rss
email
twitter
facebook

sábado, 20 de agosto de 2011

A Autenticidade de 1 João 5:7

Todos os bons e ortodoxos estudantes de heresiologia, em confronto com os testemunhas-de-jeová, sempre ao citarem o texto coroa da Trindade(1 João 5:7) se deparam com aquele velho argumento de que tal texto não se encontra nos manuscritos originais, tendo os TsJ alicerçado essa medíocre e falaciosa afirmação na espúria versão 'Almeida Revista e Atualizada', aludindo aos textos em colchetes em sua 'Explicação de Formas Gráficas Especiais, Títulos, Referências e Notas'(1993):

"Finalmente, algumas passagens do Novo Testamento aparecem entre colchetes. Essas passagens não se encontram no texto grego adotado pela Comissão Revisora, mas haviam sido incluídas por Almeida no texto grego disponível na época"(viii).

Ou seja, 1 Jo 5:7(e outros textos) não se encontram no texto grego adotado pelos criadores da ARA(que é o Texto Crítico), mas estavam sem colchetes na versão original de Almeida, que usou o Textus Receptus!

Em outras palavras, para os criadores da versão 'Atualizada'(que basearam sua tradução no Texto Crítico: manuscritos sinaítico e vaticano), esses textos não se encontram no texto grego adotado por eles; mas estavam sem colchetes no texto original de Almeida, uma vez que Almeida endossou o Textus Receptus, que defende a inspiração de todos esses textos. b. O texto de 1 Jo 5:7 não é de forma nenhum acréscimo ao texto sagrado, uma vez que pertence ao texto grego original do NT, sendo encontrado nos seguintes manuscritos gregos: Wizanburgensis(Séc.VIII), 629, 61, 918, 2473, 88, 429, 636, 635, 221; sendo encontrado nas primeiras traduções do NT, como a Phesita Siríaca(150 d.C) e a Ítala(157 d.C), o que comprova sua existência no texto grego disponível da época. O texto ainda é citado em lecionários gregos do NT - o 60, o 173 e o lecionário conhecido como "apostolos", de data considerada como anterior ao 4º século, lecionário esse, pertencente a Igreja Ortodoxa Grega. Ademais como já dissemos, o primeiro tradutor da Bíblia, Jerônimo(347-420 d.C), em seu 'Prólogo as Epístolas Católicas", afirma que o texto "foi omitido por copistas desonestos", o que tambem comprova sua existência nas primitivas bíblias das primitivas igrejas. Na mesma obra, Jerônimo ainda diz:

"Em que lugar particularmente onde lemos sobre a unidade da Trindade, que é colocada na Primeira Epístola de João, no qual também os nomes de três, ou seja, da água, do sangue, e do espírito, que eles colocam em sua edição e omitem o testemunho do Pai e da Palavra, e do Espírito, em que a fé católica é especialmente confirmada e a única substância do Pai, do Filho e do Espírito Santo é confirmada"

E em sua "Confissão de Fé", enviada e dirigida ao bispo de Roma, Damásio, Jerônimo ainda cita 1 João 5:7, dizendo:

"Assim como, em oposição a Ário, nós afirmamos que a Trindade é de uma mesma essencia, três pessoas em um só Deus; assim como condenando a heresia de Sabelio, nós distinguimos as três pessoas pelas suas respectivas propriedades, o Pai é sempre o Pai, o Filho é sempre o Filho e o Espírito Santo é sempre o Espírito Santo. Em essência, portanto, ESTES TRÊS SÃO UM".

E em sua "Explanação de Fé", dirigida a Cirilo, bispo de Jeruzalém, Jerônimo cita novamente 1 João 5:7, dizendo:

"Para nós, portanto, há um só Pai; um Filho, que é verdadeiro Deus, e um Espírito Santo, que é verdadeiro Deus: E ESTES TRÊS SÃO UM".

E Cipriano(208-258), bispo de Cartago, em sua obra 'Da Unidade da Igreja', diz:

"O Senhor diz: "Eu e o Pai somos um"; João 10:30 e novamente está escrito do Pai e do Filho e do Espírito Santo: "E estes três são um"(6)

E em sua "Epístola a Jubaiano", ele cita novamente 1 João 5:7(72:12).

Phoebadius(+350 d.C), tambem cita 1 João 5:7(Contra Arianos, 17:4).

E em sua obra "Contra Varimadum"(380 d.C), Vigilio Tapsus, diz:

"E João Evangelista diz: 'E há três que dão testemunho no céu: o Pai, o Verbo, e o Espírito Santo, e estes três são um'"

Priciliano(+ 380 d.C), em seu 'Liber Apologeticus', diz:

"Como João diz: "e há três que dão testemunho na terra, a água, a carne o sangue, e esses três estão em um, e há três que dão testemunho no céu: o Pai, o Verbo, e o Espírito, e estes três são um"

Elcherius de Lião(434 d.C) tambem cita 1 João 5:7(Formulae, C.XI, Seção 3).

Tertuliano(155-222), cita a passagem(Contra Práxeas, 25)

Crisóstomo(349-407), o comentarista das Escrituras na época dos pais da Igreja, cita 1 João 5:7 em seu "Discurso Contra os Judaizantes"(I:3).

Victor Vitensis (+ 485 d.C), cita o texto de 1 Jo 5:7:

"há três que dão testemunho no céu: o Pai, o Verbo, e o Espírito Santo, e esses três são um"(Historia persecutionis Africanae Provinciae 3.11).

Fulgêncio(468-527 d.C) cita o texto de 1 Jo 5:7:

"E há três que dão testemunho no céu: o Pai, a Palavra e o Espírito. E os três são um só ser"(Responsio contra Arianos)

"E Há três que dão testemunho no céu: o Pai, do Filho e do Espírito, e estes três são um ser"(Contra Fabianum, 21:4)

"Há três que dão testemunho no céu: o Pai, o Verbo, e o Espírito, e estes três são um"(De Trinitate)

Isidoro de Sevilha(560-636), cita o texto:

"E há três que dão testemunho no céu: o Pai, o Verbo, e o Espírito, e os três são um"(Testimonia divinae Scripturae 2)

Cassiodoro(583 d.C), tambem cita 1 Jo 5.7:

"Além disso, há três que dão testemunho no céu: o Pai, o Filho e o Espírito Santo, e estes três são um"(S. Epistolam Parthos ad Joannis: 10.5.1).

Agostinho(354-430) tambem cita o texto de 1 Jo 5.7:

(Da Trindade, IX, X),
(Cidade de Deus, V).

E em sua obra "Contra Maximiniano"(II, 22:3), Agostinho ainda diz:

"Mas se vamos investigar o significado que as coisas por estas, não exageradamente entram em nossos pensamentos sobre a Trindade em si, que é uma única Verdade, o Supremo Deus, Pai, Filho e Espírito Santo, de quem poderia mais ser realmente dito: "HÁ TRÊS TESTEMUNHAS, E OS TRÊS SÃO UM. Estes são as três testemunhas, e os Três são Um. Desta forma, em seguida, as três coisas pelas quais eles são, significadas como saindo do corpo do Senhor: como a partir do Corpo do Senhor soou por diante o comando para "batizar as nações em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo ". "Em nome", não, nos nomes: porque "PORQUE ESTES TRÊS SÃO UM", e Deus é Um destes três. E, se de outra forma esta profundidade do mistério que lemos na epístola de João pode ser exposta e compreendida agradavelmente com a fé católica, que não confunde nem divide a Trindade, nem nega que as pessoas são três, e em nenhum caso deve ser rejeitada".

Agostinho está claramente confirmando a existência de 1 João 5:7 como um texto da 1ª epístola universal de João. Isso é um fato inconteste.

Gregório Nazianzo(330-390), um bispo grego, cita o texto, de modo reminiscente: "...Os três são um"(5ª Oração Teológica,[31:9]).

E novamente em sua "Quinta Oração Teológica"[Oração nº 31, Verso 19], Nazianzo protesta contra a omisão de 1 João 5:7 por parte de alguém da época, afirmando estar o texto gramaticalmente sem sentido com a ausência de 1 Jo 5:7:

". . .E sobre João então, quando em sua Epístola Católica diz que há três que dão testemunho... Em segundo lugar, porque ele não tem sido consistente na maneira como ele aconteceu em seus termos, porque depois de usar três no gênero masculino, acrescenta três palavras que são neutros, ao contrário das definições e leis que você e seus gramáticos estabeleceram. Pois qual é a diferença entre colocar uma masculina três primeiros, e então adicionando um e um e um no neutro, ou depois de uma Um masculino e um e um para uso não os três no masculino, mas no neutro, que vós mesmos assumem no caso da Divindade?".

Notaram a expressão "...que vós mesmos assumem no caso da Divindade"? E tambem notaram a expressão "...depois de usar três no gênero masculino"? Essas duas frases não são alusões as pessoas da Trindade, mencionadas em 1 João 5:7? É claro que Gregorio reconheceu a inconsistência com a gramática grega, se tudo o que temos são os versículos seis e oito sem o verso sete. Outros estudiosos têm reconhecido a mesma coisa.Este foi o argumento de Robert Dabney do Seminário Teológico União, em seu livro, "Várias Leituras Doutrinárias do Novo Testamento Grego"(1891). O Bispo Middleton em seu livro, 'Doutrina do Artigo Grego', argumenta que o versículo sete deve ser uma parte do texto de acordo com a estrutura grega da passagem. Mesmo no famoso comentário de Matthew Henry, há uma nota afirmando que devemos ter o versículo sete, se quisermos ter o grego adequado no versículo oito.

O texto de 1 João 5:7 é citado na "Sinopse Grega da Sagrada Escritura", datada do 4º século.

A passagem de 1 João 5:7 tambem foi citada em uma homília feita por um autor desconhecido, na edição beneditina de Crisóstomo(Tomo XII, pp.416-421). A data desta homília foi corrigida é de 381 d.C, portanto tambem datada do 4º século.

Teodoro de Mopsuéstia(+ 428 d.C), o mestre de Crisóstomo e um contemporâneo do imperador Juliano, citou 1 João 5:7 em sua obra denominada "Um Tratado Sobre a Trindade Em Um Só Deus, a Partir da Epístola de João, o Evangelista". Este é um testemunho notável e irrefutável, já que implica a existência e notoriedade de 1 João 5:7 no meio do quinto século.

Cirilo de Alexandria(+ 444 d.C), em seu "Thesaurus de Sancta Et Consubstantiali Trinitate" tenta provar que o Espírito Santo é Deus, aludindo a 1 Jo 5.7:

"Por ter dito que o Espírito de Deus enquanto é uma das testemunhas, um pouco para a frente, ele acrescenta, o testemunho de Deus é maior: Como, então, ele seria uma criatura quando é dito que ele seria Deus com o Pai Universal, e completando o número da SANTA TRINDADE"?.

Quando se refere ao Espírito Santo como uma das testemunhas, ele alude a 1 João 5:7. Ademais, as palavras em letras maiúsculas formam a substância do sétimo verso que Cirilo quis citar. Esses dizeres mostram Cirilo citando 1 Jo 5:7,9. Isso foi no 5º século. Evidentemente, Cirilo cita 1 Jo 5:7 ou alude ao mesmo nesses seus dizeres, pois em que parte de 1 João 5 encontramos o Espírito Santo completando o número da Trindade, exceto em 1 João 5:7?

Atanásio(295-373), o campeão da ortodoxia de Nicéia, em sua obra "Disputa com Ario" cita 1 João 5:7:

"Esse batismo vivo e salvador, pelo qual recebemos a remissão dos pecados, administrado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. E São João diz: E estes três são um".

Muitos tem afirmado que essa obra atribuída a Atanásio, é apócrifa, contudo sem um arugmento sólido. Estes afirmam que tal obra não pode ter sido de Atanásio porque o estilo do diálogo não é consistente com os escritor de Atanásio. No entanto, Charles Forster refutou essa linha de argumentação, mostrando que o estilo e tipo de citação empregados no diálogo é inteiramente consistente com o que aparece em outras obras de Atanásio que são aceitos como verdadeiros por todos. Além disso, na obra "Disputa com Ario", durante o diálogo, se fala do imperador Constantino no tempo presente, como governando com Constâncio, seu filho, indicando claramente uma data de composição na primeira metade do século IV.

E em outra obra de Atanásio, "A Sinopse da 1ª Epístola de João", ele alude a 1 João 5:7, afirmando: "O apóstolo ensina aqui a unidade do Filho com o Pai". Não existe outro lugar desta epístola onde a unidade entre o Pai e o Filho seja mencionada, exceto em 1 Jo 5:7, existe?

O Concílio da Igreja de Cartago em 415 d.C, composto de 350 bispos, em sua confissão de fé, escrita por Eugenio, cita o texto. Como poderia um texto "apócrifo" ser citado por 350 bispos da igreja, sem ouvir-se uma única voz de protesto?

Ansbert(760 d.C), em seu "Comentário Sobre o Apocalípse" cita 1 João 5:7.

