo na igreja primitiva, vemos o dia de ressurreição de Cristo marcando o dia de adoração e descanso. Isso é: o domingo passa a ser o nosso "dia de descanso". Os apóstolos acataram esse dia como apropriado à celebração da vitória de Jesus sobre a morte (At 20.7; 1 Co 16.2; Ap 1.10). A igreja fiel tem entendido a questão da mesma maneira, ou seja: não é a especificação "do sétimo", que está envolvida no mandamento, mas o princípio do descanso e santificação.

Já enfatizamos que essa questão de um dia especial de descanso, de parada de nossas atividades diárias, de santificação ao Senhor, foi considerada tão importante por Deus que ele decidiu registrar esse requerimento em sua lei moral, nos dez mandamentos. Com certeza já ouvimos alguém dizer: "...não existe um dia especial, pois todo o dia é dia do Senhor...". Essa afirmação é, num certo sentido, verdadeira – tudo é do Senhor. Mas sempre tudo foi do Senhor, desde a criação e mesmo tudo sendo dele, ele definiu designar um dia separado e santificado. Dizer que todos os dias são do Senhor, como argumento para não separar um dia especial e específico, pode parecer um argumento piedoso e religioso, mas não esclarece a questão nem auxilia a Igreja de Cristo na aplicação contemporânea do mandamento. Na realidade, isso confunde bastante os crentes e transforma o quarto mandamento, que é uma proposição clara e objetiva e que integra a Lei Moral de Deus, em um conceito nebuloso e subjetivo, dependente da interpretação individual de cada pessoa.

Não devemos procurar modificar e "melhorar" aquilo que o próprio Deus especifica para o nosso benefício e crescimento. Deus coloca objetivamente – da mesma forma que ele nos indica a sua pessoa como o objeto correto de adoração; da mesma forma que ele nos leva a honrar os nossos pais; da mesma forma que ele nos ensina o erro de roubar, o erro de matar, o erro de adulterar – que é seu desejo que venhamos a separar para ele um dia específico, dos demais (Is 58.3).

2. Um dia santificado

Devemos notar que o requerimento é que nós nos lembremos do dia de descanso, para o santificarmos. Santificar significa separar para um fim específico. Isso quer dizer que além do descanso e parada de nossa rotina diária, Deus quer a dedicação desse dia para si. Nessa separação, o envolvimento de nossas pessoas em atividades de adoração, ensino e aprendizado da Palavra de Deus, é legítimo e desejável. A freqüência aos trabalhos da igreja e às atividades de culto, nesse dia, não é uma questão opcional, mas obrigatória aos servos de Deus. O Salmo 92, que é de adoração a Deus, tem o título em hebraico – "para o dia de descanso".

3. Uma instituição permanente

Uma expressão, do quarto mandamento, nos chama a atenção. É que ele inicia com "Lembra-te...". Isso significa que a questão do dia de descanso transcende a lei mosaica, isto é: a instituição estava em evidência antes da lei de Moisés. Semelhantemente, estando enraizado na lei moral, permanece, como princípio, na Nova Aliança. Vemos isso, por exemplo, no incidente bíblico da dádiva do Maná. Deus requerendo o descanso e cessação de trabalho durante a peregrinação no deserto, quando ele alimentava o seu povo com o Maná, antes da dádiva dos dez mandamentos. Estes seriam recebidos somente por Moisés no monte Sinai (veja, especificamente, Ex 16.29, 30).

4. Paulo faz um culto de louvor e adoração, no domingo, em Trôade

Paulo nos deixou, além das prescrições de suas cartas, um exemplo pessoal – reuniu-se com os crentes no domingo (At 20.6-12), na cidade de Trôade, na Ásia Menor. O versículo 6 diz que a permanência, naquele lugar, foi de apenas uma semana. Lucas, o narrador que estava com Paulo, registra, no v. 7: "... no primeiro dia da semana, estando nós reunidos com o fim de partir o pão...". Ele nos deixa a nítida impressão de que aquela reunião não era esporádica, aleatória, mas sim a prática sistemática dos cristãos – reunião periódica no primeiro dia da semana, conjugada com a observância da santa ceia do Senhor. Estamos há apenas 15 a 20 anos da morte de Cristo, mas a guarda do domingo já estava enraizada no cristianismo.

Paulo pronunciou um longo discurso, naquela noite. À meia noite, um jovem, vencido pelo cansaço, adormece e cai de uma janela do terceiro andar, vindo a falecer (v. 9). Deus opera um milagre através de Paulo e o jovem volta à vida (v. 10). Paulo continuou pregando, naquele local até o alvorecer (v. 11).

5. O entendimento da Reforma sobre o dia de descanso

A Confissão de Fé de Westminster captura o entendimento da teologia reformada sobre o dia de descanso ordenado por Deus. Nela não encontramos desprezo pelas diretrizes divinas, nem uma visão diluída da lei de Deus, mas um intenso desejo de aplicar as diretrizes divinas às nossas situações. O quarto mandamento tem uma consideração semelhante aos demais registrados em Ex 20, todos aplicáveis aos nossos dias. Nas seções VII e VIII, do capítulo 21, sob o título – "Do Culto Religioso e do Domingo" lemos o seguinte:

Como é lei da natureza que, em geral, uma devida proporção do tempo seja destinada ao culto de Deus, assim também, em sua palavra, por um preceito positivo, moral e perpétuo, preceito que obriga a todos os homens em todos os séculos, Deus designou particularmente um dia em sete para ser um sábado (descanso) santificado por ele; desde o princípio do mundo, até a ressurreição de Cristo, esse dia foi o último dia da semana; e desde a ressurreição de Cristo já foi mudado para o primeiro dia da semana, dia que na Escritura é chamado de domingo, ou Dia do Senhor, e que há de continuar até ao fim do mundo como o sábado cristão.

Este sábado é santificado ao Senhor quando os homens, tendo devidamente preparado os seus corações e de antemão ordenado os seus negócios ordinários, não só guardam, durante todo o dia, um santo descanso das suas próprias obras, palavras e pensamentos a respeito dos seus empregos seculares e das suas recreações, mas também ocupam todo o tempo em exercícios públicos e particulares de culto e nos deveres de necessidade e misericórdia.

6. O Quarto Mandamento Hoje – Qual o nosso conceito do domingo?

É necessário que tenhamos a convicção de que o chamado à adoração, o desejo de estar cultuando ao Senhor, e o descansar de nossas atividades diárias, por intermédio de um envolvimento com as atividades da igreja, encontra base e respaldo bíblico. É mais do que uma questão de costumes, do que uma posição opcional. É algo tão importante que faz parte da lei moral de Deus.

Normalmente nos perdemos em discussões inúteis sobre detalhes, procurando prescrever a outros uma postura de guarda do quarto mandamento conforme nossas convicções, ou falta delas. Assumimos uma atitude condenatória, procurando impor regras detalhadas e, muitas vezes, seguindo restrições da lei cerimonial, em vez do espírito da lei moral. Antes de nos perdermos no debate dos detalhes, estamos nos aprofundando no princípio? Temos a postura de tornar realmente o domingo um dia diferente, santificado, dedicado ao Senhor e à nossa restauração física?

--------------------------------------------------------------------------------
Apêndice: Qual o dia de descanso – sábado ou domingo?

Sempre que estudamos o quarto mandamento surge a pergunta: quem está certo? São os Adventistas, que indicam o sábado como o dia que ainda deveríamos estar observando, ou a teologia da Reforma, apresentada na Confissão de Fé de Westminster, e em outras confissões, que encontra aprovação bíblica e histórica para a guarda do domingo? Alguns pontos podem nos ajudar a esclarecer a questão:

1. Os pontos centrais de cumprimento ao quarto mandamento são: o descanso, a questão da separação de um dia para Deus, e a sistematização, ou repetibilidade desse dia. O dia, em si, é uma questão temporal, principalmente por que depois de tantas e sucessivas modificações no calendário é impossível qualquer seita ou religião afirmar categoricamente que estamos observando exatamente o sétimo dia. Nós usamos o calendário Gregoriano, feito no século 16. Os judeus atuais usam o calendário ortodoxo, estabelecido no terceiro século, e assim por diante.

2. Os principais eventos da era cristã ocorreram no domingo:

• Jesus ressuscitou (Jo 20.1)

• Jesus apareceu aos dez discípulos (Jo 20.19)

• Jesus apareceu aos onze discípulos (Jo 20.26)

• O Espírito Santo desceu no dia de pentecostes, que era um domingo (Lv 23.15, 16 – o dia imediato ao sábado), e nesse mesmo domingo o primeiro sermão sobre a morte e ressurreição de Cristo foi pregado por Pedro (At 2.14) com 3000 novos convertidos.

