rss
email
twitter
facebook

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Porque eu Deixei a Maçonaria

Comentário introdutório do tradutor
Este estudo tem por finalidade compartilhar o testemunho de um renomado teólogo cristão que, a despeito de suas opiniões particulares divulgadas nesse texto, dá testemunho de algo que experimentou quanto à incompatibilidade - por ele alegada - existente entre cristianismo e maçonaria. Não há interesse nele em comentar a respeito de ritos e simbologia, fazendo-se observações de tradução ao final tão-somente como complementação didática.
Há que se enfatizar, na presente divulgação, o total respeito aos membros dessa ordem iniciática, embora não se expresse aqui concordância alguma com sua postura filosófica e doutrinária, pelo que figura em nossa seção "Apologética", cabendo ao leitor as verificações e conclusões que se lhes fizerem necessárias acerca dos tópicos nele abordados.
Charles G. Finney (1792-1875) foi pastor, considerado o pai do Reavivamento moderno, sendo creditada às suas preleções a conversão de mais de 500 mil almas ao Evangelho. Advogado, conheceu a vida cristã ao estudar direito, vindo a Jesus em 1821 (ainda como Mestre-maçom) e autorizado a pregar a Palavra de Deus em 1823, promovendo uma verdadeira cruzada evangelística entre 1824-1832 pelo Oeste estadunidense. Serviu ao Senhor por 40 anos, e foi autor de 17 livros.
Quando fui convertido a Cristo, eu pertencia à Loja Maçônica em Adams, Nova Iorque, havia cerca de quatro anos. Durante as lutas da convicção do pecado pelas quais passei, eu não me lembro se a questão sobre a Maçonaria já havia ocorrido em minha mente.
Novas Visões das Práticas da Loja
Logo depois da minha conversão, entretanto, fui certa noite a uma sessão(1) em minha Loja. Eles, obviamente, estavam cientes de que eu me havia tornado um cristão, e os Mestres me convidaram para abrir os trabalhos da Loja com uma oração. Eu fiz isso, e derramei o meu coração diante do Senhor, pedindo bênçãos sobre a Loja. Observei que isso criou considerável alvoroço. A noite passou, e no fechamento dos trabalhos da Loja me pediram para rezar novamente. Assim procedi, e me retirei muito deprimido em espírito. Logo descobri que eu era completamente convertido da Maçonaria para Cristo, e que eu não tinha mais simpatia com qualquer das deliberações da Loja. Seus juramentos pareciam-me monstruosos, profanos e bárbaros.
Naquela época eu não sabia o quanto tinha sido sujeito a muitas das pretensões da Maçonaria. Após reflexão e análise, entretanto, sob uma luta severa e fervorosa em oração, achei que não poderia permanecer com eles de modo consistente. Minha nova vida estava instintiva e irresistivelmente resguardada de qualquer simpatia com aquilo que eu já considerava como as "improdutivas obras das trevas".
Afastando-me da Membresia com Tranquilidade
Sem consultar ninguém, eu finalmente fui à Loja e pedi meu desligamento(2). Minha mentalidade havia sido formada. Retirar-me deles é um dever - esperava, se possível, com seu consentimento; sem esse consentimento, se eu precisasse. Sobre isso não me manifestei, mas de alguma maneira tornou-se conhecido que eu havia me desligado.
Assim, eles planejaram um ágape e enviaram-me um convite, pedindo para que eu fizesse um discurso nessa ocasião. Calmamente eu me recusei a fazê-lo, informando à comissão que eu não poderia, de maneira tranquila e em qualquer hipótese, fazer algo que pudesse mostrar a minha aprovação àquela instituição, ou simpatia para com ela; no entanto, durante certo período de tempo e nos anos seguintes eu permaneci em silêncio, e não disse nada contra a Maçonaria, embora eu já tivesse opinião formada sobre a questão que diz respeito aos meus juramentos maçônicos, considerando-os como absolutamente nulos e sem efeito. A partir desse momento, entretanto, nunca mais me permiti ser reconhecido como maçom, por onde quer que eu andasse.
Iniciando um Testemunho Público
Passaram-se poucos anos antes da publicação das revelações sobre a Maçonaria, pelo capitão William Morgan(3). Quando esse livro foi publicado, eu lhe perguntei se ele era uma autêntica revelação sobre a Maçonaria. Argumentei que ele ia muito além do que eu sabia sobre a Maçonaria e que, até onde eu podia lembrar, consistia numa fiel revelação dos três primeiros graus, tal qual eu mesmo os havia obtido. Eu reconheci com sinceridade que o que havia sido publicado fora uma autêntico relato sobre a instituição, bem como uma autêntica exposição de seus juramentos, princípios e procedimentos. Após eu ter considerado essa revelação mais profundamente, eu fui convencido de modo mais perfeito de que eu não tinha o direito de aderir àquela instituição, nem ao menos na aparência, e que eu estava vinculado, sempre que viesse a ocasião, a manifestar livremente minha opinião em relação a ela, e de renunciar aos terríveis juramentos que eu havia feito.
Juramentos Maçônicos Tomados Através da Fraude
Descobri que, ao efetuar esses juramentos, eu havia sido enganado de modo grosseiro, uma vez sendo por eles sujeito. Eu tinha sido levado a supor que havia alguns segredos muito importantes a me serem comunicados; nisso, todavia, encontrei-me totalmente decepcionado. Na verdade cheguei deliberadamente à conclusão de que meu juramento tinha sido tomado pela fraude e pelo engano; que a instituição não era aquilo de que eu fui informado a seu respeito e, como já tinha os meios de examiná-la mais exaustivamente, tornou-se-me cada vez mais evidente, de modo irresistível, que a Maçonaria é altamente perigosa para o Estado, e de todas as formas prejudicial para a Igreja de Cristo.