Interessante é que até os anabatistas dos Séculos XVI(que tambem endossaram o TR) tambem citavam 1 Jo 5:7 em suas defesas da Trindade, como por exemplo, Meno Simmons(1496-1561)(Confissão do Tríuno Deus, 1532 d.C)(The Complete Writings of Menno Simons, p.496). Todos os reformadores tambem, inclusive Calvino(Institutas, III, 1:1). Justamente por isso, em seu "Comentário de 1 Jo 5:7", Calvino chegou a dizer sobre esta passagem: "Estou inclinado a recebê-la como verdadeira leitura". Eu acho até ridículo um camarada se denominar 'presbiteriano calvinista', sem endossar o TR e consequentemente, negar a autenticidade e canonicidade de 1 Jo 5:7, já que Calvino endossou o TR e consequentemente defendeu a autencidade de 1 Jo 5:7. O que um camarada desses (defensores e usuários do TC e suas traduções[ARA, NVI, BLH, BV, etc]) tem haver com Calvino? Vamos, me digam? Um indivíduo que consegue ser pior do que os anabatistas e os arminianos, mereçe que tipo de rotulação?

O Dr. Otto Fuller, com maestria, explica que a omissão de 1 Jo 5:7 prejudica todo o sentido do texto de 1 Jo 5:8 . Em seu livro "Which Bible", ele escreve:

A EVIDÊNCIA INTERNA DA CRÍTICA SUSTENTA O “PARÊNTESE”

"Se 1João 5:6-8 for retirado do texto grego, as duas pontas soltas resultantes não se unirão gramaticalmente. A língua grega tem “gênero” na terminação dos seus substantivos (como fazem muitas outras línguas). Substantivos neutros normalmente exigem artigos neutros (a palavra “o”, como em “o sangue”, é o artigo). Mas o artigo no verso 8 da leitura encurtada que é encontrada no grego que é a base das versões modernistas (verso 7 do texto grego da Bíblia do Rei Tiago) é masculino. Assim, as novas traduções lêem “o Espírito (neutro), a água (neutro) e o sangue (neutro): e estes três (masculino!! – do artigo grego “hoi”) são um.” Conseqüentemente, três sujeitos neutros estão sendo tratados como masculinos (veja abaixo onde a porção omitida é italizada). Se o “Parêntese” for rejeitado, é impossível explicar adequadamente esta irregularidade. Adicionalmente, sem o “Parêntese” o verso 7 tem um antecedente masculino; três sujeitos neutros (substantivos, no verso 8) não admitem um antecedente masculino. Vendo-se a passagem completa, torna-se aparente como esta regra de gramática é violada quando as palavras são omitidas.

5:6...E o Espírito (neutro) é o que testifica (neutro), porque o Espírito (neutro) é a verdade.

5:7 Porque três (masculino) são os que testificam (masculino) no céu: o Pai (masculino), a Palavra (masculino), e o Espírito Santo (neutro); e estes três (masculino) são um (masculino).

5:8 E três (masculino) são os que testificam (masculino) na terra: o Espírito (neutro), e a água (neutro), e o sangue (neutro); e estes três (masculino) concordam num.

Quando pedimos aos eruditos uma explanação para esta estranha situação, a resposta é que a única maneira de explicar o uso do masculino dos três neutros no verso 8 é que aqui eles têm sido “personalizados”. Todavia, nós observamos que o Espírito Santo é referenciado duas vezes no verso 6 e, como Ele é a terceira pessoa da Trindade, isso equivale a “personalizar” a palavra “Espírito” – mas o gênero neutro é usado. Portanto (como Hills observou) uma vez que “personalização” não acarretou uma mudança de gênero no verso 6, não pode razoavelmente ser alegada como a razão para tal mudança no verso 8.

O que, então, deve ser feito para explicar [as dificuldades do Texto Crítico]? A resposta é que alguma coisa está faltando! Se nós retemos o Parêntese Joanino, uma razão para referenciar os substantivos neutros (Espírito, água e sangue) do verso 8 usando o gênero masculino torna-se imediatamente clara. A chave é o princípio da “influência” e “atração” na gramática grega. Que influência faria com que “que testificam” em verso 7 e “estes três” em verso 8 subitamente se tornarem masculinos? A resposta só pode ser: [isto ocorreu] devido à influência dos substantivos Pai e Palavra no verso 7, as quais são masculinas – é com a presença de “o Pai” e de “a Palavra” que o começo e o final da passagem concordam, um princípio bem conhecido da sintaxe grega. Com efeito, então, a única maneira pela qual o Espírito, a água e o sangue podem ser “personalizados”, é continuarmos adotando a leitura da Bíblia do Rei Tiago de 1611 e do texto grego sobre a qual ela é baseada. [Nessa leitura,] todas as três palavras são referências diretas à Trindade (verso 7). Onde está a “Pessoa”? “A Pessoa” está no verso 7 da Versão Autorizada de 1611.

O leitor perceberá que a frase sublinhada, “os que testificam”, ocorrendo três vezes na passagem precedente, é um particípio, o qual é um tipo de adjetivo verbal. Como adjetivos, particípios modificam substantivos e [com estes] têm que concordar em gênero. Portanto, se um crítico textual deseja retirar esta passagem com integridade de caráter, ele deveria ser capaz de responder ao seguinte:

a) Por que é que, depois de se usar um particípio neutro na linha um, subitamente um particípio masculino é usado na linha três?

b) Como pode ser permitido que o numeral masculino, o artigo (grego) e o particípio da linha três (todos três adjetivos masculinos) modifiquem os três substantivos neutros da linha sete?

c) Quais fenômenos da sintaxe grega (a parte da gramática que trata da maneira na qual as palavras são ajuntadas para formar frases, cláusulas ou sentenças em um sistema ou arranjo ordenados) fariam com que os substantivos neutros da linha sete fossem tratados como masculinos pelo “estes três” na linha oito?

Não há nenhuma resposta satisfatória! Estudiosos-líderes do gregos (tais como Metzger, Vincent, Alford, Vine, West, Bruce, Plummer etc.) não fazem nenhuma menção do problema, de forma alguma, quando tratam a passagem, em nenhum dos seus escritos até o presente. The International Critical Commentary devota doze páginas à passagem mas, ignorante ou desonestamente, silencia a respeito dos gêneros que não casam.

Finalmente, com respeito à evidência interna, se as palavras fossem omitidas, as palavras concludentes, ao final do verso 8, conteriam uma referência ininteligível. As palavras gregas “kai oi treis eis to en eisin” significam precisamente – “e esses três concordam com aquele um (antes mencionado).” Se o verso 7º é omitido, “aquele um” não aparece. É inconcebível como “aquele um” (grego = to hen) pode ser reconciliado com a omissão das palavras precedentes, isto é – com a extirpação do “Parêntese”. Como Gaussen observou: “Remova-o [isto é, remova o “Parêntese”], e a gramática torna-se incoerente”.

Sobre a omissão de 1 Jo 5:7 nos manuscritos gregos mais antigos, ainda em seu livro "Which Bible", o Dr. Otto Fuller diz:

UMA PROVÁVEL EXPLANAÇÃO DA OMISSÃO DO “PARÊNTESE” [por alguns, posteriormente]

Há muito devíamos ter dado algum lugar a outros na defesa deste verso tão disputado. Fazemo-lo agora, oferecendo a seguinte explanação, [muito] plausível, de como o verso foi omitido. As palavras são as do crítico textual [realmente] crente, Dr. Edward Freer Hills, falecido em 1981:

"... durante o segundo e terceiro séculos (entre 220 e 270, de acordo com Harnack) a heresia que os cristãos ortodoxos tiveram que combater não foi o Arianismo (uma vez que este erro não tinha ainda aparecido), mas [sim] o Sabelianismo (... assim chamada devido a Sabelius, um dos seus principais promotores), que ensinava que o Pai, o Filho e o Espírito Santo eram um no sentido deles serem idênticos. Aqueles que advogaram este ponto de vista herético foram chamados de Patripassianos (“o Pai sofreu”), porque acreditavam que Deus o Pai, sendo idêntico a Cristo, sofreu e morreu na cruz;

"É possível, portanto, que a heresia Sabeliana colocou o Parêntese Joanino em desfavor com os cristãos ortodoxos [inimigos do Sabelianismo]. ... E, se neste período da controvérsia manuscritos foram descobertos os quais tinham perdido esta leitura ..., é fácil ver como o grupo ortodoxo consideraria tais manuscritos mutilados como representando o texto verdadeiro e encararia o Parêntese Joanino como uma adição herética. Especialmente no Oriente que falava grego, o parêntese seria unanimemente rejeitado, pois lá a batalha contra o Sabelianismo foi particularmente severa.

"Deste modo, não é impossível que durante o terceiro século, entre o stress e a tensão da controvérsia Sabeliana, o Parêntese Joanino perdeu o seu lugar no texto Grego mas foi preservado nos textos latinos da África e Espanha, onde a influência do Sabelianismo provavelmente não foi tão grande. ... embora o texto do Novo Testamento Grego tenha sido o recebedor especial do providencial cuidado de Deus... este cuidado também se estendeu, em menor grau, às versões antigas e ao seu uso -- não somente aos cristãos de fala grega, mas também aos de outros ramos [portanto línguas] da igreja cristã. Por isso, embora o tradicional texto encontrado na vasta maioria dos manuscritos gregos seja uma completa reprodução, digna de confiança, do texto original divinamente inspirado, todavia é possível que o texto da Vulgata Latina, que realmente representa o uso estabelecido na Igreja Latina desde os primeiros séculos, preserve algumas poucas leituras genuínas não encontradas nos manuscritos gregos. ... por isso, é possível que o Parêntese Joanino seja uma dessas leituras excepcionais as quais ... foram incluídas no Textus Receptus sob a direção da providência especial de Deus”.

Assim, com respeito à evidência externa, temos visto que, no cômputo global, se 1João 5:7 é recebido, tem de ser recebido principalmente com base no testemunho da Igreja Ocidental ou Latina. Admitidamente, parece injustificável que se despreze a autoridade da Igreja Grega e se aceite o testemunho da Latina onde uma questão surge sobre a autoridade de uma passagem a qual apropriadamente pertence ao texto da primeira [a igreja grega]. No entanto, quando a doutrina contida naquela passagem é tomada em consideração, existem razões para dar preferência à autoridade da Igreja Ocidental acima daquela da Oriental.

Como a citação do Dr. Hills indica, o Arianismo surgiu logo após o período no qual a heresia Sabeliana floresceu. Arius, um presbítero de Alexandria (d. 336 D.C.) e aluno de Luciano de Antioquia, negou a divindade e a eternidade de Jesus Cristo. A Igreja Grega ou Oriental se entregou completamente àquela heresia desde o reinado de Constantino até aquele de Teodósio o Ancião, por um período de pelo menos quarenta anos (c.340-381, a convocção do quarto Concílio de Bizâncio).

Ao contrário, a Igreja Ocidental permaneceu incorrompida pela heresia Ariana durante este período. Assim se o problema do “Parêntese” não se desenvolveu durante a controvérsia Sabeliana (como o Dr. Hills propõe), pode muito bem ter se desenvolvido durante o tempo do domínio Ariano sobre a Igreja Grega (como o Dr. Frederick Nolan tem proposto com fortíssimos argumentos). Nolan argumenta que, com os Arianos em controle da Igreja Grega durante um período de cerca de quarenta anos, Euzébio foi capaz de suprimir esta passagem na edição que “revisou”, a qual teve o efeito de remover o verso dos textos gregos. Portanto, o verso disputado foi originalmente suprimido, e não gradualmente introduzido na tradução Latina".

Uma das provas para se descobrir o texto genuíno das Escrituras(como disse A. A. Hodge) são a citação das Escrituras por meio dos cristãos pos-apostólicos:

"Citações das Escrituras apostólicas encontradas nos escritos dos primeiros cristãos. Essas são tão numerosas, que todo o Novo Testamento poderia ser reunido das obras de escritores escritas ante do 7º século; ELAS PROVAM O EXATO ESTADO DO TEXTO NO TEMPO EM QUE FOI REDIGIDO"(Confissão de Fé de Westminster Comentada, pp.69,70).

Se todas as citações dos textos do NT, feitas pelos pais da Igreja, não só comprovam o texto genuíno do NT, mas em sí reúne "todo o NT", então segue-se que a preservação total das Escrituras Gregas, não pode jamais ser encontrado no Texto Crítico, uma vez que textos como 1 Jo 5:7; Mc 16:9-20; Jo 8:1-11, etc, citados pelos pais da Igreja, não constam neste texto grego, mas apenas no Texto Receptus(Texto Majoritário). Cometeram os pais da Igreja o "pecado" de citar e colocar textos "apócrifos" do NT em suas obras? Ou de onde eles tiraram esses textos? Será que os defensores e usuários do TC(ARA, BLH, NVI, BV, etc), os 'modernos reformados" podem responder essa pergunta? Pedro chama as Escrituras de "o leite racional, NÃO FALSIFICADO"(1 Pd 2:2). Quem dentre ambos os grupos(defensores do TR e do TC)está se alimentando do puro leite?