• Em Trôade os crentes se juntaram para adorar (At 20.7).

• Paulo instruiu aos crentes para trazerem as suas contribuições (1 Cr 16.2).

• Jesus apareceu e João, em Patmos (Ap 1.10).

3. Os escritos da igreja primitiva, desde a Epístola de Barnabé (ano 100 d.C.) até o historiador Eusébio (ano 324 d.C.) confirmam que a Igreja Cristã, inicialmente formada por Judeus e Gentios, guardavam conjuntamente o sábado e o domingo. Essa prática foi gradativamente mudando para a guarda específica do domingo, na medida em que se entendia que o domingo era dia de descanso apropriado, em substituição ao sábado. Semelhantemente, a circuncisão e o batismo foram conjuntamente inicialmente observados, existindo, depois, a preservação somente do batismo, na Igreja Cristã. O domingo não foi estabelecido pelo imperador Constantino, no 4º século, como afirmam os adventistas. Constantino apenas formalizou aquilo que já era a prática da igreja.

4. Cl 2.16-17 mostra que o aspecto do sétimo dia era uma sombra do que haveria de vir, não devendo ser ponto de julgamento de um cristão sobre outro.

Para um estudo mais detalhado do assunto, sugerimos o livro de J. K. VanBaalen, O Caos das Seitas.

Fonte: Monergismo

41 comentários:

NaToO disse...

1. Não há nenhuma menção bíblica substituindo o sábado pelo domingo, a guarda do domingo é invenção humana

2.Voce está sendo tendencioso ao dizer o que faziam no primeiro dia da semana, pois saiba que depois do findar do sábado ainda é costume do pessoal se reunir para falar de assuntos que nao sao pertinentes ao sábado.

3.Me prove cientificamente que o ciclo semanal foi quebrado...

ademais é a mesma ladainha, vamos ser honestos

Djalma Oliveira disse...

NaToO

O argumento para a mudança do sétimo para o primeiro dia da semana não é baseado num mandamento divino direto, mas é deduzido da teologia bíblica, da analogia e do exemplo histórico. Aqueles que rejeitam o sabbath cristão têm usado o fato de não existir nenhum mandamento direto para enganar aqueles que não são treinados em teologia. Embora não haja nenhum mandamento ou declaração direta com respeito à mudança do dia, isso não significa que não exista garantia bíblica suficiente para observar o primeiro dia da semana; há evidência abundante! Observe que há várias doutrinas cristãs cruciais que não são baseadas numa declaração direta, mas num estudo cuidadoso da Escritura e no uso correto da dedução: a trindade, a
união hipostática das duas naturezas de Cristo, o batismo infantil, etc.

A natureza obrigatória da observância do primeiro dia na nova era é demonstrada por Atos 20:7: “E no primeiro dia da semana, ajuntando-se os discípulos para partir o pão, Paulo, que havia de partir no dia seguinte, falava com eles; e prolongou a prática até à meia-noite”. Observe que vários anos após a ressurreição e o derramamento do Espírito Santo em Pentecostes, a prática da igreja do Novo Testamento ainda era a adoração pública no primeiro dia da semana, o dia do Senhor (Ap. 1:10).

http://www.monergismo.com/textos/dez_mandamentos/Sabbath-obrigatorio-eraNT_Schwertley.pdf

NaToO disse...

Atos 20:7

1. No domingo também tem culto na minha igreja, reunir-se no domingo não é prova nenhuma de que o sábado (7° Dia da semana) foi mudado, na verdade essa reunião não parece oficial parece mais uma mesa redonda para debate de temas ou esclarecimentos dos lideres Paulo e os discípulos.

2. O dia para os judeus não era de uma meia noite a outra meia noite, e sim de um por-do-sol a outro por-do-sol, então muitas atividades que os defensores do domingo utilizam para afirmar que este é o dia de descanso na bíblia, pode simplesmente ter ocorrido no sábado após o pôr-do-sol.

Ap. 1:10

Faça uma pesquisa e verá que a tradução não é bem essa, isso definitivamente não prova a mudança de dia.... aliás a guarda do domingo é claramente um desvio de conduta, e é facilmente refutável, tanto que alguns se vendo sem chão para se sustentar no domingo, corre para o argumento de que o dia pode ser "qualquer um" ou até negar o mandamento, "não é mais dia nenhum"

Portanto biblicamente falando, o 4º mandamento é muito claro e associa perfeitamente o sábado(Verdadeiro dia do Senhor) ao 7º dia da semana. E não existem ordem divina para mudança, o que mostra a prática uma desvirtuação evidente.

E voltando, Ap 11:19

"Então se abriu o templo de Deus, que está no céu, e a arca da aliança foi vista lá dentro. E houve relâmpagos, estrondos, trovões, um terremoto e uma forte chuva de pedra."

João viu no céu a arca da aliança, bom nela contém a lei dos 10 mandamentos, e Jesus como Sumo-Sacerdote faz a expiação dos nossos pecados com a mesmas leis das tábuas de pedra

Portanto eu prefiro continuar com o dia oficial do que se voltar a costumes humanos.

NaToO disse...

Atos 20:7 - "No sábado à noite nós nos reunimos com os irmãos para partir o pão. Paulo falou nessa reunião e continuou falando até a meia-noite, pois ia viajar no dia seguinte." Biblia na linguagem de hoje.

O dia comemorável dos romanos era o domingo, e isso se infiltrou no cristianismo.

Thaís disse...

Acho importante acrescentar algumas coisas:
1- A tradução "sábado" está errada, como foi dito. "Sábado" não é o dia de sábado da folhinha, mas significa "o "dia de descanso".
2- Esse dia de descanso não foi dito por Deus que era o "sétimo dia da folhinha", mas o dia que viesse depois de seis dias de trabalho. PRIMEIRO, Deus diz que devemos trabalhar seis dias. Não falou que devemos trabalhar de domingo a sexta. Falou que devemos trabalhar seis, e depois disso, descansar. Portanto, o descanso seria no sétimo dia, CLARAMENTE IDENTIFICADO PELOS DIAS DE TRABALHO ANTERIORES A ELE e NÃO PELOS DIAS DO CALENDÁRIO.
Acho que esse é o erro fundamental dos adventistas, que eles não vão admitir nunca. Mas não importa, porque se eles descansarem depois de seis dias de trabalho, estarão, como nós, cumprindo a Lei.

Thaís disse...

É interessante observar como uma interpretação clara pode ser tão usada para criar controvérsias. Não se trata do 'SÉTIMO DIA DA SEMANA". Deus explica quando se começa a contar, para se chegar no sétimo. Conta-se a partir do PRIMEIRO DIA DE TRABALHO. É a partir dos DIAS DE TRABALHO que se conta a semana, para se encontrar o dia de descanso. Se vc trabalha de quarta a segunda (seis dias), depois do sexto dia vem o sétimo, e vc tem que descansar nesse dia. O domingo foi escolhido pelos cristãos da igreja primitiva por estar relacionado à ressurreição de Jesus, porém, nunca houve no NT nenhuma manifestação nem de Jesus apregoando o sábado, nem de Paulo contrário ao domingo. Porque isso não tem a importância NOMINAL que se quer dar pelos adventistas. O NOME do dia pode ser qual for, porque Deus não deu NOME ao dia, mas o classificou de acordo com os DIAS DE TRABALHO. É só ler com atenção.

Thaís disse...

Deus não disse quais dias temos que trabalhar. Não disse "trabalharás de segunda a sábado' ou "de domingo a sexta-feira". Deus não deu NOME aos dias de trabalho, mas os QUANTIFICOU. São SEIS dias de trabalho. OK. Daí, o dia seguinte, é o "dia de descanso", que é o traduzido erroneamente (por analogia morfológica com o original)de "sábado". "Lembra-te do dia de descanso"... que é o dia seguinte aos seis dias de trabalho. Seja o calendário qual for. Seja o nome do dia qual for. Esteja o calendário correto ou não. O importante é obedecer ao que está escrito com clareza.

NaToO disse...

Thaís
Bela teoria, o problema é que não se encaixa em contexto nenhum...

Thaís disse...