Características de um Anticristão
Ao julgar por evidências inquestionáveis, como podemos deixar de considerar a Maçonaria como uma instituição anticristã? Podemos ver que a sua moralidade é anticristã; seus segredos vinculados a juramentos são anticristãos; sua ministração e tomada de juramentos são anticristãos, além de uma violação do comando positivo de Cristo; os juramentos maçônicos fazem com que seus membros se comprometam com algumas das atitudes mais ilegais e anticristãs possíveis:
  • Ocultar os crimes, uns dos outros;
  • Oferecerem-se mutuamente para auxílio nas dificuldades, sejam elas corretas ou incorretas;
  • Favorecer indevidamente a Maçonaria em ações políticas e nas questões comerciais;
  • Seus membros juram retaliar e perseguir os violadores dos deveres maçônicos, até a morte;
  • A Maçonaria não conhece misericórdia, e faz seus candidatos jurarem que suportarão vingança a violação dos deveres maçônicos, até a morte;
  • Seus juramentos são profanos, tomando o nome de Deus em vão;
  • As sanções dos seus juramentos são bárbaras, até mesmo selvagens;
  • Seus ensinamentos são falsos e profanos;
  • Seus propósitos são parciais e egoístas;
  • Suas cerimônias são uma mistura de infantilidade e irreverência;
  • Sua religião é falsa;
  • Eles professam a salvar os homens, sob outras condições diferentes daquelas reveladas no Evangelho de Cristo;
  • Ela é, em seu todo, uma enorme mentira;
  • É uma vigarice a obtenção de dinheiro de seus membros sob falsos pretextos;
  • Ela se recusa a todas as indagações, protegendo-se sob a capa do segredo vinculado a um juramento;
  • Trata-se de uma virtual conspiração contra ambos Igreja e Estado.
Algumas Conclusões Diretas
Ninguém, todavia, jamais se comprometeu a defender a Maçonaria dos argumentos ora expostos. Os próprios maçons não fingem que a sua instituição, tal como revelado em livros confiáveis, e por algumas das suas próprias testemunhas, seja compatível com o Cristianismo. Por isso, segue-se que:
Em primeiro lugar, a Igreja Cristã não deveria ter comunhão com a Maçonaria, e aqueles que aderem de modo consciente e determinado a essa instituição não têm o direito de estar na Igreja Cristã. Nós pronunciamos esta sentença de modo triste, mas solene.
Em segundo lugar, deve-se perguntar: "que deve ser feito com o grande número de cristãos professos que são maçons"? Eu respondo: não há mais nada a fazer com eles. Que fique claramente atado a suas consciências de que todos os maçons, acima dos dois primeiros graus(4), têm de jurar solenemente ocultar os crimes, homicídios e traição uns dos outros, exceto estes últimos de si próprio, e que todos acima do sexto grau têm conjurado abraçar a causa um do outro, e de livrá-los de qualquer dificuldade, esteja ela correta ou incorreta.
Em terceiro lugar, se forem relevados aqueles graus em que se deva jurar a perseguir até à morte aqueles que violarem seus deveres maçônicos, questionemo-nos se eles realmente têm a intenção de agir assim. Deixem-nos ser questionados de modo especial se tencionam ajudar e amparar a ministração e a tomada de tais juramentos, se ainda pretendem suportar os ensinamentos falsos e hipócritas da Maçonaria, ou se eles pretendem suportar a profanação das suas cerimônias, bem como a parcialidade das suas práticas juramentadas. Se assim o for, certamente não deveria ser permitido o seu lugar na Igreja Cristã.
Em quarto lugar, pode um homem que alcançou, e ainda aderiu ao juramento do grau de Mestre Maçom(5), ocultar qualquer crime que o irmão de Grau cometeu em segredo, exceto homicídio e traição, ser um homem justo a quem se confie um cargo público, qualquer que ele seja? Ele pode ser confiável como uma testemunha, como um jurado, ou com qualquer serviço relacionado à administração da justiça?
Em quinto lugar, pode um homem que alcançou, e ainda aderiu ao juramento do Real Arco Maçônico(6), ser confiável para ocupar cargos públicos? Ele jura abraçar a causa de um companheiro desse Grau, quando este se envolve em qualquer situação de dificuldade, e tão logo de livrá-lo, esteja ele certo ou errado. Ele jura ocultar seus crimes, INCLUSIVE OS DE HOMICÍDIO E TRAIÇÃO. Tal homem, amarrado por esse juramento, pode ser empossado num cargo? Ele deveria ser aceito como testemunha ou jurado quando outro maçom é parte, no caso? Ele deveria ser empossado no cargo de juiz, ou juiz de paz, como um delegado, ou policial, oficial de justiça ou em qualquer outro cargo?
Qual é a tua resposta?
Eu apelo à tua consciência, aos olhos de Deus, para uma resposta honesta a estas três perguntas:
  • Existe algum homem que, sob um juramento solene de matar a todos os que violem qualquer parte dos juramentos maçônicos, se encaixe no perfil de autoridade sobre pessoas?
  • Maçons dessa estirpe deveriam fazer parte da irmandade na Igreja Cristã?
  • Você acredita que os pecados dos juramentos maçônicos serão perdoados apenas para aqueles que se arrependem, e não o fazem quanto àqueles pecados aos quais nós ainda aderimos, e cuja adesão nos torna também cúmplices dos pecados de outros homens?
"o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado";
"E qualquer que nele tem esta esperança purifica-se a si mesmo, como também ele é puro" (I João 1:7b; 3:3).