E o que é mais triste é ver como a IPB em suas publicações da Confissão de Fé e dos Catecismos de Westminster (feitas pela editora "Cultura Cristã") simplesmente omitiu o texto de 1 João 5:7, em seus capítulos sobre a Trindade, enquanto que esses símbolos primitivos constem o texto em suas edições originais. A primeira Confissão de Fé da Igreja Presbiteriana, a Confissão Escocesa(1560), cita o texto. Todavia, com a sua aliança espúria com a SBB, a IPB, para agradar os defensores do Texto Crítico, não só publicou uma 'Bíblia'(ARA)com um hinário(Novo Cântico), além de publicar "A Bíblia de Estudos de Genebra"(tambem baseada na ARA, e portanto, no TC) mas tambem omitiu 1 Jo 5:7 da publicação da CFW e e dos Catecismos Maior e Menor. Engraçado é o fato de terem sido obrigados a citar a expressão de Mt 6:13('...porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém'), simplesmente pelo fato dos autores dos Catecismos Maior e Menor de Westminster o terem citado por extenso em suas próprias perguntas(Catecismo Maior, Pergunta nº 196/Catecismo Menor, Pergunta nº 107), enquanto que a ARA põe tal expressão entre colchetes, afirmando com isso que tal texto é expúrio e não se encontra no texto original grego do NT. Que esta expressão de Mt 6:13 é autêntica, o prova a Patrística, já que Tatiano(150 d.C) a cita(O Diatesseron, 9ª Seção). Até Calvino era contrário a omissão destas palavras da oração do Senhor(Institutas, III, 20:47). A liderança infiel da IPB e todos os que endossam o TC e a ARA não querem que o reino, o poder e a glória pertençam para sempre ao Senhor Jesus. Isso os incomoda!? Nesse sentido, já começaram a enjoar de confessarem a soberania de Deus? Vergonhosamente, a liderança da IPB, já apostatou da doutrina da preservação das Escrituras(onde o Senhor prometeu preservar sua Palavra integralmente pura[Mt 5:18; 24:36; Gl 3:16)]) endossando o texto da ARA, que é baseado nos corrompidos manuscritos dos séculos IV-V - o Sinaítico e o Vaticano. Eis algumas das provas das corrupções dos manuscritos do TC:

a. O descobridor do Códice Sinaitico – Tischendorf contou em torno de 14.800 alterações feitas por nove pessoas diferentes dos copistas originais;

b. Ebernard Nestle — admitiu que teve de modificar o estilo do Texto Grego do Códice Sinaitico, que apre sentava um estilo do grego de Aristóteles e Platão, para o estilo Koinê;

c. O texto do Ms Vaticano omite 2877 palavras só nos evangelhos;

d. O Ms Sinaitico omite 3453 só nos evangelhos;

e. Em relação ao Textus receptus, o Texto Crítico difere 5337 vezes;

f. O Códice Sinaitico e o Códice Vaticano diver gem entre si cerca de 3000 vezes, só nos evangelhos

Essa é a razão pelo qual rejeitam 1 Jo 5:7 como parte da Palavra de Deus - o endossamento do TC e de sua tradução mais conhecida no Brasil - a ARA. Pelo menos, ao endossar a ARA, a infiel liderança da IPB, vai ter a diferença de ter um "Cristo" que não é escriturísticamente sempre eterno, já que tem "orígens"(Mq 5:2), que não ressuscitou corporalmente já que foi "vivificado no espírito"(1 Pd 3:18). [Sei que essa questão do AT é outra, já que o assunto aqui tratado é sobre a preservação das Escrituras Gregas. Mas, aqueles que deturpam e pervertem a tradução do NT, fariam o que com relação a tradução do AT? Alguém aqui esperaria algum gesto ortodoxo desses indivíduos?(Risos)] Da mesma forma, a mesma liderança e aqueles que seguem o seu exemplo(endossar a ARA)poderão até ir ao confessionário, já que "Tiago" nos manda confessar nossos pecados uns aos outros(Tg 5:16), invés de privadamente orar ao Senhor(Mt 6:5-6) confessando os pecados a Ele(Sl 32:5; At 8:22). Vale tudo nas igrejas onde se toleram o Texto Crítico e suas 'traduções', até porque o 'Cristo' do TC e dos tradutores do TC e da NVI, dá-nos a 'promessa' do universalismo: "Asseguro-lhes que aquele que crê tem a vida eterna"(Jo 6:47). Todos estão tranquilos, crendo que "vão" para o céu!

Acho que a infiel liderança e os membros infiéis da IPB e das Igrejas Reformadas do Brasil devem estar encantados com essa 'promessa' do "Senhor". Realmente vale tudo nas igrejas que não tem a mínima objeção em usar traduções corruptas da Bíblia. Interessante que na primitiva Igreja Reformada da Holanda, se rejeitou a tradução católica da Bíblia da época e fez sua própria tradução da Bíblia, tudo por ordem do Sínodo de Dort em 1618(Paulo Anglada, Sola Scriptura,p.110) sendo essa tradução('a Statenvertaling')a usada para combater o Arminianismo, que fora baseada não no TC, mas no Texto Receptus. Mas hoje, as Igrejas Reformadas do Brasil não fazem nenhuma objeção ante o uso de traduções que enalteçam o arminianismo, até porque seus ministros e membros usam abertamente essas traduções, como a ARA, NVI, BLH, etc. Nesse sentido, quando nosso Senhor disse "...porque há muitos chamados, mas poucos escolhidos"(Mt 20:16 ACF), Ele não poderia estar dizendo a verdade, porque tal expressão não apareçe nos manuscritos do TC[Sinaítico e Vaticano](4º e 5º Séculos), embora fosse citada pelos primtivos cristãos - os pais da Igreja; como Irineu(130-200)(Contra Heresias, IV, 15:2), Agostinho(354-430)(A Correção e a Graça, 7:14) e o historiador Sócrates(380-439)(História Eclesiástica, 5:10). A "Bíblia Viva" omite a eleição incondicional em At 13:48 e defende o dogma do livre arbítrio, colocando na boca de Lucas a seguinte heresia: "...e todos os que queriam a vida eterna, creram". E em 1 Pd 2:8, a mesma BV omite a predestinação para a morte. A Bíblia na Linguagem de Hoje faz a mesma coisa em Rm 9:21-23. Essas bíblias feitas pelos tradutores do TC agradam a tudo e a todos. Elas substituem 'sodomita' por 'prostituto cultual'(Vide NVI Dt 23:17; 1 Re 14:24; 15:12; 22:46; 2 Re 23:7), tudo para não ofender ao movimento homossexual!. Ah, agora o ato sexual entre pessoas do mesmo sexo só é pecado se for em adoração, adoração idólatra, dentro de um templo pagão, e ainda mais sem amor mas sim em troca de pagamento?!... Como esta tradução contenta o movimento pró-gays! Os gays devem estar pulando de alegria e gritando "aleluia"!. Até porque dois de seus tradutores americanos eram homossexuais declarados - Virgínia Mollenkott e Marten Woudstra! A NVI brasileira mantêm essa substituição!

Interessante que os arminianos das Assembléias de Deus, ao publicarem sua "Bíblia de Estudo Pentecostal", se basearam na "Almeida Revista e Corrigida"(99% baseada no Texto Receptus)e o Instituto Cristão de Pesquisas(de maioria absolutamente arminiana) ao publicar sua "Bíblia Apologética", endossou a 'Almeida Corrigida Fiel'(100% baseada do Texto Receptus). Que pecado seria maior - o de negar a soberania de Deus(como fazem os arminianos) ou o de negaram a preservação das Escrituras? Se as Escrituras não foram 100% preservadas, temos hoje então seguradas em nossas mãos, em hebraico e em grego, a mais absolutamente perfeita e infalível Palavra de Deus, perfeitamente inspirada? (A liderança e os membros da IPB e da IRB podem responder essa pergunta?) E se as Escrituras não foram 100% preservadas, então Deus não cumpriu a sua promessa(Mt 24:35)e se Ele não cumpriu a sua promessa, então não temos um Deus confiável, temos? Será possível Deus não cumprir suas promessas?(Jó 42:2; Jr 1:12). A doutrina da preservação das Escrituras é a coroa da fé cristã, pois se as Escrituras não foram 100% preservadas, não temos toda a Palavra inspirada por Deus, e se não temos preservada toda a palavra que saiu da boca de Deus, não poderemos ser objetos da promessa de Jesus: "Não só de pão viverá o homem, mas de TODA A PALAVRA QUE SAI DA BOCA DE DEUS"(Mt 4:4). A pergunta é: nas modernas bíblias do TC(ARA, NVI, BLH, BV, etc), podemos encontrar 'toda a palavra que saiu da boca de Deus'? O simples fato de que todas as citações do NT, feita pelos pais da Igreja estejam contidas 100% no Texto Receptus(tambem chamado Texto Majoritário)mostra que o TC e suas 'bíblias' não contêm toda a palavra que saiu da boca de Deus. De fato, a preservação plenária das Escrituras Gregas só pode ser encontrada e defendida apenas dentro e através do Texto Majoritário. Faço minhas as palavras do ministro presbiteriano, Rev. Paulo Anglada(que é um fiel ministro da IPB):

"O texto grego representado na maioria dos manuscritos, conhecido como texto majoritário, bizantino, tradicional ou eclesiástico, foi o texto empregado em todas as traduções da Bíblia até o início deste século... Eles preservaram em essencia, agora não mais manuscrito, mas impresso, o texto majoritário ou eclesiástico, O QUAL CONTINUARIA A SER AMPLAMENTE ADOTADO PELA IGREJA, INCLUSIVE PELOS REFORMADORES, COMO CÓPIA FIDÉDIGNA DO TEXTO ORIGINAL... O FATO É QUE A NÃO ACEITAÇÃO DO TEXTO MAJORITÁRIO COMO A FIEL TRANSMISSÃO DO TEXTO ORIGINAL IMPLICA NA REJEIÇÃO DA DOUTRINA DA PRESERVAÇÃO DO NOVO TESTAMENTO; POIS, QUE OUTRO TEXTO DO NOVO TESTAMENTO TERIA O TESTEMUNHO DA HISTÓRIA DE HAVER SIDO PRESERVADO!?"(Sola Scriptura, pp.97,100,102).

"TUDO O QUE FOI INSPIRADO, PALAVRA POR PALAVRA, TEM SIDO PRESERVADO POR DEUS, ATRAVÉS DA IGREJA, NAS ESCRITURAS, no decurso dos séculos"(Ibidem, p.104).

A infiel liderança da IPB e da IRB e boa parte de seus membros infiés tem a coragem de repetir a mesma confissão acima, feita por Anglada ou discordam dela? Eles têm a coragem de responder tal pergunta, ou ficarão feito os inimigos de Jesus, dizendo que não sabem responder?(Mt 21:23-27). Todos eles sabem que não existe neutralidade em questões de fé?(Lc 11:23). Até quando ficarão em cima do muro? Lembrem-se que o lugar de indivíduos sem coragem, covardes, não é no céu, mas dentro do lago de fogo(Ap 21:8). Para a atual liderança da IPB, não há nenhum interesse em defender essa doutrina clara da Palavra de Deus - a preservação das Escrituras. Assim, essa atual e infiel liderança, além de rejeitar(por omissão ou por ação) essa verdade das Escrituras, nega(ou ignora)até a sua própria confissão de fé, pois a Confissão de Fé de Westminster(1643-1649), diz:

"O Velho Testamento em Hebraico (língua vulgar do antigo povo de Deus) e o Novo Testamento em Grego (a língua mais geralmente conhecida entre as nações no tempo em que ele foi escrito), sendo inspirados imediatamente por Deus E PELO SEU CUIDADO E PROVIDÊNCIA CONSERVADOS PUROS EM TODOS OS SÉCULOS, são por isso autênticos e assim em todas as controvérsias religiosas a Igreja deve apelar para eles como para um supremo tribunal; mas, não sendo essas línguas conhecidas por todo o povo de Deus, que tem direito e interesse nas Escrituras e que deve no temor de Deus lê-las e estudá-las, esses livros têm de ser traduzidos nas línguas vulgares de todas as nações aonde chegarem, a fim de que a palavra de Deus, permanecendo nelas abundantemente, adorem a Deus de modo aceitável e possuam a esperança pela paciência e conforto das escrituras"(I:8).

A CFW defende a preservação das Escrituras. Mas o que isso significa para a infiel liderança da IPB? Nada, absolutamente nada. [A atual liderança da IPB crê que nessa declaração da CFW? Ela endossa tal afirmação?] Isso mostra quer além de não ser bíblica, a atual liderança da IPB (que nada fez para punir a Editora Cultura Cristã pela omissão de 1 João 5:7) não é confessional. Nosso objetivo não é jogar na vala comum da apostasia e do anticonfessionalismo todos os ministros da IPB(pois há ministros fiéis da mesma[pouquíssimos], que crêem na preservação das Escrituras e defendem o Textos Receptus[ou TM]e que combatem o TC), mas protestar contra essa liderança infiel da mesma, que nada faz contra a atitude da 'Editora Cultura Cristã', em omitir o texto de 1 João 5:7 das publicações da Confissão de Fé e dos Catecismos de Westminster. E como já dissemos - essa liderança infiel peca por omissão ou por ação. Peca direta ou indiretamente. Que direito tem a Editora Cultura Cristã de mutilar as publicações dos símbolos de Westminster? Em nome de que e de quem ela fez e faz isso? Agora o que é inacreditável é que se ache que a atitude da Cultura Cristã em omitir 1 João 5:7 de suas publicações da Confissão e dos Catecismos de Westminster tenha sida feita sem o prévio consentimento e conhecimento da liderança da IPB, correto? Não podemos ser ingênuos demais, temos que ter os pés no chão. Essa é a verdade.