Amigo, não é teoria, é FATO. Não tem contexto. Em qualquer situação, época, país ou língua, o mandamento está escrito da mesma forma. Os dias, para fim de se encontrar o dia de descanso, são contados, segundo a Bíblia, conforme os dias de trabalho. Não houve determinação de QUAIS dias da semana vc deveria trabalhar, mas sim de QUANTOS DIAS. Ninguém fala isso, porque não interessa. Ninguém se preocupa com os dias de trabalho. Acho engraçado, porque sem dias de trabalho, não tem dia de descanso. Deus não falou assim "Vc pode fazer o que quiser seis dias,mas deixe o sétimo para mim." Nem disse "Vc tem que guardar o sétimo dia do calendário judeu" ou "do calendário do seu povo"... já pensou que difícil e complicado seria isso? Deus não daria uma ordem tão difícil de se entender e cumprir. Quando ele se referiu a dias específicos do mês e da semana em outras ordenaças, relacionados a datas específicas, a fala é diferente. Por exemplo, quando fala da Festa dos pães Asnos, ele diz que " sete dias comerás .... no tempo indicado no mês de abibe". Não são, portanto sete dias quaisquer. Tem que ser NESSE mês. Quando fala sobre a Páscoa, diz "no mês primeiro, aos catorze do mês..." Deus quis especificar o dia de descanso de acordo com o TRABALHO. Senão, diria apenas "o sétimo dia da semana", como diz "o 14º dia do mês". E eu diria que praticamente todas as vezes (não me lembro de nenhuma passagem diferente), em que fala do descanso, COMEÇA falando do trabalho. Porque É ASSIM QUE VC CONTA OS DIAS, E CHEGA AO DIA DE DESCANSO. Conta os dias de trabalho. Isso é tão simples e óbvio que chega a incomodar mesmo, eu entendo. Mas é a verdade. O mandamento começa dizendo que vc tem que trabalhar seis dias PRIMEIRAMENTE. Começa aí. TEM QUE TRABALHAR SEIS DIAS. Trabalhar seis dias, começando quando? Que seis dias? Quais dias são esses? Na segunda? Na quarta? No sunday? No Vendredi? Na Mercoledi? A Bíblia não diz isso. E tem um motivo para não dizer. Cada época e cada país tem um nome para cada dia... povos diferentes seguem diferentes calendários, mas não importa o nome do dia. Obviamente se vc trabalhou seis dias, o próximo dia é o sétimo. E esse dia é o "DIA DE DESCANSO" ou "shabbat". Simples assim. Se vc trabalha seis e guarda o sábado, está tudo bem. Só não diga que quem guarda outro dia, seja ele qual for, está errado, porque o mandamento é muito claro. Não estou advogando o domingo, veja bem. Estou dizendo que vc pode guardar qualquer dia, desde que seja o sétimo dia, que é aquele que se segue aos seis dias de trabalho, e não aquele que foi determinado no calendário. Não sou eu quem diz isso, mas a Bíblia, e isso vc não pode negar. Preste atenção numa coisa. Não estou dizendo que TANTO FAZ, que todos os dias são iguais, e que qualquer dia serve. NÃO É ISSO. DEUS ESPECIFICOU QUE FOSSE O SÉTIMO DIA, após os seis de trabalho. O calendário é humano, por isso Deus determinou desse modo. Mesmo uma pessoa que mora numa selva, afastado de tudo e todos, saberá qual dia guardar, mesmo que não tenha um jornal, ou uma folhinha para ver que dia é. Eu não estou querendo convencer vc de nada. Só estou passando essa interpretação para quem sabe, esclarecer alguém que possa ter alguma dúvida. (O que não é o seu caso.) Mas a Bíblia diz que cada um deve ter muito claro em sua mente aquilo em que acredita, e agir assim, porque o que não provém de fé é pecado. Então, amigo, faça da maneira que vc crê. E respeite que os outros façam como eles crêem. Mesmo porque, diferentemente do que muitos pensam, não será isso que salvará ninguém. Eu, por exemplo, tenho certeza absoluta, e creio de todo o meu entendimento e todo o meu coração, que esse raciocínio e modo de "interpretar"(ou ler) o mandamento, é o correto, porque é exatamente isso que está escrito; não estou inventando nada. Por isso procuro agir desse modo, e estando agindo por fé, não estou pecando, conforme diz a Bíblia (não sou eu quem diz isso). Um abraço fraternal para vc.

NaToO disse...

Thais

vc é uma adepta ao "dia qualquer", uma coisa, porque voce não vai lá em israel e chama os judeus e explica essa nova forma de "visão" da lei de Deus, fala para eles que estão todos errados, só porque guardam o "sabbat" há milênios, exatamente no sétimo dia da semana initerruptamente desde que o próprio Deus criou o "ciclo semanal de sete dias"

Bom sua proposta é diferente do que postaram aqui no site de que agora o dia de guarda é o "domingo", bom vejamos, conheço um padre que afirma que a bíblia manda guardar o sábado 7 dia da semana, e ele desafia qualquer protestante a dizer que foi anulado, ele mesmo afirma que na icar o sábado foi mudado para o domingo pela "autoridade da igreja"...

e vc agora diz que todos que guardam o sabbat a milênios nos moldes do ciclo semanal criado por Deus estão todos errados com uma nova e mirabolante interpretação do mandamento?

rsrsrsrs, interessante

NaToO disse...

Olha, eu não estou discutindo "pessoas", o que "elas fazem ou deixam de fazer", nada de cunho pessoal, cada um tem a liberdade de fazer "o que quiser"... o que posto aqui é um ponto doutrinário bíblico, apenas isso.....

uma coisa que não tem como nem discutir, é o dia correto em que se se guarda o sabbat a miênios, exatamente no "ciclo semanal" criado por Deus de 7 dias, na qual no sétimo é o dia de descanço e consagração... então surge o questionamento de que esse ciclo foi quebrado porque faz muito tempo que foi criado

em um post anterior eu pedi uma prova "ciêntifica" da quebra do ciclo semanal, percebeu? não falei "bíblica", falei "científica"...

o mais interessante é que o ciclo semanal é universal, todos povos da terra o conhecem milenarmente e é adotado por nada menos que "todos humanos" em todas "partes da terra", e vc me diz: e os calendários... o engraçado é que o ciclo semanal não tem nenhum vínculo com nenhum calendário, idependente do dia numérico, o dia do ciclo não se altera, antes mesmo de Jesus nascer, existem provas de que os romanos já possuiam o mesmo ciclo semanal dos judeus.....

a besteira que mais leio é que na entrada do calendário gregoriano, mudou o ciclo semanal.... rsrsrsr, se tivesse acontecido isso, cada pais teria um ciclo semanal diferente porque esse calendário não foi adotado ao mesmo tempo por todos, e o que a história mostra é que o que apenas foi mudado foram os números, meses do calendário, sem nenhuma interferência no "ciclo semanal"...

Bom, a biblia diz que os filhos de Deus seguem sua "palavra", vejo que hoje muitas palavras se divergem das de Deus, e ainda são adotadas como "verdade"

Grande abraço, fica com Deus....

cristaoreformado disse...

Boa Thais!
Que Lição neste Adventa sem eira nem beira, vai estudar meu compadre para deixar de bobagem, tudo que thais falou estÁ NA BÍBLIA, SEIS DIAS TRABALHARÁS E NO SÉTIMO DESCANSARÁS.

NaToO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Felipe disse...

A verdade é que a Thais deu um banho de bíblia aqui!!! De fato Deus nunca determinou quando deveria ser esse descanso apenas disse que seria um dia após seis de trabalho. Jesus disse que o descanso (sábado) foi feito por causa do homem e não o homem feito por causa do descanso, assim Jesus até do descanso é Senhor. Será que Jesus quis dizer que ele era o Senhor do sétimo dia da semana ou Senhor do descanso???
em Mateus 11 Jesus diz que indo a ele encontraremos descanso para nossas almas, logo isso o faz Senhor dele. O sábado era sombra das coisas futuras pois Jesus é a luz e o sábado a sombra dele. Jesus é o nosso descanso

Ivan disse...

A paz irmãos.

Ao contrario do que boa parte dos teologos ensinam, a guarda do setimo dia como sabado nas igrejas reformistas comecou com a IGREJA BATISTA DO SETIMO DIA...

boa parte dos teologos fingem nao saber disso dos batistas do setimo dia, mas eles guardavam sabado 200 anos antes dos adventistas, tendo inclusive "ensinado' estes a guardarem, tanto que a IASD plageou o nome da igreja...

igrejas como a Igreja Batista do Setimo dia e a Adventista da Promessa (que nao acredita em Ellen White) não ensinam salvacao por sabado, mas sim pela graca.