Reimpressão das "Memórias" do pres. Finney, originalmente publicadas pelo Colégio Oberlin. Transcrito de um tratado publicado pela Associação Nacional Cristã - editores que, desde 1868, publicam literatura que expõe as sociedades secretas.
NOTAS
(1) Sessão é o nome dado aos trabalhos da Loja Maçônica. Segundo o sítio da Augusta e Respeitável Loja Simbólica "Fraternidade Paulista" (http://www.fraternidadepaulista.com.br/), "SEÇÃO (sic) é a realização de reuniões maçônicas, também denominadas de trabalhos. Podem ser: ordinárias, extraordinárias, administrativas, iniciarias, magnas, de instalação, de instrução, de famílias, acadêmicas, fúnebres, brancas, etc." No caso, Finney se refere à "sessão de trabalho", ocasião em que a "Loja está coberta" (isto é, todos os presentes são reconhecidos como maçons) e em cuja reunião só se admitem iniciados na ordem maçônica (N. do T.).
(2) Esse pedido de desligamento definitivo depende de uma permissão dada ao maçom, após o cumprimento de seus deveres junto à Loja e à Ordem Maçônica, recebendo o nome de "quitte placet" (N. do T.).
(3) William Morgan, segundo o sítio "Masonic Info" (http://www.masonicinfo.com/morgan.htm), publicou, associado a um editor de jornal, um livro em retaliação por não ter sido admitido na constituição do Real Arco em LeRoy (Nova Iorque), em 1825, no qual revelava, maliciosamente, segredos maçônicos. Em resposta, o editor sofreu um atentado (incêndio), do qual escapou vivo, e Morgan foi preso diversas vezes por várias acusações criminosas (umas reais, outras aparentemente forjadas), possivelmente instigadas por maçons da comunidade. Há quem diga que ele foi assassinado por maçons, após ter sua fiança paga: desde esse dia, ele não mais foi encontrado (N. do T.).
(4) Isto é, os de Aprendiz-Maçom e o de Companheiro-Maçom, dentro do Rito Escocês Antigo e Aceito. Junto com o Grau de Mestre-Maçom, eles compõem a denominada "Loja Azul" ou os "Graus Simbólicos" (N. do T.).
(5) Mestre Maçom é o terceiro grau do Rito Escocês Antigo e Aceito, o mais adotado dos ritos maçônicos no Brasil. A ele pertencia Finney, quando houve seu desligamento da filiação maçônica (N. do T.).
(6) Real Arco é a denominação dada ao conjunto de quatro graus do Rito de York, que, segundo o sítio www.realarco.org.br, traz aos maçons de todos os ritos "uma nova compreensão do simbolismo", destinados a enfatizar certas lições de aprendizado da Maçonaria, como a harmonia e a reverência. Também é nome dado ao 13º Grau do Rito Escocês Antigo e Aceito, cujo integrante é o "Mestre do Arco Real de Salomão". Segundo Esequias Soares e Natanael Rinaldi (2001), "no grau do Real Arco do Rito de York, o maçom reconhece que o verdadeiro nome de Deus é Jabulon, que até os três primeiros graus de chamou G.A.D.U. Nesse mesmo Real Arco Rito de York, a maçonaria une Yahweh com divindade pagãs como Baal, On e Osíris"(fonte: http://www.jesussite.com.br/acervo.asp?Id=101) (N. do T.).
Traduzido por Cleber Olympio, conforme original publicado em http://www.isaiah54.org/finney.htm