É lamentável vermos indivíduos que se dizem reformados, condenarem os arminianos por um pecado, estando eles cometendo um pecado ainda maior que o dos arminianos. Esses indivíduos precisam primeiro tirar o argueiro de seus olhos!(Mt 7:3-5). Os arminianos pecam negando uma doutrina das Escrituras. Os 'pseudo-reformados' pecam duas vezes mais do que os arminianos - negam uma doutrina das Escrituras(i.e, a Preservação das Escrituras), e se são passivos ante o uso de traduções corrompidas das próprias Escrituras. Pecam assim por ação e omissão.

Não existe mais seriedade na Igreja do Senhor. Não existem mais reformados como antigamente. É tudo um faz de conta. Não devemos manter laços espirituais irrestritos com indivíduos que se dizem reformados, mas que se fazem passivos ante o abandono explícito da doutrina da preservação das Escrituras. Aqueles que se calam ante o uso de traduções falsificadas da Bíblia, são cúmpliçes desse pecado, e Deus condena tanto os que praticam o pecado, quanto os que consentem naqueles que o praticam(Rm 1:32). E não podemos manter laços espirituais irrestritos com quem abandona uma doutrina primária e fundamental da fé cristã!(2 Jo 9-11). Amigos bem intencionados advertiram Martinho Lutero que por amor a unidade ele não deveria de apegar com tanta veemência a um determinado artigo de fé. Ele replicou:

"Malditos sejam o amor e a unidade pelas quais a Palavra de Deus tem de ser sacrificada!".

O bispo Hugo Latimer(1485-1555), que na Inglaterra, morreu na fogueira por causa de sua fé em Cristo, disse:

"A unidade deve ser de acordo com a Santa Palavra de Deus ou é preferível que haja guerra e não paz. Jamais devemos considerar a unidade tão importante a ponto de sacrificarmos a Palavra de Deus"

"PORQUE NÓS NÃO SOMOS COMO MUITOS, FALSIFICADORES DA PALAVRA DE DEUS, antes falamos de Cristo com sinceridade, como de Deus na presença de Deus"(2 Co 2:17 ACF).

51 comentários:

Flávio Teodoro disse...

Gostei muito do artigo. À medida que ia lendo mais me interessava. Bem elaborado! Rico em fontes e esmagador contra os defensores do TC.

Triste ver a IPB com sua bíblia de estudos de Genebra usar uma tradução como a ARA.

Desejo muito que este artigo seja lido por muitos como alerta, pois nossa única Autoridade é a Escritura Sagrada preservada pelo próprio Deus. É dever da Igreja sustentar essa verdade!

Parabéns Jailson pelo artigo. Foi muito edificante para mim. Grande abraço!

Evaldo Rodrigues disse...

O artigo esta marvilhoso,sem duvida um material com peso acadademico.de um homem comprometido com a verdade não se esperaría outra coisa. o artigo é 100% ortodoxo , avance sempre para o que é perfeito. sola scriptura

Evaldo Rodrigues disse...

Que Deus sempre te ilumine para que voçê esteja sempre pronto para defender á ortodoxia Bíblica,e Esclarecendo aos mais desenformados o perigo que é a baixa critica ou critica textual. este é teu ministerio, e de todo aquele que ama a verdade, e que crer que a Biblia é inerrânte, e com isto dizer como disse Anselmo:" creio para que assim possa compreender". parabéns,Soli Deo gria !

Evaldo Rodrigues disse...

Li novamente seu artigo,e posso dizer sem exagero que nunca vi nada sobre o assunto que trata-se de forma tão Sistematica o tema de 1 joão 5:7,eu sou suspeito em falar pois convivo constantemente com voçe, mas qualquer leitor honesto e sincero,vai chegar também nesta mesma conclusão minha. avance sempre para o que é perfeito. sola scriptura

Pr. Vandir Allas, xx12-39416044 disse...

1Jo.5.7 não resiste à coerência da própria Bíblia. O capítulo 5 fala do testemunho que o próprio Deus dá da vida eterna em Jesus e que quem não crê faz Deus mentiroso. Quem pode crer ou duvidar de tal testemunho? Apenas homens pecadores, ainda vivos. No céu há algum homem perdido precisando de salvação? Não. Então prá quê e prá quem é testemunhado no céu?

Jailson Serafim disse...

Allas, sua falácia só pode impressionar verdadeiros analfabetos funcionais, apenas criaturas ignorantes. Quando João fala sobre "o testemunho de Deus", alude ao v.7. E o Pai, o Filho e o Espírito Santo testemunham no céu(e desde o céu)deste amor salvífico cada um respectivamente; o Pai, enviando Cristo para morrer por nós(1 Jo 5:9,10), o Filho, aceitando deliberadamente morrer por nós(Jo 10:17-18)e o Espírito Santo, aplicando os efeitos e benefícios desse amor salvífico de Cristo sobre nós(Rm 5:5-6; 1 Co 6:11, sendo explicitamente considerado uma das testemunhas desse amor(1 Jo 5:6; At 5:31-32).

Jailson Serafim disse...

Agora, seu argumento e o de todos os defensores do TC já foram desmoralizados diante do testemunho de toda a história da Igreja Cristã. Vá refutar as primeiras traduções do NT, vá refutar os pais pré-nicenos, nicenos, pós-nicenos, vá refutar todos os reformadores, vá refutar todas os símbolos de fé reformados(confissões e catecismos)!. Me desculpe, mas teu argumento é um verdadeiro rebotalho teológico, uma verdadeira escumalha religiosa. Com relação à tua interpretação ôca de 1 João 5, te pergunto - 'No céu tinha algum pecador carecendo de salvação? Nesse caso, para que então Deus fez um plano de salvação na eternidade'(2 Tm 1:9-10), não existindo nenhum pecador lá no céu, dentro da eternidade? O fato, de que, na eternidade, Deus separar, dentre a futura massa humana perdida, futuros pecadores para a salvação é um testemunho de seu amor(Ef 1:4-5 comp. com Dt 7:7-8) por estes futuros pecadores, não?(Rm 8:33-34 comp. com Rm 9:11-13). Não existiam pecadores no Céu, mas sempre existiram pecadores na mente de Deus, em seus decretos eternos, e estes decretos estavam direcionados a estes. Vá aprender, criatura, que "Deus chama as coisas que não são como se já fossem"(Rm 4:17).

Tua atitude, Allas, é um verdadeiro atentado à doutrina reformada da preservação das Escrituras, e contraria 2000 anos de testemunho ininterrupto da Igreja acerca da autenticidade desse texto sagrado. O que é a tua opinião diante da opinião de toda a Igreja de Cristo em todas as épocas?! Nada, absolutamente nada.

Leilane Alves disse...

Me explica o texto de 1 colossenses 1:15-17, onde fala de Jesus como PRIMOGÊNITO. Ora, Deus nunca teve princípio, como ele pode ser PRIMOGÊNITO de algo? E a revelação de Jesus Cristo, A QUAL DEUS LHE DEU??? Sabe, as vezes é preciso apenas que se leia a bíblia. Só isso!

Antonio Lima disse...

Como um achado em um mosteiro acaba com a falácia mentirosa
do texto espúrio (acrescentado) de 1 João 5:7, bem como de outras passagens?

A questão da transmissão acurada é um debate aceso especialmente em conexão com as Escrituras Gregas Cristãs. Pois, conforme mencionamos anteriormente, houve tentativas de adulteração. A dúvida quanto à pureza do texto avultou por muitos séculos, semelhante a uma nuvem sombria, porque até o século 17, inclusive, as cópias autorizadas mais antigas do “Novo Testamento” na língua grega original remontavam apenas ao 10.° século — mais de 900 anos depois de os originais terem sido escritos. Ninguém podia provar que a adulteração ou a pena de escribas descuidados não tivessem destruído a mensagem cristã.

Antonio Lima disse...

CONTINUAÇÃO.

Uma “Pérola” Escondida num Mosteiro Isolado

Em 1844, Constantino von Tischendorf, à busca de antigas cópias da Bíblia, entrou na biblioteca do mosteiro ao pé do Mte. Sinai, ao sul da Palestina. Seus olhos foram atraídos para um grande cesto de páginas de livros. Uma olhada mais de perto o deixou estonteado!
Ali estavam páginas de uma cópia da Bíblia em grego bem mais antiga do que qualquer outra que já vira. Mal se contendo, perguntou a respeito daquelas páginas. Seu coração foi a pique. Elas eram usadas para acender o fogo! Duas pilhas já haviam sido queimadas! Os monges lhe deram 43 páginas, mas se recusaram a cooperar mais do que isto.
Ele fez uma segunda viagem ao mosteiro — sem sucesso. Uma terceira viagem — novamente tudo parecia perdido. Ele fez arranjos para partir, considerando perdida a procura. Três dias antes da partida, estava conversando com o ecônomo ou zelador do mosteiro quando este o convidou para ir ao seu quartinho. O zelador comentou que lera um exemplar antigo da Bíblia e abruptamente puxou uma pilha de folhas soltas enroladas num pano vermelho.
Ao abrir a trouxa, ah!, ali estava a “pérola” que Tischendorf estava procurando há 15 anos. Este manuscrito bíblico, agora chamado de Códice Sinaítico, continha o “Novo Testamento”. Cridos como tendo sido escritos por volta do ano 350 E.C., eram mais de seis séculos mais antigos do que os manuscritos de peso até aquela época. Revelaram qualquer alteração no texto?

Antonio Lima disse...

CONTI...

Descobertas e Corrigidas as Alterações

Desde o início era óbvio que o texto da descoberta de Tischendorf era basicamente idêntico ao que fora a base de nossas Bíblias atuais. Entretanto, revelou evidência de adulteração.
Um exemplo é o familiar relato em João 8:1-11 (Almeida) sobre uma mulher adúltera prestes a ser apedrejada, e que fala sobre Jesus ter dito: ‘Quem não tiver pecado que atire a primeira pedra.’ Não estava nesse antigo manuscrito. Assim sendo, edições recentes da Bíblia têm-no removido ou posto como nota ao pé da página para refinar o texto bíblico. Outras adições foram também descobertas e omitidas. — Mat. 17:21; 18:11; Atos 8:37.
Em casos mais sérios, fez-se uma alteração no texto para apoiar um ensino falso, tal como em 1 Timóteo 3:16. A versão Trinitária reza: “Deus se manifestou em carne”, em contraste com “Aquele que foi manifestado na carne”. (American Standard; veja A Bíblia de Jerusalém.) Quanta diferença! Qual é o certo? No primeiro caso, dá a impressão de que Jesus é Deus, contrário às passagens que dizem que ele é o Filho de Deus. — Mar. 13:32.
Nos manuscritos mais antigos, as palavras para “Deus” e “aquele” (masculino) eram similares ( — aquele, masculino) ( — Deus). Manuscritos recentes usualmente apresentavam ou o equivalente. Mas no manuscrito encontrado por Tischendorf está , ou “aquele”, referindo-se a Jesus, e não a Deus. Um escriba mudou o termo para que se lesse “Deus”. O manuscrito Alexandrino, do quinto século, nos deixa em dúvida se foi um erro inocente. À primeira vista, parecia ser , mas por meio de um exame com um microscópio se descobriu que originalmente havia sido , e ‘bem depois uma mão’ acrescentou as linhas para alterá-lo. Versões recentes têm refinado o texto para rezar apropriadamente: “Aquele que foi manifestado na carne.” (Veja as versões interlineares, palavra por palavra, Interlinear Greek English New Testament, Nestle; também a Emphatic Diaglott.)
Um exemplo gritante de adulteração também foi encontrado em 1 João 5:7, onde foi acrescentada a frase: “no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um”. (Almeida) Estas palavras não só não estavam no Sinaítico, como não se encontravam em nenhum manuscrito anterior ao século 16. A evidência indica que um

Antonio Lima disse...