Na pratica, observo que boa parte dos dominguistas dizem que santificam o domingo mas na verdade nao o fazem. Para quem conseguir obedecer o 4 mandamento numa igreja dominguista sem ser taxado de legalista, parabens!

Eu nao obersvo o domingo e sim o sabado porque vejo um pseudo-dominguismo nas igrejas nao sabatistas e tbm porque varios teologos, inclusive defensores do domingo, jah provaram que Jesus morreu no sabado, eh so psquisar.

Ao meu ver nao ha base biblica para mudanca para domingo, mas isso eh conscincia de cada um.

OBS: Essa de 6 dias trabalharas ao meu ver eh uma grande hipocrisia dos dominguistas... por acaso algum pastor vai a casa de um professor falar que ele deveria trabalhar sabado tbm?
Alem do mais, o que seria trabalhar? Quem precisa lavar roupa, louca e etc e nao tem mae em casa trabalha domingo sim.

A paz.
irmão em Cristo Ivan S.B. Silva., promessista.

Anônimo disse...

caro amigo e irmao não estou querendo mudar a sua consepção mas existe primeiro dia da semana mas nao o domingo esta palavra não existe na biblia sagrada e não ouve mudança para o preimeiro dia da semana o dia em que voce menciona do partir do pao não e a ceia mas sim uma comida normal acabando o dia de sabado eles foram fazer seus comentarios a respeito da palavras e instrução aos apostolos tanto e que se fosse aceia cade o vinho.

Anônimo disse...

Não sou da igreja adventista,mas sou adventista,porque todo cristão que conhece a palavra e queira ser obediente pode praticar o advento.
O ser humano com sua mente pecaminosa,tem o praser de destorcer e complicar o que DEUS deixou de graça para,a SALVAÇÃO.Primeiro,satanas astuto inventou final de semana,que muitos dedicam a ele,são para muitos 2 dias ,sabado e domingo,uns trabalham ate o sabado outros ate o domingo,isso tem causado uma trmenda confusão entre o povo de DEUS.Na verdade a biblia não menciona o domingo,e sim o sabado.Como nossa mente tem limites para compreender as coisas de DEUS,ai esta implantada essa desarmonia.O que causa tudo isso,e a falta de harmonia com a palavra.Nos vivemos no mundo que existes os orgulhosos cristãos,que são todos aqueles que rejeitam a palavra so porque não tem os mesmos costumes.Amados irmãozinhos quando Jesus voltar,vamos ter depeção,DEUS e amor,ao inves de ficarmos nessa lenga-lenga,vamos orar uns pelos outros ,tenho certeza de que JESUS,FICARÁ MUITO MAIS MUITO FELIZ.A PAZ!

Anônimo disse...

GLORIFICADO SEJA O NOME DO NOSSO SENHOR E SALVADOR JESUS CRISTO

AMEM?

Eduardo Silva disse...

Querido amigos,

no relato de Genesis, Deus começou a sua obra no primeiro dia e foi até o sexto dia, no sexto dia ele criou o homem, bem no sétimo dia Gn 2:1-3 ele finaliza a criação, criando o sétimo dia que deu o nome de sábado (Deus permitiu que o homem desse nome a todos os animais e plantas, mas o sétimo dia ELE próprio o nomeou) que significa DESCANSO, Alem do mais o próprio DEUS descansou, abençoou e santificou o sétimo dia da semana, ou seja o sábado o sábado. simplificando o Sétimo dia da semana é o sábado Êxodo 20:8-11., no deserto quando os israelitas estavam indo pra terra prometida, Deus mandou que no sexto dia eles pegassem o maná em dobro (EX 16:22), pois no sábado não colheria, mas eles não estavam trabalhando, então por que eles deveriam deixar de colher o maná no sábado, se eles não tinha trabalhado seis dias??
Temos que ter cuidado com essas interpretações baseadas em ideias propria e devemos deixar a Biblia responder essas questoes

Felipe disse...

Se alguém aqui quer cumprir a lei leia Romanos 13:8, Romanos 13:9, Gálatas 5:14, Mateus 7:12. Mesmo assim a lei não é capaz de te justificar, pois todos os nascidos de mulher herdaram a natureza pecaminosa de Adão, mesmo que vc guarde o sábado, não mate, não adultere vc tem a natureza corrupta!!!! e não vai entrar no céu. E aonde está essa natureza corrupta??? na nossa carne!!! e o que devemos fazer então?!

E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências. Gálatas 5:24

Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia,Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias,

Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus. Gálatas 5:20-21.

Então tudo aquilo que satisfaz a carne é pecado.

O que é de Cristo crucifica sua carne, ou seja, sua natureza pecaminosa e vive pelo espírito

Porque, se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis. Romanos 8:13

Nicodemos guardava toda a lei inclusive os 10 mandamentos!!!!!!!!

E havia entre os fariseus um homem, chamado Nicodemos, príncipe dos judeus.

Este foi ter de noite com Jesus, e disse-lhe: Rabi, bem sabemos que és Mestre, vindo de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não for com ele.

Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.

Disse-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer?

Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do *Espírito*, não pode entrar no reino de Deus.

O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do *Espírito é espírito*.

Não te maravilhes de te ter dito: Necessário vos é nascer de novo.

Espírito com letra maiúscula, quem nasce do Espírito Santo é espírito.

Todos nós nascemos da carne, e herdamos a natureza pecaminosa de Adão, se vc quer ser como nicodemos que guardava a lei mas era da carne vc não vai entrar no reino, mas se vc mortificar a sua natureza pecaminosa e viver pelo espírito vc vai entrar no reino!!! acho que não pude ser mais tão claro. Por isso que diz:

Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais debaixo da lei. Gálatas 5:18



E qualquer coisa que lhe pedirmos, dele a receberemos, porque guardamos os seus mandamentos, e fazemos o que é agradável à sua vista.

E o seu mandamento é este: que creiamos no nome de seu Filho Jesus Cristo, e nos amemos uns aos outros, segundo o seu mandamento.

E aquele que guarda os seus mandamentos nele está, e ele nele. E nisto conhecemos que ele está em nós, pelo ESPÍRITO que nos tem dado.

1 João 3:22-24

Eduardo Silva disse...

Ninguem aqui está falando em ser salvo pela lei! eu num disse isso, mas a Lei serve pra mostrar os nossos erros, se nao precisamos guardar a lei, pra que Jesus? Pois se Jesus veio salvar do nossos pecados, e PECADO é a transgressao da LEI, se depois q Cristo veio nao precisamos mais guardar a lei, não posso ser acusado de nada. Então não precisa aceitar JESUS, pq ele me libertaria dos pecados (ah mas sem lei, pra me dizer o que eh pecado dificil eu procurar a CRISTO nao acha?). O fim da Lei é Cristo ROmanos 10:4, mas será o Final da LEI, o a finalidade da lei, Se Jesus nao veio pra anular a Lei, então o melhor sentido de Rm 10:4 é de FINALIDADE. A Finalidade da Lei é mostrar Cristo, pois sabendo que estou errado, percebo que tenho que busca a Cristo.

A PAZ do SENHOR!!!

Anônimo disse...

Rapaz quem quizer guarda o sabado que guarde, mas tem que comprir as determinações da lei que Deus deu a Moisés, porque senão não adianta, Deus não muda então as leis relacionadas ao 4 mandamento tb não. O problema é a supervalorização do 4 mandamento, enquanto que o amor ao proximo e a Deus é colocado de lado por muitos adventistas, porque idolatram o sabado e esquecem do SENHOR do sábado? o sabado é nada mais do que um periodo de descanço para o homem adorar a Deus e lembrar da libertação do povo de Deus do Egito e memorial da criação de Deus.NÃO TEM PODER SALVIFICO COMO CREEM OS ADVENTISTAS(MESMO QUE ELES NEGUEM QUE TENHA EMBORA CREEM NISSO, o sabado e a circuncisão eram os sinal da velha aliança. Hj é o Espírito Santo que é o selo de propriedade. Somos uma igreja gentílica e não judaica não temos necessidade da guarda do sabado como no antigo testamento. LEIA ROMANOS 14, QUEM GUARDA NÃO CONDENE QUEM GUARDA, OU ACHA QUE GUARDA COMO OS ADVENTISTAS DIZEM GUARDAR MENTIROSAMENTE, POIS CONHEÇO MUITOS ADVENTISTAS QUE FINGEM QYE GUARDAM.

Adriana Mendes disse...