Por Charles G. Finney

8 comentários:

Aline Dias de Oliveira Sousa disse...

Bom confesso q nem me interessei em terminar de ler essa materia,assim q li q maçonaria é uma "religião falsa".Ora maçonaria jamais foi ou será considerada religião!!!Ridículo!!!

Anônimo disse...

"Uma verdade não muda só porque eu tenho o pensamento contrário"

"Só enxergo o que quero enxergar"

- Querida Aline, se eu fosse você eu terminaria de ler a materia, se não vou achar que a irmã está com medo. Preferes acreditar em pessoas que acham que pode-se obter a salvação sem o Sangue Remidor de Cristo Jesus ou na Palavra de Deus, que diz que Cristo é o UNICO CAMINHO para a Salvação?

Christofer Cruz disse...

O texto é bom..
só não me familiarizo com Finney, não tenho uma boa impressão dele sobre o que já li sobre ele.
Todavia, o que estou pensando é: será que a maçonaria ainda é assim? Já somam 200 anos deste texto, será que muita coisa não mudou?

Eu sou presbiteriano, sim! E não vejo a maçonaria como um mal ou algo do tipo.. concordo que nada pode ser feito em secreto, mas tirando isso... e se formos pensar de tal forma, devemos dizer que os assembleianos são seita. Ora, eles não têm cultos de doutrina RESERVADOS SOMENTE a eles?

Aqui em Jataí, cidade onde moro, a maçonaria foi meio que "cristianizada". Há reuniões secretas sim, é uma das marcas da maçonaria, mas também há o que chamam de "reuniões brancas", que são cerimônias abertas ao público. Aliás, a Bíblia é lida nas cerimônias e fica constantemente exposta no salão de reuniões.

Em nossa igreja, já tivemos reverendos maçons, presbíteros maçons, diáconos maçons e tantos outros..

Concluindo, não vejo a maçonaria com um mal ou "força das trevas".

Anônimo disse...