CONT...
manuscrito que se encontra agora na Faculdade Trindade, em Dublim, Irlanda, foi escrito propositalmente por volta de 1520 para inserir este versículo espúrio! Basicamente, todas as versões modernas omitem estas flagrantes alterações.
Uma Nuvem de Testemunhas
Manuscritos ainda anteriores aos datados como do quarto século estavam para aparecer. No Egito foram descobertos exemplares da Bíblia escritos em papiro, alguns até mesmo enrolados em múmias! Estes foram cuidadosamente restaurados e remontam ao terceiro século da E. C. Um pequeno fragmento do livro de João remonta até mesmo a 125 E.C.! Como se comparam estes com os manuscritos do quarto século e, daí, com nossas Bíblias atuais? Não há exatidão em letra por letra, mas a mensagem é a mesma. Qualquer alteração é facilmente descoberta. A mensagem soa claramente.
Mais de 5.000 manuscritos gregos provêm amplos meios para virtualmente reconstruir o texto original. Frederic Kenyon, que tem gasto praticamente a vida inteira estudando estes manuscritos, concluiu:
“É realmente prova admirável da solidez essencial da tradição que, com todos estes milhares de cópias, remontando suas origens a partes tão diferentes da terra e a condições de natureza tão diversa, as variações do texto sejam inteiramente uma questão de detalhes, não de sentido intrínseco.
“E é tranqüilizador descobrir, ao final que o resultado geral de todas estas descobertas e de todo este estudo vem fortalecer a prova da autenticidade das Escrituras e nossa convicção de que temos em nossas mãos, em real inteireza, a genuína Palavra de Deus.” — The Story of the Bible, (A História da Bíblia), pp. 136, 144
A Bíblia se saiu duplamente vitoriosa! Sobrevive como livro e com um texto puro. Entretanto, parece razoável que sua sobrevivência com um texto refinado aconteceu meramente por acaso? É por simples acaso que um livro concluído há mais ou menos dois mil anos, e sujeito a intensas agressões, ainda exista, junto com milhares de cópias antigas, algumas remontando a talvez 25 anos de seus originais? Não é evidência abundante do poder Daquele de quem se diz: “A palavra de nosso Deus permanece eternamente”? — Isa. 40:8, Almeida, atualizada.

Sandro Pelegrineti de Pontes disse...

Senhor Jaílson, boa noite.

Como católico gostaria de lhe agradecer pelo belo trabalho. Tenho debatido sobre a Santíssima Trindade com testemunhas de Jeová e este seu trabalho será fundamental no triunfo da verdade.

Rogo a Deus que um dia nos encontremos na Santa Eucaristia.

Sempre cordialmente,

Sandro Pelegrineti de Pontes

Anônimo disse...

Amado Irmão JAILSON,

Grato pelo seu retorno o qual somente hoje percebi, pelo que peço desculpa.

Acima do pensamento dos reformadores, dos reformados ou mesmo dos “pais” da Igreja, a mim importa o pensamento de Deus revelado na Sua coerente Palavra.

Veja o equívoco de sua argumentação: Uma coisa é o Criador, desde a eternidade, baseado em Sua presciência e amor, prover salvação quando ainda não havia a criação, nem pecado, nem pecador. Outra coisa, bastante incoerente, é proclamar a mesma salvação no céu, onde não há pecado, nem pecador. Logo, não há porque ser autêntico 1Jo 5.7, na forma defendida pelo Irmão.

Deus o abençoe. Pr. Vandir Allas, 0xx12-39416044

Gilson Sousa disse...

Belo trabalho, maravilhoso!!
Queria por gentileza que se pudessem mim mandar a referencia bibliográfica, gosto muito de estudar sobre a verdade de Deus e da historia!!
desde ja agradeço, a paz do Senhor!

Thiago Otoni Pina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Thiago Otoni Pina disse...

Muito BLÁ BLÁ BLÁ E dá-lhe SOFISMA.

AQUI O LINK COM O CODEX SINAITICUS NA PASSAGEM CITADA DE I JOÃO 5:7, O MANUSCRITO COMPLETO MAIS ANTIGO QUE EXISTE DO "NOVO TESTAMENTO"

http://codexsinaiticus.org/en/manuscript.aspx?book=55&chapter=5&verse=8

Não tem NADA DE TRINDADE nele. Uma "doutrina" estabelecida por VOTAÇÃO em um concílio.

Jailson Serafim disse...

Leilane Alves você disse:

"Me explica o texto de 1 colossenses 1:15-17, onde fala de Jesus como PRIMOGÊNITO. Ora, Deus nunca teve princípio, como ele pode ser PRIMOGÊNITO de algo? E a revelação de Jesus Cristo, A QUAL DEUS LHE DEU??? Sabe, as vezes é preciso apenas que se leia a bíblia. Só isso!"

E eu lhe respondo facilmente:

(a)Se a palavra ‘primogênito’ em Cl 1:15 tivesse o sentido de ‘primeira criatura’, isto introduziria uma contradição com o verso seguinte(Cl 1:16), o qual afirma que Jesus criou ‘todas as coisas’, e no v.17, Paulo diz que Jesus era “antes de todas as coisas”. Ora, como poderia Jesus ser ‘antes de todas as coisas’, se Ele fosse uma das coisas criadas? E se Ele criou ‘todas as coisas’, como poderia ser uma das coisas criadas?(Jo 1:3).
A palavra grega que aparece em Cl 1:15 como “primogênito” é a palavra “prototokos”. No “A Greek and English Lexicon of the New Testament”(1855) , de Edward Robinson, a palavra grega “prototokos”, significa “o chefe, um altamente diferenciado e de destaque,assim de Cristo, como o Filho amado de Deus antes da criação, líder, principe”. Portanto esta palavra “primogênito” tem o significado de “Soberano”, “Preeminente”, com relação aqui a Cristo. Por exemplo, em Ex 4:22, o povo de Israel é chamado de “primogênito”. No entanto, a Bíblia diz que havia povos mais antigos que Israel (Gn 10:10). Esaú era o “primogênito’ de Isaque(Gn 25:245-26). No entanto, o 2º filho de Isaque, Jacó, tornou-se ‘primogênito’ (não na ordem de nascimento) sobre Esaú(Gn 27:36-37).. Outros exemplos disso foram José(1 Cr 5:1-2) e Hosa(1 Cr 26:10). Por exemplo, na Bíblia, lemos:

"Também o farei meu PRIMOGÊNITO mais elevado do que os reis da terra"(Sl 89:27). Aqui se fala de Davi como ‘primogênito’ (e Davi não era o primeiro filho de Jessé [1 Sm 17:12-014], nem tampouco o primeiro nascido em Israel), mas ele se tornou preeminente como o rei de Israel.

Em Jr 31:9, lemos: “...porque eu sou um Pai para Israel, e Efraim é o meu primogênito”. No entanto, sabemos que Efraim era o segundo filho de José(Gn 41:50-51). Em ambos os textos(Sl 89:27 e Jr 31:9), na LXX, a versão grega do AT, a palavra ‘primogênito’ é a palavra grega ‘prototokos’, exatamente a mesma aplicada a Jesus em Cl 1:15.

(b)A palavra ‘Deus’ aqui no texto, é uma referência ao Pai e ao Espírito Santo. A expressão ‘a qual Deus lhe deu’ significa que o Pai e o Espírito Santo compartilham com o Filho, da mesma revelação das últimas coisas(Ap 2:7,11,17; 14:13; 21:6 comp. Com Ap 22:16). Entretanto, se a expressão ‘ao qual Deus lhe deu’ significasse realmente que o Filho de Deus não tinha conhecimento dessa revelação e que por razão disso não seria onisciente (e consequentemente não seria Deus), então poderíamos, pressupondo que voce é um testemunha de jeová e usando tua bíblia(TNM) também aplicarei o mesmo tipo de raciocínio, afirmando que o Pai não é proprietário do Reino, desde que Paulo diz:

“A seguir, o fim, quando ele (Cristo) entregar o reino ao seu Deus e Pai”(1 Co 15:24 TNM).

Assim, se o Pai fosse o proprietário do Reino, teria sido necessário Cristo entregar-lhe o reino? E em Ap 4:11, lemos na TNM:

“Digno és Jeová, sim, nosso Deus, de receber... o poder....”.

Assim, se o Pai tivesse poder (ou todo o poder) teria sido necessário ele receber o poder?

Ademais, a Bíblia diz que não há nada que Jesus não saiba(Cl 2:2,3). Em 1 Re 8:39 e 2 Cr 6:30, a Bíblia diz que apenas Deus conhece o coração de todos os homens. Todavia, João 2:24-25 diz que Jesus conhece o coração de todos os homens(Veja também Mt 9:4; 12:25; Lc 5:22; Ap 2:23). Logo, quem é Jesus?

Jailson Serafim disse...





Antonio, voce está falando do CÓDICE SINAITICUS. Então aprenda um pouco sobre este códice que foi achado num mosteiro, mas dentro do lixo, e que foi roubado por Tischendorf:
No ano de 1844, enquanto viajava sob o patrocínio de Frederick Augustus, Rei da Saxônia, em busca de manuscritos, Tischendorf chegou ao Convento de Santa Catarina, [ao pé do] Monte Sinai. Aqui, observando alguns documentos de antiga aparência e que estavam em uma cesta [de lixo] cheia de papéis prontos para acender o fogão, ele os escolheu e retirou, e descobriu que eram quarenta e três folhas de pergaminho da Versão Septuaginta. Foi permitido que ele os tomasse: mas, no desejo de salvar as outras partes do manuscrito do qual ele ouvira falar, ele explanou seu valor aos monges os quais, sendo agora informados, lhe permitiriam apenas copiar uma página e recusaram lhe vender o resto. Quando retornou, ele publicou em 1846 o que tinha conseguido obter , com o título `Codex Frederico-Augustanus' estampado em honra do seu patrocinador" (Miller, p. 24).

O manuscrito Sinaiticus completo continha porções do Velho Testamento e dos livros apócrifos, continha o Novo Testamento completo, como também a espúria [forjada] !Epístola de Barnabé?, e um fragmento da espúria !Pastor de Hermas?. Naquela primeira visita Tischendorf não teve permissão para tomar o manuscrito completo, mas ele retornou ao monastério em 1853 e novamente em 1856. Na noite final da sua última visita, o códice lhe foi mostrado e ele ficou acordado toda a noite copiando uma parte dele. Qual foi a porção com a qual ele perdeu uma noite de sono a copiando, você pode perguntar? Assombrosamente (e indicativo da condição espiritual do homem, cremos), foi a Epístola de Barnabé, que nem [sequer] é canônica! A respeito desta epístola, o estudioso textual do século XIX, Friedrich Bleek, disse ![ela] é provavelmente forjada e seu conteúdo é insignificante e frívolo, de modo que é bastante indigna de ser colocada lado ao lado com os escritos do Novo Testamento?! Ganhando um ouvinte simpatizante no abade superior do monastério, Tischendorf manobrou de modo a ter o manuscrito trazido ao Cairo, onde, naquele mesmo ano, lhe foi permitido copiá-lo. Depois de consideráveis lutas políticas e religiosas, e da promessa de uma soma de dinheiro e de honras para a ordem monástica, foi permitido a Tischendorf tomar o manuscrito para São Petersburgo na Rússia, em 1862. Pouco depois, em Leipzig, Alemanha, ele publicou 300 cópias [do manuscrito], em quatro volumes.
Tischendorf era tão enamorado com o manuscrito Sinaiticus que ele alterou a oitava edição do seu texto em grego (1869-72) em 3.369 casos, largamente em conformidade com o Sinaiticus.

Note que este manuscrito, que tão poderosamente influenciou os homens que desenvolveram as teorias do moderno criticismo textual, foi descoberto em uma cesta de lixo em um monastério da Igreja Católica Greco-Ortodoxa. Mesmo os monges espiritualmente cegos que viviam neste local demoniacamente oprimido o consideraram digno apenas de queimar! Dr. James Qurollo observa:

"Eu não sei qual deles tinha a verdadeira avaliação do seu valor ! Tischendorf, que queria comprá-lo, ou os monges, que estavam se aprontando para queimá-lo!?"

Jailson Serafim disse...

Antonio, aprenda mais sobre esse texto que sendo encontra no lixo de um mosteiro, foi usado por um ladrão:

A pura palavra de Deus, meus amigos, não tem sido preservada em um obscuro monastério da Igreja Católica Greco-Ortodoxa ou nas prateleiras empoeiradas da biblioteca do Papa, mas nos manuscritos e nas Bíblias e que têm sido altamente honradas e usadas pelos crentes comuns através dos séculos.

As corrupções do Códice Sinaiticus: é importante notar que o Sinaiticus mostra clara evidência de corrupção. Dr. F. H. A. Scrivener, que em 1864 publicou "A Full Collation of the Codex Sinaiticus?, testificou:

"O Códice é coberto com alterações de um caráter obviamente corretivo ! devidas a pelo menos dez diferentes revisores, alguns deles [os revisores] sistematicamente se espalhando sobre CADA página, outros ocasionalmente, ou limitados a porções separadas do manuscrito, muitos destes sendo contemporâneos ao primeiro escritor, mas a maior parte [dos revisores] vivendo no sexto ou sétimo século?