A Lei Moisaica é longa e complexa, quase impossível de se guardar. Mas o sábado não é uma das muitas leis deixadas por Moisés para orientar o povo judeu, e sim uma lei escrita pelo próprio dedo de Deus em tábua de pedra para abençoar o povo. Porque esse espanto em guardar o dia do Senhor? Se fazer o que é bom e certo fosse fácil, a porta não seria estreita! Não importa se o dia de descanso, no Brasil, é sábado ou domingo, mas importa guardá-lo porque isso agrada ao Senhor! E que, como em Romanos 14, cada um esteja consciente de que o que está fazendo, está fazendo para o seu Senhor, e o Senhor o recebe. O ladrão na cruz nunca guardou um dia da semana ou sequer foi batizado, mas ele creu que Jesus era filho de Deus e, pela graça de Jesus, ele foi salvo, assim como a toda a humanidade a salvação está estendida largamente, através do reconhecimento da divindade de Jesus. Mas, como ao aceitarmos a Jesus, não somos automaticamente arrebatados, enquanto Ele não volta, precisamos viver uma vida agradável a Ele. E isso é tão simples quanto Ex 20 descreve. Os dez mandamentos dizem, diretamente do trono de Deus, o que Ele deseja que façamos, e o que Ele deseja que não façamos. Qual é a dificuldade, então, de agradar a Deus? Entregar o dízimo é uma obrigação que parece ser um sacrifício, mas que ser reverte em inúmeras bênçãos, que só sabe quem é fiel nos dízimos. O que dizer então de guardar um dia da semana? Da mesma forma, parece um grande sacrifício, mas a Palavra de Deus promete bênçãos pra quem o guarda. Não vamos ficar inertes nessa questão. Oremos ao Senhor, para saber qual é a Sua vontade nesse sentido. Eu guardo o domingo e sinto muito gozo e paz no meu coração. Respeito quem guarda o sábado e instigo você a orar a Deus, pedindo sabedoria e discernimento nessa questão.

Gisele Volkmann disse...

Olá.

Só gostaria de salientar que a citação do Historiador Eusébio (324 d.C.) está inserida fora do real contexto pois, é POSTERIOR ao ÉDITO de CONSTANTINO (321 d.C.) que ordenava a guarda do domingo.
Portanto,os comentários escritos pelo referido historiador falam do comportamento dos cristão APÓS este decreto.
Muitos que eram ou se diziam cristãos,por medo das consequências, conveniência,conformação com os ditames mundanos passaram a guardar tanto o sábado como o domingo e,após só o domingo.
Isto não quer dizer que está correto!
O mesmo acontece em nossos dias. Com toda certeza é mais fácil e conveniente guardar o dia que a maioria das pessoas guarda. Mas,não se esqueça que é desobedecer a Deus e só os obedientes estão demonstrando que aceitaram a graça divina da salvação em Cristo Jesus.
Aliás,o próprio Jesus Cristo guardou o sábado,como está comprovado nas Escrituras Sagradas.
Até mesmo DESCANSOU NO SÁBADO SEGUINTE A SUA MORTE NA CRUZ, deixando para ressuscitar no domingo!!!
Que Deus o abençoe e lhe dê a convicção da VERDADE!

GI

Anônimo disse...

Gente, eu já tinha ouvido muita "pataquada", mas essa de "Jesus ressuscitou no domingo porque tava descansando no sábado foi de doer".
Ler a Bíblia de verdade parece que o povo não quer né?
Simples assim: Seis dias trabalharás e um descansarás. Você trabalha segunda, terça, quarta, quinta, sai mais cedo na sexta, não trabalha no sábado nem no domingo E EU ESTOU ERRADO? Faça-me o favor!
Rev. Rodrigo

Marcelo dos Santos ribeiro disse...

Para os que creem que o Sábado é o dia do Senhor, esta escrito em provérbios capitulo 23:9, Não fales aos ouvidos do insensato,porque desprezará a sabedoria das tuas palavras.
Não respondas ao tolo segundo a sua estultícia; para que também não te faças semelhante a ele. Provérbios 26:4.
O tolo não tem prazer na sabedoria, mas só em que se manifeste aquilo que agrada o seu coração. Provérbios 18:2.
O homem sábio que pleiteia com o tolo, quer se zangue, quer se ria, não terá descanso. Provérbios 29:9.
........teriam vários outros ditos em provérbios sobre o debate com tolos, irmãos se observamos nesses textos oque em estas pessoas estão apresentando, fica claro que são apenas teorias pessoais, ou pensamentos teológicos, faça me o favor, alguém que diz que o primeiro dia da semana é o dia guarda estar extrapolando com tudo o que é bíblico, neste tópico não encontrei duvidas bíblicas, não encontrei pessoas que querem ouvir a verdade, mas sim encontrei um bando de hipócritas que querem comodismo, que querem ter uma vida sem sacrifícios, que querem apenas arrumar desculpas para os seus erros.Busquem com humildade de coração ao Senhor, e vocês iram ver a verdades de Deus.E para aqueles que acreditam que não importam o dia de descanso, qualquer dia é Santo, oro para que você aceite a verdade antes do Grande dia do Senhor, porque o Remanescente Fiel são Aqueles que GUARDAM OS MANDAMENTOS DE DEUS E TEM A FÉ EM JESUS.AMÉM, VEM SENHOR SEM DEMORA....

Anônimo disse...

O engraçado é que o próprio Deus trabalhou no dia sétimo rsrsrs (Gn 2.2) só então ele descansou no mesmo dia!

André King disse...

Se eu aceitar esse artigo como verdadeiro estou chamando o próprio Deus de mentiriso, pois Jesus disse em Mt.5:17-19 que não veio modificar a lei nem os profetas, antes veio confirmar. Sugiro que os irmãos estudem os versos mencionados nesse artigo dentro do seu contexto bíblico, pois um texto fora do contexto vira um pretexto. E mais, pegar apenas a primeira parte do quarto mandamento para justificar toda essa teoria é agir com falta de honestidade com Deus. Uma vez o dia de descaço sendo modificado a semana da criação literal do gêneis cai por terra meus amigos. Não tem concilios nem conselhos de homens que mude a bíblia. Outa coisa, o quarto mandamento é o único que diz que Deus é criador, Santo e dono de todas as coisas, mude esse mandamento e até a oração que Jesus ensinou é invalidada "pai nosso que estas no céu, santificado seja teu nome...seja feita tua vontade assim na terra como no céu". Prefiro acreditar em Deus do que em homens, sejam adventistas, presbiterianos, catolicos seja la qual for a religião. Deus tem um povo na terra, e deixou a bíblia para ser estuda e seguida, você gostando ou não.Pois disse Adonai Elohin:
5 Assim diz o Senhor: Maldito o varão que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do Senhor!
9 Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o poderá conhecer? Jr.17:5 e 9.
Paremos de tentar explicar o que inexplicavél, calemos diante de Jeová e obdeçamos seus preceito e Sua Lei que santa e eterna assim com Ele é. Se a Lei é eterna entao NÃO MUDA. Deus,Adão e Eva guardaram o sábado, ai pergunto: Deus é judeu ou adventista? e Adão e Eva, também?
Que Jeová tenha misericordia daqueles que tentam deturpar Sua Santa Palavra.

malu disse...

O sábado não é o mesmo dos nossos dias, leia Josué 10:13

Mark Andreas Design disse...

Atos 20:7... é só ver no grego... está 'Sabbaton'.. que é o sábado a tardezinha, ou seja a Havdalá - entrega do Shabbat.

Abraço em Cristo

Eu não guardei dia especial por quase 10 anos, mas o Senhor abriu meus olhos. Achei que essa questão era periférica, mas não é.

A chave está em nosso distanciamento de Israel, da doutrina dos apóstolos. Eu decidi retornar, e o Senhor só tem confirmado estes passos.

Jorge Pureza disse...

Faço parte da Igreja Presbiteriana do Brasil, mas tenho certeza que caminhamos na contra mão do desejo e mandamento de Deus e pela própria convicção da IPB que crê que os Dez mandamentos fazem parte da Lei Moral e portanto são perpétuas, Eternas e Irrevogáveis, inclusive o Quarto mandamento sôbre a guarda do Sábado [ sétimo dia ] . Sobre a mudança para o domingo pessoas renomadas do meio declaram esta mudança de INFELIZ.Ainda há tempo de voltar a obedecer a Deus. Que Deus nos perdoe. jpureza

aline mac disse...

Na ToO
Vai lá e fala pros judeus que há milênios eles estão errados que o Messias já foi enviado há muito tempo

Waldecy A. Simões disse...

AS SETE VERDADES BÍBLICAS SOBRE O SÉTIMO DIA.