"NÃO REVELO MEU NOME POR QUESTÃO DE SEGURANÇA A MIM E A MINHA FAMILIA"

Paz e Graça queridos irmãos, não sei se há alguém da IPB na nos comentários, más se há; é dever seu acatar a decisão da IPB ou então abandoná-la,tenho a mais profunda certeza que não foi em vão que o SC tomou tal decisão sobre a causa. Queridos irmãos, o nosso maior problema é o "achismo" isso é o câncer que está impregnado dentro de nossas igrejas hoje em dia.
A melhor forma de julgar a maçonaria é estudando a mesma e a Palavra de Deus; o que a maçonaria fala sobre Jesus Cristo? Quem é Cristo para a mesma? A Salvação é obtida atraves de que?
Interessante; a maçonaria não é religiãoo más a mesma faz toda a questão de ter um deus de ter a Bíblia (paises cristãos) o Alcorão (muçulmanos), Torhá (judeus)em seus altares, bem interessante também é que a mesma faz orações...

A princípio negam que a maçonaria seja uma religião. Mas na Enciclopédia Revisada da Franco-Maçonaria, de Albert G. Mackey diz: "A Maçonaria pode ser corretamente chamada de instituição religiosa...

A tendência de toda verdadeira Maçonaria é com a religião... Veja os antigos Landmarks (doutrinas), suas sublimes cerimônias, seus profundos símbolos ou alegorias, tudo focalizando verdadeiros ensinos religiosos e quem pode negar que a Maçonaria é uma instituição eminentemente religiosa?"

Quando são feitas as reuniões maçônicas, a loja, que é onde se reúnem, passa a ser chamada oficina. Isso para manter o simbolismo do ideal maçom, que é a construção de uma sociedade onde haja fraternidade, igualdade e liberdade. Como maçons (pedreiros, lavradores de pedras) acreditam que serão os arquitetos e construtores desse grande projeto. Nas oficinas as reuniões são marcadas por: orações na abertura e no encerramento; as lojas ou templos são consagrados; segundo o Dicionário citado acima, "na Maçonaria, o tratamento entre os seus adeptos é o de "irmão".

Segundo o Dicionário da Maçonaria, os maçons procuram identificar seu deus pelo nome de G.A.D.U., "nome pelo qual na maçonaria se designa Allah, Logos, Osíris, Brahma, etc., dos diferentes povos, já que ali se considera o Universo como uma Loja ou Oficina em sua máxima perfeição".

Neste caso a maçonaria se contradiz, pois diz aceitar os deuses das religiões e não interferir nas crenças diversas, mas depois muda o deus de cada religião numa forma única: G.A.D.U.
A Bíblia diz que não há outro Deus, senão o Senhor: "... eu sou Deus, e não há outro Deus, não há outro semelhante a mim" (Is 46.9); o nome de Jesus é superior a todo e qualquer nome (Fp 2.5-11); a salvação está nesse nome (Rm 10.9).

Rogo ao Grande Deus, o Clemente, O Misericordioso, o Grande Yhavé em o Nome do Senhor Jesus, o Deus dos Profetas, dos Apóstolos e dos Reformadores abra-nos a mente para ver-mos a Verdade.


Paz e Graça.

Luciano Sena disse...

Que bom blogs presbiterianos começarem a bater nessa tecla... infelizmente coenheci um caso que o presbítero é maçon e não se move uma plha para mudanças... (Dízimo!!!)...

http://mcapologetico.blogspot.com.br/2013/01/presbiterianos-macons-orgulho-e-riqueza.html

Nilson dos Santos disse...

Prezados, ao estudar a história da igreja veremos que há características bem similares da maçonaria com o gnosticismo do início da era cristã.

Não sou nenhum perseguidor da maçonaria, mas sei que aquele que confessa Cristo como suficiente salvador não tem necessidade de se envolver com a mesma.

Anônimo disse...

Quando um camarada se julga santo e começa a julgar os outros, ai a coisa complica.

Muitas igrejas não crescem por culpa dos "santos", não a pessoa consagrada a Deus, mas aquele que pensa que é alguma coisa a mais que o irmão.

Faça a sua obrigação e pregue o evangelho de Jesus, o resto não é problema seu e sim do Espirito Santo de Deus.

Esse tipo de preocupação é mais nociva ao reino de Deus do que voces possam imaginar.

Anônimo disse...

interessante:
William Morgan, segundo o sítio "Masonic Info" (http://www.masonicinfo.com/morgan.htm), publicou, associado a um editor de jornal, um livro em retaliação por não ter sido admitido na constituição do Real Arco em LeRoy (Nova Iorque), em 1825, no qual revelava, maliciosamente, segredos maçônicos.
pode-se confiar no relato de alguem que o escreveu algo em retaliaçao?