A condição amedrontadoramente sacrílega do Monastério de Santa Catarina: É apropriado darmos uma descrição do monastério que abrigava o Códice Sinaiticus. A descrição seguinte foi escrita pelo Dr. R. L. Hymers: ?Eu me tornei convicto da superioridade do Texto Recebido durante uma viagem à Península do Sinai, no verão de 1987. Minha esposa e eu éramos parte de uma expedição que escalou o Monte Sinai. Depois que descemos, visitamos o Monastério Santa Catarina, que se localiza ao pé da montanha. Eu fiquei chocado com as características estranhas e mesmo satânicas deste monastério. As caveiras de monges de todos os séculos estavam amontoadas em um grande aposento. Esta montanha de caveiras tinha entre uns 2,10 a 2,40m de altura. O esqueleto de um dos monges estava acorrentado a uma porta adjacente a esta pilha de caveiras, deixado lá como um guarda de idade indeterminável. Dentro do próprio santuário do monastério, ovos de avestruzes pendiam do forro, lâmpadas tenuamente iluminavam a atmosfera tenebrosa, e estranhos desenhos e pinturas contrárias às Escrituras decoravam o edifício inteiro.

Fomos guiados através deste fantasmagórico convento para o local onde os rolos Sinaiticus tinham sido guardados através dos séculos, por estes monges, até serem descobertos por Tischendorf, levados à [Rússia, publicados na] Alemanha, e finalmente vendidos à Grã Bretanha. Enquanto eu estava de pé em frente à caixa onde o manuscrito Sinaiticus tinha sido guardado antes de ser roubado por Tischendorf, eu tive a distinta impressão de que nenhuma luz espiritual poderia vir deste local"

Esta impressão me levou a reexaminar os fatos concernentes ao texto de Westcott e Hort, e a chegar à conclusão de que o uso que [estes homens] fizeram dos manuscritos Sinaiticus e Vaticanus como a base para o novo texto em grego foi ilegítimo e enganador. Eu tenho chegado à conclusão de que o texto de Westcott e Hort é uma mutilação, e de que o Texto Masorético e o Texto Recebido, que são a base para a Bíblia do Rei Tiago [e para as Almeidas 1753, que corresponderiam hoje a ARC e ACF], lhe são incomparavelmente superiores. Portanto, eu fortemente defendo a Bíblia do Rei Tiago como a mais confiável tradução que hoje temos das Escrituras para o idioma inglês." [O mesmo dizemos das ARC e ACF, para o português].

Jailson Serafim disse...



Antonio, voce disse:

"Em casos mais sérios, fez-se uma alteração no texto para apoiar um ensino falso, tal como em 1 Timóteo 3:16. A versão Trinitária reza: “Deus se manifestou em carne”, em contraste com “Aquele que foi manifestado na carne”. (American Standard; veja A Bíblia de Jerusalém.) Quanta diferença! Qual é o certo? No primeiro caso, dá a impressão de que Jesus é Deus, contrário às passagens que dizem que ele é o Filho de Deus. — Mar. 13:32.
Nos manuscritos mais antigos, as palavras para “Deus” e “aquele” (masculino) eram similares ( — aquele, masculino) ( — Deus). Manuscritos recentes usualmente apresentavam ou o equivalente. Mas no manuscrito encontrado por Tischendorf está , ou “aquele”, referindo-se a Jesus, e não a Deus. Um escriba mudou o termo para que se lesse “Deus”. O manuscrito Alexandrino, do quinto século, nos deixa em dúvida se foi um erro inocente. À primeira vista, parecia ser , mas por meio de um exame com um microscópio se descobriu que originalmente havia sido , e ‘bem depois uma mão’ acrescentou as linhas para alterá-lo. Versões recentes têm refinado o texto para rezar apropriadamente: “Aquele que foi manifestado na carne.” (Veja as versões interlineares, palavra por palavra, Interlinear Greek English New Testament, Nestle; também a Emphatic Diaglott.)"

E eu lhe respondo facimente:

A expressão "Deus se manifestou na carne" não é apócrifa, mas consta tanto no texto revelado de 1 Tm 3:16, que Crisóstomo(347-407), arcebispo de Constantinopla e Comentarista das Escrituras, o citou e comentou, em sua "Homília 11 Sobre 1 Timóteo 3:16". Então, não adianta vir aqui citar manuscritos corrimpidos do NT, como esse que foi roubado de dentro de um lixeiro do monastério, ou vir citar traduções corruptas como a American Standard e a papista 'Bíblia de Jerusalém'. Vá estudar um pouco de manuscritologia e Patrística, criança!!!

Da mesma forma vir citar o texto de liberal de Nestle a tradução do cristadelfiano Benjamim Wilson(a Emphatic Diaglott), não serve pra nada, filho. A propósito, já que você é testemunha de jeová, saiba que o Novo Testamento Interlinear Grego-Inglês, publicado e endossado pela STV e pelos testemunhas de jeová, o Emphatic Diaglott(1942) afirma e comprova a Divindade de Cristo. O “Emphatic Diaglott”, reza, falando de Cristo:



“...o nosso grande Deus e Salvador Jesus Cristo”(Tt 2:13).

“...o nosso Deus e Salvador Jesus Cristo”(2 Pd 1:1).

‘Mas, ao trazer novamente o seu Primogênito a terra habitada, ele diz: ‘E todos os anjos de Deus o adorem”(Hb 1:6).

Jailson Serafim disse...

Sandro Pelegrineti de Pontes, obrigado pelas gentilezas...

Jailson Serafim disse...


Pastor Pr. Vandir Allas, o senhor disse:

"Amado Irmão JAILSON,

Grato pelo seu retorno o qual somente hoje percebi, pelo que peço desculpa.

Acima do pensamento dos reformadores, dos reformados ou mesmo dos “pais” da Igreja, a mim importa o pensamento de Deus revelado na Sua coerente Palavra.

Veja o equívoco de sua argumentação: Uma coisa é o Criador, desde a eternidade, baseado em Sua presciência e amor, prover salvação quando ainda não havia a criação, nem pecado, nem pecador. Outra coisa, bastante incoerente, é proclamar a mesma salvação no céu, onde não há pecado, nem pecador. Logo, não há porque ser autêntico 1Jo 5.7, na forma defendida pelo Irmão."

E eu lhe respondo:

Você deve discutir com Paulo, não comigo. Foi ele que disse que os cristãos foram eleitos antes da fundação do mundo para a santidade(Ef 1:4,5) e santificação nada mais é do que a salvação do dominio do pecado(Rm 6:14). Paulo também disse que essa eleição para a salvação foi realmente concedida aos eleitos antes da fundação do mundo e concretizada dentro do tempo(2 Tm 1:8-10), ou talvez deva reclamar com Pedro, que afirmou que Cristo é conhecido como 'Cordeiro de Deus', antes da fundação do mundo(1 Pd 1:19,20). Logo, se havia uma eleição para a salvação dentro da eternidade, o Pai foi quem planejou escolheu os eleitos para dá-los a Cristo(Jo 6:37,44), o Filho efetuou e concretizou esse plano de salvação, morrendo pelos eleitos(Jo 10:11; 17:2,4,6,8,9) e o Espírito Santo aplicou essa obra do Filho no coração dos eleitos(Jo 7:35,39), e é por isso, que sendo o batismo um símbolo externo de uma realidade interna que é a salvação ou regeneração(At 2:38; Gl 3:27; 1 Pd 3:20,21), não é sem motivo que este sacramento é exercido na autoridade da Trindade(Mt 28:19), porque ela está eternamente e temporalmente envolvida, respectivamente no plano eterno da salvação. Logo, incoerente é este teu pensamento, Pr. Vandir Allas. Se arrependa de seu pensamento anticreistão, e se renda às Escrituras. Como você ousa negar uma coisa assim tão clara das Escrituras?

Jailson Serafim disse...


Gilson Sousa, muito obrigado pelas palavras. Deus o abencoe!

Jailson Serafim disse...

Thiago Otoni Pina, voce disse:

"Muito BLÁ BLÁ BLÁ E dá-lhe SOFISMA.

AQUI O LINK COM O CODEX SINAITICUS NA PASSAGEM CITADA DE I JOÃO 5:7, O MANUSCRITO COMPLETO MAIS ANTIGO QUE EXISTE DO "NOVO TESTAMENTO"

http://codexsinaiticus.org/en/manuscript.aspx?book=55&chapter=5&verse=8

Não tem NADA DE TRINDADE nele. Uma "doutrina" estabelecida por VOTAÇÃO em um concílio"

E eu lhe respondo facilmente:

(1)Todos os cristãos antes do Concílio de Niceia(325 d.C), já criam e ensinavam a doutrina da Trindade, como se segue:

(1)Justino Mártir(89-165),disse:

“Cultuamos o Criador do Universo... Honramos também Jesus Cristo e o colocamos em segundo lugar, assim como o Espírito profético, que pomos no terceiro”(Primeira Apologia [150 d.C]; 13:1,3).

(2)Irineu(130-200), disse:

“Também nós, fomos criados por Ele com tudo o que o mundo encerra. E é dEle que a Escritura afirma: ‘Deus plasmou o homem, tirando-o do lodo e soprando-lhe no rosto o álito da vida. Portanto, não foram os anjos que nos plasmaram – os anjos não poderiam fazer uma imagem de Deus – nem outro qualquer que não fosse o Deus verdadeiro, nem uma Potência que estivesse afastada do Pai de todas as coisas. Nem Deus precisava deles para fazer o que em Si mesmo já tinha decretado fazer, como se Ele não tivesse mãos! Desde sempre, de fato, Ele tem junto de Si o Verbo e a Sabedoria, o Filho e o Espírito. É por meio Deles e Neles que fez todas as coisas, soberanamente e com toda liberdade, e é a Eles que se dirige, quando diz: ‘Façamos o homem à nossa imagem e semelhança’”(Contra Heresias [180 d.C]; IV; 20:1).

“Glória à toda a Santíssima Trindade e uma Divindade: Pai e do Filho e todo-providente Espírito Santo, para sempre, Amém." (Demonstração da Fé Apostólica, Oração)

(3)Clemente de Alexandria(155-225), diz:

“Quanto ao que a Santíssima Trindade significa, nada mais eu sei, exceto que o terceiro é o Espírito Santo, e o segundo é o Filho, pelo qual todas as coisas foram feitas de acordo com a vontade do Pai"(Stromata[195 d.C], V,14).

(4)Tertuliano(160-230), diz:

“Há uma Trindade de uma só Divindade: o Pai, o Filho e o Espírito Santo”(De Pudicitia [205 d.C]; 21).

(5)Hipólito(169-250), disse:

“O homem, portanto, embora ele não queira, vê-se obrigado a reconhecer Deus o Pai Onipotente, e Cristo Jesus o Filho de Deus,que sendo Deus, se fez homem, e a Ele o Pai sujeitou todas as coisas, excetuando-se o próprio Pai; e o Espírito Santo; e que estes, portanto, são três”(Contra Noécio, 8 ).

(6)Orígenes(185-254), disse:
“Nós, porém, estamos convictos de que há realmente três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo”(Comentário Sobre o Evangelho de João).
“Os benefícios divinos nos são concedidos pelo Pai, Filho e Espírito Santo, sendo a Trindade a fonte de toda a santidade "(De Principiis, I; 4:2).

Portanto, antes de falar besteira, vá estudar um pouco de história!!!

(2)Esse manuscrito não tem nenhum crédito, por ser corrompido, apesar de ser grego. Quer mais uma prova? Vou lhe dar agora. As palavras de nosso Senhor: "Porque muitos são chamados, mas poucos escolhidos"(Mt 22:14), não são encontradas nem no manuscrito Sinaítico nem no manuscrito Vaticano, mas foram citadas como partes integrantes das Escrituras por Orígenes(184-254), que era um teólogo cristão grego(Comentário do Evangelho de Mateus, XII:12). Orígenes existiu bem antes de ambos os manuscritos. E agora? rsrsrs... Portanto, voce não sabe de nada, filho. Estude manuscritologia, e depois venha falar algo aqui!!!

Jailson Serafim disse...

Thiago Otoni Pina, voê também demonstra ser totalmente leigo em matéria de Bíblia, e por isso, faz essa afirmação tôla.... Aprenda...


O conceito de um Deus trino está exposto copiosamente nas Escrituras(Gn 1:26; 3:5 comp. com Gn 3:22= '...um de nós..'; Gn 11:5-5-9; Is 6:8; 1 Jo 5:7). b. As Escrituras apresentam Pai. Filho e Espírito Santo como 'Deus'(Ef 1:3; 2 Pd 1:1; At 5:3-4), ao mesmo tempo que afirma que há apenas um só Deus(Mc 12:32). De duas: Ou Pai, Filho e Espírito Santo são um só e o mesmo Deus, ou então temos três deuses. Não há meio termo, exceto aceitar a idéia de unidade composta dentro da Divindade, ensinada desde o texto original do VT em Dt 6:4, através da palavra hebraica 'echad'. Tome-se por exemplo Gn 1:5, onde Moisés escreve "Chamou Deus à luz dia, e às trevas noite. Houve tarde e manhã o primeiro dia". A palavra aí traduzida por 'primeiro' é echad. Aquele primeiro dia era composto de luz e trevas - manhã e tarde. Da mesma forma em Gn 2 2:24, Deus revelou que marido e mulher se tornariam os dois 'uma só carne', usando a palavra 'echad', indicando uma unidade em sentido composto. Ainda em Ed 2:64, lemos 'Toda esta congregação junta foi de 42.360'. A palavra hebraica aqui traduzida por 'toda', na expressão 'toda esta congregação' é a palavra 'echad'. É evidente que aquela congregação, embora fosse uma só, era composta por muitos indivíduos. De fato, nada menos que 42.360 judeus compunha aquele congregação. Assim, muitos coletivamente falando, são considerados como somente um.