Parte 1 de 5

A maioria cristã faz uma tremenda confusão a respeito de sábados e domingos. Os cristãos, em minoria, julgam corretamente que o Criador, que nunca muda, jamais aceitaria que uma só de suas leis fundidas nas Rochas Sagradas pudesse ser “lixada” pelos homens, portanto, creem firmemente que o Sábado é o Dia do Senhor. Outra parte considerável crê que Jesus teria revogado todas as dez leis a favor da religião da graça e da liberdade. Uma terceira parte, bem maior, prefere crer que pela ressurreição de Jesus ele teria revogado o Quarto Mandamento a favor do domingo, permanecendo, então, como válidos, os demais mandamentos (nove).

ONDE ESTÁ, ENTÃO, DE FATO E DE DIREITO, A VERDADE BÍBLICA? Ora, vamos colocá-la aqui, resumidamente, mas de modo tão legítimo, tão cristalino e conclusivo que não dará chance alguma a qualquer refutação, sem se ingressar no farisaísmo religioso (o que é pior do que não ser cristão).

Vamos às Sete Verdades que não têm como ser desmentidas, pois Está Escrito:

1) O Mandamento do Sétimo Dia foi instituído na Criação do mundo (Gênesis 2:3), não para o próprio Criador, pois em sua perfeição jamais criaria um Mandamento para si próprio, não tem como e, como Espírito Perfeito jamais se cansa, então o Mandamento do sábado foi criado para o homem, pois ele, sim, necessita de um dia de descanso na semana. O próprio Jesus legitimou isso no Evangelho ao reger:

“O sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado; de sorte que o Filho do homem é, também, o Senhor do sábado”. Jesus Cristo, em Marcos 2:28. Se o Filho de Deus afirmou que o sábado foi criado para o homem, então o sábado foi criado para a Humanidade, assim como os castigos promulgados contra Adão e Eva foram, também, dirigidos à Humanidade.

Quanto a ser o Senhor do sábado, Jesus também afirmou que é maior que o Templo (Mateus 12:6, maior que Abraão (João 8:57), maior que Jonas (Lucas 11:32), maior que Salomão (Mateus 12:42) e mais importante que Jacó, sem desmerecer qualquer um deles, portanto, também não desmereceu o santo sábado, pois é o Senhor de Tudo, pois está Escrito que Deus lhe deu toda a autoridade sobre tudo o que existe:

“Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra”. Jesus, em Mateus 28:18,

2) A maioria evangélica, católicos e ortodoxos julgam, temerariamente, que a Ressurreição de Jesus teria anulado, teria riscado das Rochas de Deus o Mandamento do Sétimo Dia, dando lugar ao primeiro dia da semana, o tal domingo, mas isso é absolutamente impossível, pois não há uma só linha no Evangelho que autorize tal mudança, mesmo porque Está Escrito que Deus Nunca Muda em suas Promulgações à Humanidade:

“Seca-se a erva, e cai a flor, soprando nela o Espírito do Senhor. Na verdade o povo é erva. Seca-se a erva, e cai a flor, porém a palavra de nosso Deus subsiste eternamente”. Isaías 40:7. Continue a ler.

Waldecy A. Simões disse...

As sete verdades bíblicas sobre o sétimo dia. Parte 2 de 5

“Porque toda a carne é como a erva, e toda a glória do homem como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor, mas a palavra do Senhor permanece para sempre. E esta é a palavra que entre vós foi evangelizada”. I Pedro 1:24.

Então, segundo as Escrituras, o sábado é para sempre, e se teria havido mudança a respeito, essa foi criada pelo homem e nunca por Deus. Quanto a isso, num descuido, o clero católico confessa, por escrito, o seu gravíssimo erro ao atentar violentamente contra o Sétimo Dia.:

“A Igreja de Deus, porém, achou conveniente transferir para o domingo a solene celebração do sábado”. Catecismo católico, Edição2, Editora Vozes, Petrópolis, RJ. 1962.

1) Uma parte dos cristãos julga que Jesus acabou com as leis a favor da graça e da liberdade, mas Jesus fez tudo exatamente ao contrário, pois legitimou TODAS as leis do Decálogo em sua primeira pregação à Humanidade, no Sermão do Monte e ainda amentou o grau de observação em algumas das 10 leis (Mateus, 5:21 a 32.

“Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til jamais passará da lei sem que tudo seja cumprido”. Jesus, em Mateus 5:17 a 37. Está Escrito que tudo será cumprido na Consumação dos Séculos, no Grande Dia de Jesus, quando os Portais do Reino de Deus serão abertos aos mortais de Jesus, antes fechados desde Adão e Eva (João 14:1 a 3, como também em 1 Tessalonicenses 4:13 a 17).

Se Jesus Cristo afirmou que das leis de Deus Pai nem mesmo um simples til se poderá retirar, é absolutamente impossível atentar contra a lei do sábado, pois o Quarto Mandamento contém 80 palavras ou 433 caracteres. E assim, pelo menos até o Grande dia da Volta de Jesus, o sábado é para sempre!

2) A ampla maioria cristã alega que em sua vida pública Jesus teria violado os sábados ao trabalhar nesse dia, mas quem o acusou de violar os sábados foram os fariseus, os filhos do diabo, assim como Jesus Cristo os nomeou em João 8:44. A respeito dessa acusação dos filhos de Satanás, vamos ver que Jesus respondeu a eles que apenas APARENTAVA que ele desrespeitava os santos sábados:
“Se o homem recebe a circuncisão no sábado, para que a lei de Moisés não seja quebrantada, indignais-vos contra mim, porque no sábado curei de todo um homem? Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça”. Jesus, em João 7:23 a 24

“E, tomando a palavra o príncipe da sinagoga (filho do diabo acusador), indignado porque Jesus curava no sábado, disse à multidão: Seis dias há em que é mister trabalhar; nestes, pois, vinde para serdes curados, e não no dia de sábado. Respondeu-lhe, porém, o Senhor, e disse: Hipócrita, no sábado não desprende da manjedoura cada um de vós o seu boi, ou jumento, e não o leva a beber? E não convinha soltar desta prisão, no dia de sábado, esta filha de Abraão, a qual há dezoito anos Satanás tinha presa?”. Lucas 13:14-16, Jesus revela que o amor de caridade tem preponderância sobre qualquer lei (1 Coríntios 13:13)..

“E, estava ali um homem que tinha uma das mãos mirrada; e eles (os fariseus do diabo), para o acusarem, o interrogaram, dizendo: É lícito curar nos sábados? E ele lhes disse: Qual dentre vós será o homem que tendo uma ovelha, se num sábado ela
Continue a ler

Waldecy A. Simões disse...

As sete verdades bíblicas sobre o sétimo dia. Parte 3 de 5

cair numa cova, não lançará mão dela, e a levantará? Pois, quanto mais vale um homem do que uma ovelha? É, por consequência, lícito fazer bem nos sábados. Então disse àquele homem: Estende a tua mão. E ele a estendeu, e ficou sã como a outra. E os fariseus, tendo saído, formaram conselho contra ele, para o matarem”. Mateus 12:10-14.

“E os escribas e fariseus (filhos do diabo) observavam-no, se curaria no sábado, para acharem de que o acusar. Mas ele (Jesus) bem conhecia os seus pensamentos; e disse ao homem que tinha a mão mirrada: Levanta-te, e fica em pé no meio. E, levantando-se ele, ficou em pé. Então Jesus lhes disse: Uma coisa vos hei de perguntar: É lícito nos sábados fazer bem, ou fazer mal? salvar a vida, ou matar? E, olhando para todos em redor, disse ao homem: Estende a tua mão. E ele assim o fez, e a mão lhe foi restituída sã como a outra. E ficaram cheios de furor, e uns com os outros conferenciavam sobre o que fariam a Jesus”. Lucas 6:7-11.

“E dizia-lhes Jesus: Invalidais o Mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição”. Jesus, em Marcos 7:9

1) O sábado é o ÙNICO Mandamento chamado por Deus de Santo e Bendito e o Único estabelecido como UM SINAL entre ele e a Humanidade: “Santificai os meus sábados, pois servirão de sinal entre mim e vós, para que saibais que eu sou o SENHOR, vosso Deus”. Ezequiel 20:20.

Ora, se o sábado foi estabelecido por Deus como UM SINAL entre ele e a Humanidade, de modo algum jamais sairá dessa condição divina. Quanto aos que julgam que esse Sinal foi dado apenas aos israelitas, então, nesse caso, nós não podemos nos servir de nenhum livro do Velho Testamento, nem dos Salmos, etc. e nem mesmo de Malaquias, muito usado para legitimar os dízimos. É ou não é? Dois pesos e duas medidas não vale! Além disso, abaixo, no capítulo 7, Está Escrito que nós somos os legítimos herdeiros dos israelitas e que Jesus, de todos nós, fez UM SÓ POVO.