Nestes textos por mim citados, a mesma palavra hebraica que ocorre em Dt 6:4 tambem ocorre nos demais textos: a palavra 'echad', que em hebraico significa unidade composta ou coletiva. É um substantivo coletivo, em outras palavras, um substantivo que demonstra unidade, ao mesmo tempo que se trata de uma unidade que contêm várias entidades. Agora se o texto de Dt 6:4 quisesse dizer que Deus é uma única pessoa, se usaria logicamente a palavra hebraica 'yachid', que significa literalmente 'unidade absoluta': um e somente um, uma unidade composta de uma única entidade, como em Gn 22:2. Alí, a palavra 'único' é 'yachid', pois havia apenas um filho de Abraão que Deus reconhecia: Isaque. Ele era o filho da promessa - não havia outro. Nesse sentido, pois 'yachid' estabelece singularidade absoluta: um e somente um; uma unidade composta de uma única entidade, como nos seguintes textos: Sl 22:20; Jz 11:34; Jr 6:26; Am 8:10; Zc 12:10.



(c)Desde o VT, a doutrina da Trindade está implícita ou até mesmo explícita(dependendo dos textos). Por exemplo, em Gn 18, Deus aparece a Abraão como três homens:



"O Senhor apareceu-lhe posteriormente ... Ao levantar os seus olhos, olhou e eis que havia três homens..."(vv.1,2)



Abraão se dirige a eles como 'Senhor'(Gn 18:3). Quando os três homens respondem, o episódio é descrito alternativamente como "eles falando(v.9) e "o Senhor" falando(v.13). Quando Moisés narra que dois daqueles homens se despedem de Abraão para visitar Ló em Sodoma, Moisés continuar a chamar aquele que permaneceu com Abraão de "Senhor"(v.22), enquanto Ló se dirige aos outros dois como "Senhor"(Gn 19:18). Interessante isso... Por que Deus aparecer a Abraão como 'três' homens? Explique aí para nós!? rsrsrs

Fabio Freire disse...

Irmão Jailson, estou bastante impressionado com a quantidade de informação, também da maneira como expõe. Estou muito satisfeito com o que falou, trouxe-me um bálsamo, sei que foi o Senhor, mas tu foste usado por Deus meu irmão. Como tenho me entristecido estes dias lendo liberais, lendo o livro de Kurt Aland,textos de Metzeger entre outros. Como são vigorosos e robustos em argumentos, gigantes portentosos. Encontrei um pouco mais de força para continuar minhas pesquisas, vou procurar cada citação que fez, tudo é importante. Eu baixei o livro de Wilburn Pickering parece ser interessante, o que tu achas? O que me indicas para língua portuguesa sobre tradução, códigos, manuscritologia? Que o Senhor abençoe tua vida grandemente. Foi para Igreja muito feliz hoje.

Fabio Freire disse...

Fui* para Igreja Feliz hoje rs rs.

Paulo Martins disse...

uma autentica comedia esta explicaçao da trindade a Biblia esta clara...basta apenas ler a biblia e damos logo conta que nao existe trindade nenhuma...rsrsrsrsrssrs

Jailson Serafim disse...

Paulo Martins, você disse:

"uma autentica comedia esta explicação da trindade a Biblia esta clara...basta apenas ler a biblia e damos logo conta que nao existe trindade nenhuma...rsrsrsrsrssrs"

Comédia é negação a doutrina da Trindade, tão claramente ensinada na Bíblia(Gn 1:26; 3:22; 11:5-9; Is 6:8; 1 Jo 5:7), negação essa amparada sob as mais ridículas explicações sobre esses textos, como aquelas que dizem que o texto (ex: Gn 1:26; 11:7; Is 6:8) "se refere aos anjos". Mas sempre há quem adore pastelões.

Jailson Serafim disse...

Fábio Freire, você disse:

"Irmão Jailson, estou bastante impressionado com a quantidade de informação, também da maneira como expõe. Estou muito satisfeito com o que falou, trouxe-me um bálsamo, sei que foi o Senhor, mas tu foste usado por Deus meu irmão. Como tenho me entristecido estes dias lendo liberais, lendo o livro de Kurt Aland,textos de Metzeger entre outros. Como são vigorosos e robustos em argumentos, gigantes portentosos. Encontrei um pouco mais de força para continuar minhas pesquisas, vou procurar cada citação que fez, tudo é importante. Eu baixei o livro de Wilburn Pickering parece ser interessante, o que tu achas? O que me indicas para língua portuguesa sobre tradução, códigos, manuscritologia? Que o Senhor abençoe tua vida grandemente. Foi para Igreja muito feliz hoje."

E eu respondo:

a. É a graça de Deus sobre mim, que sou apenas conservo de meus irmãos e mordomo do Senhor. eu não tenho nada. Tudo é dEle, vem dEle e é para Ele. b. Excelente esse livro do Dr. Wilburn Pickering. c. Te indico "Sola Scriptura, A Doutrina Reformada das Escrituras Sagradas"(Paulo Anglada); "Manuscritologia do Novo Testamento"(Paulo Anglada); 'Versões Modernas da Biblia"(David Cloud)(disponínel na internet). d. Deus o abençoe, mano. Nos ajude em oração. Abraços!

Clark Kente disse...

A Pesito siríaca e seu valor para nós
No século 19, quase todas as traduções da Bíblia tinham um acréscimo em 1 João 5:7 que apoiava o ensino da Trindade. Mas esse acréscimo não aparece nos manuscritos gregos mais antigos. Também não aparece na Pesito, provando assim que ele é de fato uma adulteração do texto bíblico. A própria Almeidinha reconhece tanto que algumas não trazem: 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e estes três concordam. https://www.bibliaonline.com.br/aa/1jo/5

Robson Assunção disse...

Que trabalho irmão, ótimo estudo para combater o relativismo que fazem da escritura descredenciando qualquer versículo que for possível, sou membro da IPB e sofro ao ver quanto engano, obrigado pelo texto.

Benedito Carlos disse...

O Artigo começa dizendo que a Phesita Siríaca(150 d.C) tem o trecho de 1 João 5:7, mas isso é um erro ou uma mentira. Pq a Phesita do primeiro século não tinha o Novo Testamento, a Ítala(157 d.C) também não tem a 1 carta de João e os mss Wizanburgensis são de mais de mil anos da escrita da carta. Na verdade apenas 8 dos 6002 manuscritos em Grego tem essa passagem de 1 João 5.7 e todos aparte do ano 1000 pra cima.
Acredito que ouve omissão e confusão neste artigo e a opinião de outros eruditos foi ignorada, assim como as citações de bíblias respeitadas como a Bíblia de Jerusalém que diz "...parece ser uma glosa marginal introduzida posteriormente no texto".

Jailson Serafim disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jailson Serafim disse...

disse...
Clark Kente você disse:


"A Pesito siríaca e seu valor para nós
No século 19, quase todas as traduções da Bíblia tinham um acréscimo em 1 João 5:7 que apoiava o ensino da Trindade. Mas esse acréscimo não aparece nos manuscritos gregos mais antigos. Também não aparece na Pesito, provando assim que ele é de fato uma adulteração do texto bíblico. A própria Almeidinha reconhece tanto que algumas não trazem: 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e estes três concordam. https://www.bibliaonline.com.br/aa/1jo/5"


Resposta: (a)Meu caro super homem do paraguai, se por "manuscritos gregos mais antigos" você tenciona se referir aos manuscritos vaticano (4º século) e sinaítico(5º século), você tem razão. Engraçado, que o texto de Mt 6:13("porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém), também não aparece nesses manuscritos, embora apareça no Didache(90 d.C), que foi escrito em grego. Isso mais uma vez comprova a corrupção e adulteração desses manuscritos, que não tem nenhuma credibilidade quanto a conter a passagem no exato estado do texto do NT no tempo em que foi redigido. Por isso, todos os pais da igreja anteriores e posteriores a esses manuscritos, por citarem 1 Jo 5:7, desqualificam a autenticidade, legitimidade e credibilidade de todos esses manuscritos


(b)Seu analfabetismo funcional sobre a Phesito é impressionante, pois vários tradutores da Phesita, entre eles, George Lamsa, traduziram 1 Jo 5:7 como:


"Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um".


https://www.studylight.org/bible/glt/1-john/5-7.html


Como traduziriam algo que nunca esteve lá no texto?


Então, me faça o favor: Não acabe todo o estoque de óleo de peroba do mundo


(c)A "Almeidinha"(ARA) não tem nada a ver com a tradução original de Almeida, que usou o TR em sua tradução do NT, não colocando colchetes nela. Essa opinião é da turma da SBB, que foi a mesma turma que, na sua "Bíblia na Linguagem de Hoje"(hoje chamada de 'Nova Tradução na Linguagem de Hoje') traduziu Cl 2:8, afirmando que os demônios governam o universo. Então, se concorda com a turma da SBB, vá procurar um terreiro de candomblé ou se delicie, lendo a Bíblia Satânica de Anton LaVey. Vai fazer muito "bem" a sua miserável alma. Você é só mais um analfabeto funcional a vomitar um monte de escumalhas

Jailson Serafim disse...

Benedito Carlos, você disse:

"O Artigo começa dizendo que a Phesita Siríaca(150 d.C) tem o trecho de 1 João 5:7, mas isso é um erro ou uma mentira. Pq a Phesita do primeiro século não tinha o Novo Testamento, a Ítala(157 d.C) também não tem a 1 carta de João e os mss Wizanburgensis são de mais de mil anos da escrita da carta. Na verdade apenas 8 dos 6002 manuscritos em Grego tem essa passagem de 1 João 5.7 e todos aparte do ano 1000 pra cima.
Acredito que ouve omissão e confusão neste artigo e a opinião de outros eruditos foi ignorada, assim como as citações de bíblias respeitadas como a Bíblia de Jerusalém que diz "...parece ser uma glosa marginal introduzida posteriormente no texto".

Resposta: (a)Eu não afirmei que a phesita era do primeiro século, mas do segundo século, que nesse documento se encontra 1 Jo 5:7. Você sabe ler? Não sabe a que século se refere o ano 150 d.C? Então, vá tomar o seu gardenal. (b)Tanto tem a carta de 1 João, que vários tradutores da Phesita, entre eles, George Lamsa, o traduziram. Então, vá procurar saber quem foi que matou o mar morto.

(c)O manuscrito Wizanburgensis é datado do século VIII(750 d.C), como atestam vários eruditos como Robert Dabney, JESSE M. BOYD,

(d)Temos manuscritos gregos contendo 1Jo 5:7:

- Minúsculo 88
- Minúsculo 629
- Minúsculo 636
- Minúsculo 918
-Minúsculo 221
- Minúsculo 635
- Minúsculo 2473

Outra coisa, 1 Jo 5:7 é encontrado no Manuscrito “Apostolos”, do lecionário da Igreja Ortodoxa Grega, do 4º século.

(d)Você me parece ser um adventista, ou alguém que recorreu a um site adventista contrário a 1 Jo 5:7:

http://www.adventistas.com/abril2004/Ijoao57_apolinario.htm

Só que nem todos os adventistas pensam como você, visto que há adventistas que endossaram este meu artigho, porque crêem na Trindade:

http://adventistastrinitarianos.blogspot.com.br/2015/11/a-autenticidade-de-1-joao-57.html

Jailson Serafim disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jailson Serafim disse...

Benedito Carlos, (e)Você omite desonestamente a frase inteira da nota de rodapé de Bíblia de Jerusalem em 1 Jo 5:7. Ei-la:

"O TEXTO DOS VV.7-8 ESTÁ ACRESCIDO NA VULGATA de um inciso ausente nos antigos manuscritos gregos, nas antigas versões e nos melhores manuscritos da Vulgata, e que parece ser uma glosa marginal introduzida posteriormente no texto".

Isso mostra que mesmo para a Biblia de Jerusalem, o texto de 1 Jo 5:7 está na vulgata de Jeronimo(VIII), exatamente no tempo em que um dos manuscritos do TC (o Sinaítico) o omitiu. Isso depõe contra o argumento do TC, que tenta atacar a legitimidade de 1 Jo 5:7, e comprova a corrupção do TC, no Sinaítico.