2) Dizem os sábios que um bom exemplo vale mais que mil palavras. É ou não é? É claro que é! então, vamos ver os vários exemplos de Jesus e de sua Igreja Primitiva santificando os sábados (que valem mais que milhões de palavras) até mesmo décadas após a Ressurreição? Essa parte ANULA completamente as pretensões dos que defendem erradamente o domingo “substituindo” o Sábado Santo, solene e Abençoado do Senhor:

“E, chegando a Nazaré, onde fora criado, (Jesus) entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler”. Lucas 4:16. Jesus, nos concedendo o exemplo, pois segundo o Mandamento e a Tradição israelita, guardou o sábado por toda a sua vida.

Antes da ressurreição de Jesus, os cristãos faziam do sábado um dia de louvor:

“O sábado ia começar. Ora, as mulheres que tinham ido da Galiléia com Jesus, indo, observaram o sepulcro onde fora colocado o corpo de Jesus. Voltando, prepararam aromas e bálsamos. No sábado, observaram o repouso, segundo a Lei”. Lucas 23:55 - 56. A Igreja de Jesus, nos concedendo o exemplo. Continue a ler

Waldecy A. Simões disse...

As sete verdades bíblicas sobre o sétimo dia. Parte 4 de 5

Então, Jesus ensinou a sua Igreja a ser também legalista! Vejamos a Igreja Cristã aos tempos de Paulo, décadas depois da ressurreição de Jesus os cristãos de Paulo fazendo do sábado um dia de culto e louvor:

“No dia de sábado, saímos fora da porta, junto ao rio, onde julgávamos haver um lugar de oração; e, assentando-nos, falamos às mulheres que para ali tinham concorrido”. Atos dos Apóstolos 16:13.
Esse preceito revela, com toda clareza, de modo irrefutável, um culto de louvor aos sábados pelos cristãos. As mulheres cristãs sempre trabalhavam, só não aos sábados. Então, segundo o preceito acima, estavam em dia de descanso, santificando os sábados assim como os homens! Mas fariseus de quase todas as denominações, também católicos e ortodoxos alegam que a Igreja de Jesus santificava o tal domingo. É possível uma tolice dessas, depois dessas revelações?

“No sábado seguinte, concorreu quase toda a cidade para ouvir a palavra de Deus, mas os judeus, vendo aquela concorrência, encheram-se de inveja...”. Atos 13:41 - 44.
Se os judeus encheram-se de inveja não se tratava de uma reunião judia aos sábados, mas sim um culto cristão que reuniu quase toda a cidade para louvar no sábado. Isso não poder ser negado!

“E todo o sábado, ensinava na sinagoga, persuadindo tanto judeus como gregos”. Atos 18:4.
Os defensores do domingo, inventado, argumentam, falsamente, que Paulo comparecia às sinagogas dos judeus aos sábados, porque era nesse dia que podia encontrá-los, mas não é o caso aqui, pois, pela sua tradição, os judeus jamais aceitariam que gentios pagãos - no caso presente os gregos - participassem de cerimônias em seus templos, em simples reuniões e nem mesmo jamais aceitariam permanecer com eles ou com outros pagãos no mesmo ambiente. Sabemos que o santo em vida Paulo não ensinava somente aos judeus, mas principalmente aos demais pagãos. Quanto a isso, se os primeiros cristãos guardavam o sábado mesmo após a ressurreição de Jesus, só isso prova a Grande Mentira do tal domingo, um feito gigantesco de Satanás, segundo o Apocalipse 13:7.

Em Atos dos Apóstolos, conforme a tradição dos apóstolos de santificarem os sábados, um preceito é usado como referência ao Quarto dos Mandamentos:

“Então voltaram para Jerusalém, do monte chamado Olival, que dista daquela cidade tanto como a uma jornada de sábado...”. Atos 1:12. Ora, ao se referirem a uma jornada de sábado como exemplo pelos apóstolos de Jesus, é certo que se tratava de um preceito em uso.

“Orai para que vossa fuga não se dê no inverno, nem no sábado”.
Jesus Cristo, em Mateus 24:20, ressalta, novamente, a grande importância do sábado (nem no inverno que é muito frio, o que dificultaria a fuga dos inimigos romanos (na terrível carnificina, no massacre contra os judeus nos anos 70, no episódio Masada), nem nos sábados porque é o Dia Santo de Deus, consagrado para descanso e louvor.

1) Os cristãos, em parte, alegam, altamente equivocados, que o Decálogo do Monte Sinai, no qual o sábado está intrínseco, teria sido dado apenas aos israelitas, e não a nós do Evangelho, por isso, alegam que “nós não temos obrigação de guardar”. Mas vejamos que a Verdade do Evangelho de Deus que nos faz herdeiros dos israelitas: Continue a ler na parte final

Alexandre dias Mescoloto disse...

Recado curto sobre os sábados
O sábado será sempre o Dia do Senhor, primeiramente porque foi instituído na Criação, foi abençoado e santificado por Deus (quando ele abençoa é para sempre), Em Ezequiel 20:20 foi instituído como um Sinal entre ele e a humanidade (quanto a isso Está escrito que Deus não faz distinção de pessoas ou de raças (Atos 3:24 e 25) ; Está Escrito em I Carta de Pedro 1:24 que DEUS NÃO MUDA e que sua Palavra permanece eternamente. Como ele escreveu, pessoalmente, a Lei do Sétimo Dia nas Rochas Sagradas é para sempre; Jesus promulgou que O SÁBADO FOI CRIADO PARA O HOMEM (Marcos 2:28); Jesus bradou que podem passar os Céus e a Terra antes que das leis se consiga retirar um só caractere, e a leis do sábado tem 433 caracteres (Mateus 5:15 a 37) Sobretudo, Jesus santificou os sábados, sua Igreja, seus apóstolos e a Igreja de Paulo santificaram todos os sábados e jamais um só domingo (Lucas 4:16; Lucas 23:55; Atos 16:13; Atos 13:31 a 44) Outro dia, ouvi o pastor Malafaia afirmar que os evangélicos não guaram o sábado porque nove dos mandamentos estão repetidos no Evangelho, mas o do sábado não; Pura Utopia e desconhecimento bíblico, pois o sábado está repetido por 10 vezes: Marcos 2:28; Lucas 4:16; Lucas 23:55; Atos 16:13; Atos 13:41; Atos 18:4; Atos 1:12; Atos 24:20; Hebreus 4:4; Mateus 5:17 e seguintes.
Quando os fariseus acusaram Jesus de violar os sábados, ele simplesmente respondeu que apenas APARENTAVA isso (João 7:24)
Estudando-se o Novo Testamento com critério e atenção, concluímos que a palavra de Deus não atribui nenhum significado litúrgico ao dia da ressurreição, simplesmente porque esse acontecimento tem de ser visto apenas como uma realidade existencial experimentada pelo poder do Cristo vitorioso também sobre sua própria morte. De modo algum a ressurreição de Jesus pode ser vista como uma prática cristã associada ao culto aos domingos. Cristo, que havia ressuscitado a outros, não poderia ser vencido pela morte, o que anula totalmente a pretendida importância do tal domingo. Mas a Monumental Vitória de Jesus Cristo deu-se com a sua sofrida Morte na cruz! e não há uma só linha no Evangelho que aponte qualquer indício da troca maluca do sábado pelo domingo. Coisa do papado romano para que se cumprisse a profecia no Apocalipse 13:7: Satanás venceu os santos.
Então, apesar dos pastores famosos e não famosos, O SÁBADO É PARA SEMPRE, PERPETUAMENTE.
No site www.segundoasescrituras.com, há um arquivo completo sobre sábados e domingos, de nome As Sete Verdades bíblicas sobre o Sétimo Dia, na página 2, arquivo 137.
Waldecy Antonio Simões e Alexandre walasi@uol.com.br

Stewieland 1 disse...

Eu não guardo o sabado , nao encontrei esta ordem para IGREJA no novo testamento . MAS EVANGÉLICO , que tenta guardar o " domingo " como um subistituto para o SABADO esta PERTURBADO. A guarda do DOMINGO é um preceito CATOLICO , instituído por eles no concilio de niceia e faz parte do CATECISMO e MANDAMENTOS católicos veja o video :
https://m.youtube.com/watch?v=0laTDBDmRUM,

Flávio Renato disse...

Onde na BÍBLIA autoriza a mudança do dia de guarda?

Waldecy Antonio Simões disse...

Atos 20.7 ou 1 Coríntios 16.2 não têm força alguma para "lixar" do Decálogo o Quarto Mandamento. Vejamos:
PARTE DUAS
Mostrarei que Paulo era um assíduo observador no sábado no Evangelho. Confira.
Vamos ao segundo verso colocado pelo irmão:
Verso 2: “No primeiro dia da semana cada um de vós ponha de parte o que puder ajuntar, em casa, conforme a sua prosperidade, para que não se façam as coletas quando eu chegar”. 1 Coríntios 16:2
(devo lembrar que a fase “em casa”, tais como acontecem com diferenças de outros versos segundo as traduções, não é citada pela tradução Almeida, mas o é em outras)
No verso acima, Paulo avisa aos cristãos para que recolham donativos para a Igreja e para a caridade, e cita EM CASA. (Recolham em suas casas donativos para que eu os pegue quando eu voltar). Ora, não cabe na mente do justo que um verso desses possa ter minimamente força para corromper O DECÁLOGO DO MONTE SINAI, DA ARCA DA ALIANÇA, do sábado, mesmo porque PAULO ERA ASSÍDUO OBSERVADOR DO SÁBADO NO EVANGELHO. Veremos a VERDADE DE DEUS sobre a Igreja de Paulo, décadas após a Ressurreição de Jesus. Como não caberiam no templo QUASE TODA A CIDADE, Paulo realizava o louvor a Deus AO AR LIVRE:
“No sábado seguinte, concorreu quase toda a cidade para ouvir a palavra de Deus, mas os judeus, vendo aquela concorrência, encheram-se de inveja...”. Atos 13:41 - 44.
Se os judeus encheram-se de inveja não se tratava de uma reunião judia aos sábados, mas sim um culto cristão que reuniu quase toda a cidade para louvar aos sábados e, como quase toda a cidade nunca caberia num templo, as reuniões para louvar o Senhor eram realizadas ao ar livre, e isso não poder ser negado, sem se ingressar no farisaísmo.
“No dia de sábado, saímos fora da porta, junto ao rio, onde julgávamos haver um lugar de oração; e, assentando-nos, falamos às mulheres que para ali tinham concorrido”. Atos dos Apóstolos 16:13.

Esse preceito acima revela, com toda clareza, de modo irrefutável, um culto de louvor aos sábados pelos cristãos. As mulheres cristãs sempre trabalhavam, só não aos sábados. Então, segundo o preceito acima, estavam em dia de descanso, santificando os sábados assim como os homens!
Segundo a História e as Raízes da Igreja, no século IV, os bispos de Roma, por ódio aos judeus, não se conformavam em guardar o mesmo dia que eles, o sábado e, assim, no ano 364 de nossa era, o bispo de Roma Libório convocou um concílio, o Concílio de Laodicéia, no qual foi PROIBIDO COMPLETAMENTE A GUARDA DO SÁBADO que vinha sendo guardado pelos cristãos. E foi decretado como o novo dia de descanso o DOMINGO. Para acabara com a prática milenar do sábado, Libório decretou severos castigos e até a EXCOMUNHÃO a qualquer cristão que ousasse desobedecer, mas permaneceram os remanescentes, que até hoje guardam e santificam os sábados santos e benditos de Deus Pai. São 398 congregações pelo mundo que obedecem ao mandamento do sábado.
O Concílio de Laodicéia foi altamente revelador
http://oconciliodelaodiceiafoirevelador.blogspot.com.br/ copie o http e cole no navegador

As sete verdades bíblicas sobre o Sétimo Dia
http://asseteverdadessobreosabado.blogspot.com.br/ Waldecy Antonio Simões walasi@uol.com.br


Waldecy Antonio Simões disse...

PARTE UMA de duas
Mostrarei que Paulo era um assíduo observador no sábado no Evangelho. Confira.
O irmão colocou:
Verso 1: “No primeiro dia da semana, estando nós reunidos com o fim de partir o pão, Paulo, que devia seguir viagem no dia imediato, exortava-os e prolongou o discurso até à meia-noite” (Atos 20:7).
Verso 2: “No primeiro dia da semana cada um de vós ponha de parte o que puder ajuntar, em casa, conforme a sua prosperidade, para que não se façam as coletas quando eu chegar”. 1 Coríntios 16:2
Irmão, como você pode julgar que esses dois versos, onde ambos têm dupla interpretação, como veremos, pode anular a altíssima grandiosidade do majestoso evento Monte Sinai? Não sabe você que Deus Pai ficou por pelo menos 80 dias no Monte Sinai, até que Moisés jejuasse duas vezes por 40 dias, onde nesse tempo todo o Monte tremia todo, e todo envolto em fogo, com um batalhão de anjos tocando trombetas cada vez mais alto, justamente para chamar a atenção da Humanidade para a PROMULGAÇÃO DE SUAS LEIS de um Deus que afirmou que NUNCA MUDA, pelo menos em suas promulgações, portanto, as 10 leis cravadas nas Rochas Sagradas das Leis são para sempre, e agora vem o irmão tentando DESFAZER, CORROMPER um dos mandamentos da Lei de Deus, guardados agora na Arca da Aliança, esta que vai ser exibida imponentemente A TODAS AS NAÇÕES no Grande Dia de Jesus? Apocalipse 11:19. Com seria possível o Senhor Deus exibir a Arca da Aliança com tanta pompa, se o Decálogo estivesse corrompido, FALTANDO JUSTAMENTE O SEU MAIS AMADO MANDAMENTO, o do Sétimo Dia, o único nomeado por ele de Santo e Bendito e instituído como UM SINAL entre ele e a Humanidade (Ezequiel 20:20)? Por que Humanidade? Porque Está Escrito, uma vez em Deuteronômio e 13 vezes no Evangelho que Deus não faz diferença de pessoas, pois todos são iguais perante ele, e ainda para reforçar, Deus fez Escrever em Efésios 2:14 que A PAREDE QUE NOS SEPARAVA DE ISRAEL FOI DERRUBADA a favor de um só povo e em Atos 3:24-25 Está Escrito que somos os herdeiros dos israelitas e os herdeiros herdam as bênçãos e as obrigações.
Vós, sim, que antes não éreis povo, agora são povo de Deus”. 1 Pedro 2:10
“Todo o Monte Sinai fumegava, pois o Senhor havia descido sobre ele em fogo. A fumaça subia como fumaça de uma fornalha, e todo o Monte tremia muito. Enquanto o som das trombetas aumentava cada vez mais, Moisés falava ao Senhor e ele respondia por meio de um trovão”. Êxodo 19:18 – 19.
A alta grandiosidade do incrível evento Monte Sinai
http://oincriveleventomontesinai.blogspot.com.br copie o http e cole no navegador

No entanto, vamos examinar os dois versos, que incrivelmente o irmão julga que ambos têm alguma força contra UM DEUS QUE NUNCA MUDA EM SUAS PROMULGAÇÕES (Malaquias 3:6) assim como jamais mudou em relação às promulgações para Adão e Eva, cujos castigos respingam até hoje em nós outros, e nem mesmo com a Vinda de Jesus, o mesmo Jesus que se emocionava, que chorava vendo a miséria humana, nem mesmo assim conseguiu amainar as dores do parto, por que sabia que DEUS NÃO MUDA EM SUAS PROMULGAÇÕES á Humanidade, pois o casal representava a Humanidade. Vamos aos versos:
Verso 1: “No primeiro dia da semana, estando nós reunidos com o fim de partir o pão, Paulo, que devia seguir viagem no dia imediato, exortava-os e prolongou o discurso até à meia-noite” (Atos 20:7).
Partir o pão na época não se tratava da representação da última Ceia, pois os apóstolos partiam o pão, ou seja, socorriam os necessitados todos os dias do mês, e até da CASA EM CASA (Atos 2:46): E jamais esse verso de dupla interpretação pode ser usado para revelar uma reunião para representação da Última Ceia, POIS SE FALA DE PÃO NÃO SE REFERE A VINHO, como revela a reunião para partir o pão E O VINHO cita em 1 Coríntios 11:20 e seguintes citado acima. PORTANTO ESSE VERSO NÃO TEM FORÇA ALGUMA PARA CORROMPER AS ROCHAS DA ARCA DA ALIANÇA, não tem valor para retirar um só til dos 405 caracteres do sábado santo e abençoado por Deus.