Agora me diga... A opinião de uma bíblia papista tem relevancia? kkkkk. Pode ter para você, mas não para mim, pois se a opinião de pessoas irregeneradas merecesse valor, teriamos que incluir os espíritas e testemunhas de jeová, que rejeitam a autenticidade de 1 Jo 5:7. Para você, a opinião deles tem valor e relevância? A Bíblia de Jerusalém defende o TC, e, portanto, é parcial, e apesar de ser romanista, não representa a opinião oficial da igreja romana, pois o Catecismo do Concílio de Trento(1546) cita 1 Jo 5:7 como prova bíblica joanina da doutrina da Trindade:


Agora veja o Comentário o capítulo sobre "ADMOESTAÇÕES PRÁTICAS CONCERNENTE O MISTÉRIO DA TRINDADE" do Catecismo do Concílio de Trento:

"there are three who give testimony in heaven, the Father, the Word, and the Holy Ghost; and these three are one"(três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um)

http://www.cin.org/users/james/ebooks/master/trent/tcreed01.htm

E o comentário do credo apostólico, na expressão "Eu Creio no Espírito Santo":

"This same order of the Three Persons, which proves the Divinity of the Holy Ghost, is also found in the Epistle of St. John: There are three who give testimony in heaven, the Father, the Word, and the Holy Ghost, and these three are one"(Esta mesma ordem das Três Pessoas, que prova a Divindade do Espírito Santo, É ENCONTRADA NA EPÍSTOLA DE SÃO JOÃO: Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um")

Portanto, todos os seus argumentos foram debulhados, porque não passam de falácias.

Hudson Flávio Vieira Mateus disse...

Concordo em grau, gênero e número com Flávio Teodoro.

Hudson Flávio Vieira Mateus disse...

@Antônio Lima:

Se você se gaba com os mais antigos (e corruptos) manuscritos da Bíblia, leia John Burgon: "The Revision Revised". Quem sabe você não muda de ideia sobre a confiabilidade do Sinaiticus e do Vaticanus...

JUNIOR OMNI disse...

JESUS CRISTO É O PRÓPRIO DEUS JEOVÁ - O ÚNICO SALVADOR"
.
.
--------------------------------
UNIGÊNITO: ÍMPAR / ÚNICO / SOLO.
.
DEUS em JESUS CRISTO.
JESUS CRISTO em DEUS.

E-book: JESUS CRISTO é o DEUS JEOVÁ do Velho Testamento
http://pt.slideshare.net/JUNIOROMNI30/jesus-o-deus-jeov-do-velho-testamento
.
.
"Pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos". - 1ª Coríntios 1:22
.
.
Os gregos acreditavam em "deuses", que sempre foram MITO / FOLCLORE / MENTIRA. Por isso achavam loucura que o Criador do Universo esteve na terra EM FORMA HUMANA. Mas os deuses gregos só eram representados por estátuas imóveis, mudas, surdas, sem espírito.
.
.
Mas Jesus Cristo esteve entre os pecadores, escolhendo homens simples e humildes para levarem o Seu Santo Evangelho (do grego: Evangelion = Boas Novas) aos quatro cantos da terra.
.
Os deuses gregos nunca enviaram discípulos, para anunciarem as suas palavras ao redor do mundo. Porém os homens idólatras espalharam a mitologia grega por meio de livros, filmes, novelas, etc... MAS TUDO NÃO PASSA DE MENTIRAS E LENDAS, NADA MAIS.
.
.
IN NOMINE CHRISTI AMEN
.
.
________________________________________
.
.
.
* Junior Omni - 2017
.
.
.

JUNIOR OMNI disse...


A MORTE DE JESUS NÃO TERIA NENHUM VALOR,
SE ELE MESMO NÃO FOSSE DEUS - O CRIADOR!
.
- Outra pessoas JAMAIS PODERIA SALVAR A HUMANIDADE!
.
- Outro ser, JAMAIS TERIA CONDIÇÕES DE SALVAR A HUMANIDADE, LIMPANDO-A DE SEUS TERRÍVEIS PECADOS.
.
- Outro ser, JAMAIS TERIA PODER para perdoar pecados.
.
- Outro ser, JAMAIS TERIA PODER para ressuscitar os mortos.
Pois só Jesus disse: "EU SOU A VIDA E A RESSURREIÇÃO" - João 11:25.
.
- Outro ser, JAMAIS TERIA PODER para caminhar sobre as águas.
.
- Outro ser, JAMAIS TERIA PODER para trazer Lázaro de volta a vida, depois de quatro dias, em que os vermes já estavam comendo o seu cadáver apodrecido.
.
- Outro ser, JAMAIS TERIA PODER para multiplicar cinco pães e dois peixes, e alimentar cerca de vinte e cinco mil pessoas.
.
- Outro ser, JAMAIS TERIA PODER para anunciar a Sua morte e a Sua ressurreição ao terceiro dia.
.
- Outro ser, JAMAIS TERIA PODER para ler a mente das pessoas, e saber exatamente o que elas pensavam a Seu respeito, se tinham fé ou dúvida em seus corações.
.
- Outro ser, JAMAIS DESCERIA DO CÉU, afirmando ser "DE CIMA, E SOBRE TODOS" - João 3:31 / João 8:23.
.
- Outro ser, JAMAIS ENFRENTARIA SATANÁS, sem pecado!
.
- Outro ser, JAMAIS SERIA SANTO, porque até os anjos pecaram!
.
- Outro ser, JAMAIS SUBIRIA AOS CÉUS, sendo levado pelas nuvens, e seria ADORADO e REVERENCIADO por milhares e mulheres de anjos.
.
.
.
Outro ser, JAMAIS SERIA O PASTOR. Pois Deus é o Pastor - Salmos 23
.
- Outro ser, JAMAIS PODERIA VIR EM NOME DO SENHOR JEOVÁ, a não ser Ele mesmo que NÃO DIVIDE A SUA GLÓRIA COM NINGUÉM!
.
- Outro ser, JAMAIS PODERIA NOS DAR, GRATUITAMENTE, A VIDA ETERNA! Pois seria preciso SER DEUS ETERNO também.
.
Portanto, JESUS CRISTO é...
.
.
O PRIMEIRO e o ÚLTIMO
A PORTA DAS OVELHAS
O ÚNICO BOM PASTOR
.
– ÚNICO DEUS!
– ÚNICO SALVADOR!
– ÚNICO SENHOR!
– ÚNICO PASTOR!
– ÚNICO REI!
– ÚNICO MESTRE!
.
.
JEOVÁ é o REI DA GLÓRIA!
JESUS é o REI DA GLÓRIA!
.
.
JEOVÁ como Rei da Glória:
.
“Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará O REI DA GLÓRIA. ” – Salmos 24
.
.
JESUS como Rei da Glória:
.
“…Nenhum dos poderosos desta era o entendeu, pois, se o tivessem entendido, NÃO TERIAM CRUCIFICADO O SENHOR DA GLÓRIA.” – 1ª Coríntios 2:7-8
.
.
.

E1000 disse...

Só não entendi uma coisa, você é católico? Pois vejo que o argumento foi baseado em idéias católicas, mas no início do artigo vi algo sobre presbiteriana, um cristão com fontes católicas, se realmente for isso é essa for a defesa então está na religião errada amigo, nunca vi alguém defender tão bem o catolicismo.

Eder Leal disse...

Então porque as interlineares grego/português e a Biblia de Jerusalém não consta este versículo de 1 João 5:7??????

Ixxxxxx cuidado com o fanatismo irmão...

Carlos Oliveira disse...

De quais fontes foram retiradas as informações postadas nesse artigo? Poderia disponibilizar links ou uma bibliografia? Procurei as fontes, no Google, tanto em inglês quanto em português, e não obtive êxito. Tendo as fontes em mãos para consulta fica mais fácil refutar qualquer opinião contrária... Senão vão dizer que são opiniões sem fundamento, baseadas em achismo, um tentativa de defender o indefensável.

E1000 disse...

Olá para todos, é verdade que essa questão de ser ou não uma Trindade é um paradoxo, um círculo onde todos expressaram argumentos em suas verdades, e quem acredita na Trindade achará convincente as explicações a favor e quem não acredita achará plausível a retirada de 1 João 5:7.
Então como chegar a um ponto onde mostra quem está mais perto da verdade? Hora, só observar quem são as pessoas que não fazem disso um negócio financeiro, infelizmente muitos não observavam, mas se não tem vantagens financeiras pq alguém ensinaria algo errado?! Pois não estariam ganhando nada com isso, estão ensinando por amor, algo que está se perdendo hoje. hora quem realmente são conhecidos por nos incomodar com seu trabalho de pregação? Algo que está claramente nas escrituras, então se é ou não uma Trindade, devemos realmente observar essas palavras de Jesus Cristo, pois são muito claras, quem realmente está colocando o reino de Deus em primeiro lugar? Será se nós estamos nos observando nesse ponto? Pois críticar e aceitar nossas verdade é fácil, mas será se nós não estamos dando muita atenção para o materialismo ou até mesmo para imoralidade sexual e fechando os olhos para o mais importante, pois o que vejo aqui são muitos comentários a respeito das escrituras, mas cada um sabe o que está em primeiro lugar em sua vida, então vamos amar ao próximo, fazer o que está claramente nas escrituras, e aguardar o dia do julgamento, não para saber quem estava certo ou errado, mas para o fim desse sistema, pois logo após não haverá mais preocupações porque até mesmo o maior inimigo que é a morte não existirá.

Anônimo disse...

Alguns alegam que se retirada as “três testemunhas celestiais” de I Jo. 5.7, produz-se um erro gramatical, mas isso (o erro gramatical) não é incomum nos textos gregos de João, nem nos textos bíblicos de um modo geral, até porque os escritores tinham graus de conhecimento diferentes da língua o que torna a possibilidade de erro real, além disso alguns deles eram servidos por amanuenses. Comprovando a realidade da imperfeição gramatical em determinadas passagens bíblicas o Dr. Russel Champlin registra acerca do Apocalipse: “O grego ali usado é próprio de um autor que falava o aramaico (sic), e que adquiriu o grego como segundo idioma. Há muitos erros gramaticais no original”. A cerca do evangelho de João o mesmo autor diz: “alguém submeteu o livro a uma revisão bem completa da linguagem”4. A esse título, temos coisas incomuns também em outros lugares do N.T como, por exemplo, três substantivos femininos reunidas num plural neutro em I Co. 13.13, ou em Ap. 1.13 o uso de “μαστός” (mama ou peito, donde temos mastologia) aplicado a Jesus. A mesma palavra é usada em Lc. 11.27 “Bem-aventurado o ventre que te trouxe e os peitos em que mamaste.”; ao invés de κολπός (kolpos), seio, peitoral, como em Jo. 13.23. Há ainda casos em que um substantivo feminino foi masculinizado, só para citar alguns exemplos. Assim, também isso não é argumento em favor da Comma Joanina.

Anônimo disse...

Acho que podemos resolver essa questão toda de uma maneira muito simples.... Suponham que 1 João 5:7 realmente digam que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são um. Ora, Jesus disse em João 17:22: "Eu lhes tenho dado a glória que tu me tens dado, para que sejam um como nós somos um;"

Então, se o texto realmente diz isso significa que eles são um assim como toda a igreja deve ser. Note que Jesus disse "assim como nós somos um". Isso, evidentemente não significa que somos todos parte de uma "trindade" ou de uma "multidade" em um único Deus, mas que a igreja de Cristo deve ter um mesmo pensamento. Isso não significa, nem neste caso uma trindade....

Mas é óbvio que a maioria das traduções não inclui tais palavras na tradução.

E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade.
Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e estes três concordam. (Almeida Revisada Imprensa Bíblica)

Há três que dão testemunho: o Espírito, a água e o sangue; e os três são unânimes. (Nova Versão Internacional)

É assim que temos o testemunho de três:
o do Espírito Santo, o do baptismo de Cristo nas águas, e o da sua morte na cruz. E os três dizem a mesma coisa. (O Livro)

e o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade.
8 Pois três são os que dão testemunho, o Espírito, a água e o sangue, e estes três concordam. (Sociedade Bíblica Britânica)

São, assim, três os que dão testemunho:
o Espírito, a água e o sangue; estes três dão o mesmo testemunho.
(versão Católica)

And it is the Spirit that beareth witness, because the Spirit is the truth.
For there are three who bear witness, the Spirit, and the water, and the blood: and the three agree in one. (american Standard Version)

Poiché tre son quelli che rendon testimonianza:
lo Spirito, l’acqua ed il sangue, e i tre sono concordi.
(Riveduta)

Quia tres sunt, qui testificantur:
Spiritus et aqua et sanguis; et hi tres in unum sunt.
(Nova Vulgata)

Então é isso, senhores... Tirem suas próprias conclusões.... Ah, adicionalmente toda esta disputa cumpre (Atos 17:24-28)

Abner Lucas disse...

Porque essas Bíblias foram traduzidas a partir do Texto Crítico irmão. O TC é um texto corrompido e os dois principais manuscritos (Sináitico e Vaticano) diferem cerca de 3.000 vezes entre si só nos Evangelhos.

Chagas Silva disse...

Vai estudar minha amiga!
Na Bíblia em diversas vezes o termo primogênito é usado para Enaltecer, Destacar , dar Exclusividade.
Deus chamou Davi de primogênito sendo ele o mais novo.
Deus chamou Israel de sua primogênita mesmo não sendo ela a nação mais antiga !!!